Boletim

Pernambuco confirma 431 novos casos do coronavírus nas últimas 24 horas

Outras 35 novas mortes também foram registradas; as informações foram divulgadas pela SES-PE nesta segunda-feira (03)

Vanessa Moura
Vanessa Moura
Publicado em 03/08/2020 às 11:58
Notícia

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Desde o início da pandemia, milhões de pessoas testaram positivo para a doença em todo o mundo - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) confirmou nesta segunda-feira (03) mais 431 casos do novo coronavírus em Pernambuco nas últimas 24 horas. Além disso, também foram confirmadas laboratorialmente 35 novas mortes em decorrência da doença. Agora, o Estado totaliza 98.401 casos de pessoas infectadas, desde o início da pandemia, com 6.669 vidas perdidas. 

TUDO SOBRE A COVID-19

» Saiba tudo sobre o novo coronavírus

» Estou com sintomas de coronavírus. O que fazer?

» Especialistas alertam sobre sintomas menos comuns do coronavírus

» Veja o que se sabe sobre a cloroquina e a hidroxicloroquina no combate ao coronavírus

» Veja locais do Recife que atendem pessoas com sintomas leves do novo coronavírus

» Vacina brasileira para o coronavírus entra em fase de testes em animais

» OMS esclarece que assintomáticos transmitem coronavírus: 'Questão é saber quanto'

Entre os casos confirmados nesta segunda, 81 (19%) são considerados graves, que se enquadram como Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), enquanto 350 casos (81%) são considerados leves, ou seja, os pacientes não precisaram ser internados em unidades hospitalares, estão na fase final da doença ou já curados. Do total de casos, 23.812 se enquadram como graves e 74.589 leves.

Já em relação aos óbitos confirmados nas últimas 24 horas, 16 (46%) ocorreram nos últimos três dias, sendo seis mortes registradas no domingo (02), oito no sábado (1º) e duas na sexta-feira (31). Os outros 19 óbitos (54%) ocorreram entre os dias 12 de junho e 30 de julho. Os detalhes epidemiológicos serão repassados pela SES-PE ao longo do dia.

» Enfermagem pede socorro: categoria representa 40% dos profissionais de saúde infectados em Pernambuco

» Pernambuco fará testes de covid-19 em pessoas sem sintomas que tiveram contato com infectados

» Coronavírus: "São mais de 700 pessoas internadas ainda em UTI em Pernambuco", diz secretário em conferência do Sindhospe 

Agentes de saúde do Recife visitam casas para dar orientações

A crise provocada pela covid-19 acentuou e agravou a desigualdade em todo o planeta, especialmente nas localidades onde há uma maior fragilidade da população mais vulnerável. No Recife, a exemplo de outras cidades ao redor do mundo, a epidemia do novo coronavírus atingiu a sociedade sem distinção, mas a grande fatia das pessoas infectadas se concentra entre os grupos em situação de vulnerabilidade ou em risco, como as pessoas que vivem nas ruas e aquelas que estão onde não há cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF), a porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS). Para alcançar essa população, a Prefeitura do Recife tem realizado, desde o último dia 6, uma ação educativa nos locais com precárias condições de saneamento básico e de estrutura domiciliar, o que dificulta a realização de medidas para enfrentar adequadamente a covid-19.

Até agora, nas 12 comunidades de maior vulnerabilidade social por onde passou, a ação porta a porta mobilizou centenas de agentes comunitários, que já visitaram 5.684 casas. “Mais de 20 mil pessoas foram contempladas com essa iniciativa. Elas receberam máscaras, kits com água sanitária, álcool em gel e sabão em barra. Muitas vezes, são áreas de difícil acesso, em que as equipes precisam caminhar a pé, carregando as sacolas com os itens que distribuem”, diz a médica de família e comunidade Sofia Costa, que é diretora de Atenção Básica à Saúde do Recife.

Hospitais de campanha do Recife chegam a 2,5 mil altas

O Recife chegou, na última sexta-feira (31), a 2.500 altas hospitalares de pacientes que estavam internados com o novo coronavírus em estruturas montadas pela gestão municipal. Ao todo, a rede já realizou o atendimento de 13.500 pessoas, das quais cinco mil precisaram ser internadas. Atualmente o Recife possui 724 leitos construídos para pacientes com a covid-19, sendo 342 da UTI e 382 de enfermaria.

De acordo com a prefeitura, dos mais de mil leitos abertos durante a pandemia do novo coronavírus, 300 foram desativados recentemente, após dias de queda nos indicadores da cidade. “Transformamos terrenos, galpões sem uso, em enfermarias e UTIs que estão salvando vidas. Muito mais do que um número, cada pessoa dessa que voltou para casa curada representa muito para sua família, para os seus amigos e para toda a sociedade”, disse o prefeito Geraldo Julio.

A cidade conta com sete hospitais de campanha e leitos em outras duas unidades de saúde dedicados a pacientes com a doença. Ainda segundo a prefeitura, cerca de 70% das pessoas internadas nos leitos são de fora do Recife. Além das estruturas, a gestão também destinou parte da rede de Atenção Básica à Saúde para atender os casos de coronavírus.

Nas 20 unidades de referência da Atenção Básica já foram realizados 20 mil atendimentos. Com elas, também há a separação dos casos suspeitos e confirmados de pessoas que procuram os postos para vacinação, pré-natal e outras atendimentos.

Enfermagem representa 40% dos profissionais de saúde infectados

Na linha de frente, trabalhadores da enfermagem continuam a representar os que mais estão expostos ao risco de infecção, e os números confirmam essa constatação. Em todo o Estado, 18.692 casos da doença foram confirmados entre profissionais de saúde, e 39,9% deles correspondem a quem atua na enfermagem: 28,1% são técnicos/auxiliares e 11,8% enfermeiros.

Na quarta-feira (29), dezenas de vozes da categoria se manifestaram, em comentários por escrito, durante webconferência promovida pelo Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas de Pernambuco (Sindhospe). O evento contou com a participação dos secretários de Saúde de Pernambuco e do Recife, André Longo e Jailson Correia, respectivamente, e a maioria das mensagens escritas foi dirigida a eles.

As queixas foram relativas a baixo salário, pouca valorização profissional e respeito à categoria dos técnicos, falta de adicionais de insalubridade, alto índice de enfermeiros ainda adoecendo, ausência de equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados.

"Na propaganda, os enfermeiros são muito importantes pra gestão. Infelizmente, no dia a dia, estamos abandonados", escreveu uma internauta. Um outro comentário trouxe a mensagem: "Secretários, a enfermagem levou a pandemia no braço. Muitos de nós o vírus venceu". Em alguns momentos da live, comentários no chat apareciam como excluídos, e os participantes sinalizaram o ocorrido.

Confira os casos da covid-19 em Pernambuco por município:

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias