Opinião

Após meses de briga com o Congresso e o STF, Bolsonaro agora prega harmonia entre os poderes

Para algumas lideranças no Congresso Nacional a resposta ao discurso do presidente é simples: "estou pagando pra ver!"

Romoaldo de Souza
Romoaldo de Souza
Publicado em 26/06/2020 às 6:39
Notícia
Marcelo Camargo/Agência Brasil
O presidente Jair Bolsonaro e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre. - FOTO: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Leitura:

Foi assim que lideranças no Congresso Nacional e ministros do Supremo Tribunal Federal receberam o discurso de ontem, feito pelo presidente da República Jair Bolsonaro.

É pagar pra ver!

Depois de passar mais de 500 dias azucrinando os ouvidos de congressistas, após insinuar que poderia vir a descumprir decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), mesmo tendo participado e até incentivado apoiadores a promoverem atos pedindo o fechamento do Congresso e do STF, o presidente Bolsonaro agora é outro.

Como se diz na linguagem popular: o presidente virou a chave! O primeiro sinal foi quando ele anunciou o nome de Carlos Alberto Decotelli para chefiar a Educação. O novo ministro é educador, é educado, entende do riscado e não é patrocinado pela ala ideologicamente atrasada do governo.

Ontem, teve um discurso de Bolsonaro que deu uma animada boa nos políticos e juristas. O presidente usou mais de uma vez a palavra entendimento e defendeu a “harmonia” entre os chefes dos poderes. "Eu costumo dizer sempre quando estou com o (Dias) Toffoli (presidente do STF) e também com Davi Alcolumbre e o Rodrigo Maia, presidentes do Senado e da Câmara [respectivamente], que nós somos pessoas privilegiadas. O nosso entendimento, sim, em um primeiro momento, é o que pode sinalizar que teremos dias melhores para o nosso país".

Depois da solenidade, eu conversei com um ministro do STF que não foi ao encontro com o presidente e a resposta, em tom irônico, foi: “estou pagando pra ver”. É esperar!
Pense nisso!

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias