COLUNA MOBILIDADE

Metrô do Recife: conheça o "cemitério dos trens" quebrados do sistema pernambucano

São pelo menos 20 trens quebrados e sem peças de reposição abandonados em Cavaleiro

Roberta Soares
Cadastrado por
Roberta Soares
Publicado em 28/04/2022 às 16:40 | Atualizado em 29/04/2022 às 11:01
REPRODUÇÃO
Trens sucateados formam um verdadeiro cemitério de equipamentos no Metrô do Recife - FOTO: REPRODUÇÃO
Leitura:

O vídeo - lógico - foi filmado por funcionários da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) no Recife.

Foi feito para escancarar para a sociedade o que pouca gente vê e o poder público - no caso o governo federal - esconde: um verdadeiro “cemitério de trens” do Metrô do Recife.

O local é o Centro de Manutenção de Cavaleiro (CMC), a oficina de reparo das composições que atendem ao sistema metroferroviário do Grande Recife.

Segundo o funcionário que narra a situação, são pelo menos 20 trens parados. São equipamentos quebrados e/ou sem peças para reposição.

“É muito fácil e cômodo falar dos trens, apontar falhas e problemas. É fácil culpar a CBTU. Mas sem recursos é impossível. E cadê o investimento?”, diz. 

O funcionário alerta que o sistema vai parar, deixando de 250 mil a 300 mil pessoas sem um transporte rápido. “Vai parar tudo. É isso que o governo quer para privatizar o metrô”.

Na verdade, a intenção do governo federal é conceder a gestão e a operação do sistema à iniciativa privada. Não é privatizar.

Metrô do Recife: funcionários estão fazendo "vaquinha" para comprar peças para os trens rodarem, denuncia sindicato

Seria uma concessão pública porque haveria o repasse da gestão e operação por um período determinado. A privatização se configura pela venda definitiva para a iniciativa privada, sem volta para o poder público.

O governo federal parou de investir no Metrô do Recife há mais de cinco anos. Por isso os trens não estão oferecendo um serviço de qualidade à população. Devido a esse desgoverno de anos, que piorou muito com o governo do presidente Bolsonaro”, segue.

REPRODUÇÃO
Trens sucateados no chamado "cemitério" do Metrô do Recife - REPRODUÇÃO

DÍVIDA DO GOVERNO DE PERNAMBUCO

A dívida de R$ 100 milhões que o governo de Pernambuco tem com a CBTU pelo repasse dos créditos eletrônicos do VEM (Vale Eletrônico Metropolitano), o cartão único usado tanto nos ônibus como no metrô, também é lembrada.

Metrô do Recife acumula problemas e deixa incerto futuro sobre gestão privada

“Até o governo do Estado deve R$ 100 milhões à CBTU, dinheiro que poderia ser usado para recuperar esses trens”.

“Esses trens estão mortos. Não têm peça para reposição. Quando eles quebram, a gente vem e pega peças deles para continuar dando assistência aos outros trens que ainda rodam”.

Porque se não fosse isso, se não fossem os muitos guerreiros que trabalham na CBTU, as outras composições já tinham parado há muito tempo”, finalizou.

REPRODUÇÃO
Trens sucateados no chamado "cemitério" do Metrô do Recife - REPRODUÇÃO

Atualmente, denuncia o SindMetro, o Metrô do Recife tem dez composições completamente sucateadas e opera sem um número razoável de trens, o que provoca intervalos de 17/20 minutos e, consequentemente, viagens menos confortáveis devido à superlotação dos vagões.

“Atualmente estamos operando com sete ou oito metrôs na Linha Centro, de três a quatro na Linha Sul e um VLT na Linha Diesel. Estamos chegando a uma situação na Linha Sul de ter apenas três metrôs em operação, impossibilitando o seu funcionamento, ou seja, com possibilidade de paralisação daquela linha”, denunciou o novo presidente da entidade, Luiz Soares.

Comentários

Últimas notícias