COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Covid-19: nova aceleração exponencial em Pernambuco lota UPAs, e pacientes voltam para casa sem atendimento

Nesta segunda-feira (24), foram vários os relatos de pessoas adoentadas que voltaram para casa sem atendimento, pois não conseguiram nem entrar nas UPAs da Caxangá e da Imbiribeira

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 24/05/2021 às 20:53
Notícia
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Eliedja Gouveia de Lima está com sintomas de covid-19 e não foi atendida na UPA da Imbiribeira. 'Disseram que só estavam recebendo casos graves" - FOTO: ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Leitura:

Em meio a recordes diários da média móvel de casos de covid-19 e do número de pacientes com sintomas da doença que aguardam um leito de terapia intensiva (UTI) e enfermaria, Pernambuco volta a ter as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) cheias. A situação é semelhante ao que ocorreu no começo da segunda onda da pandemia no Estado, em novembro do ano passado. Nesta segunda-feira (24), foram vários os relatos de pessoas adoentadas que voltaram para casa sem atendimento, pois não conseguiram nem entrar nas UPAs da Caxangá e da Imbiribeira, Zonas Oeste e Sul do Recife, respectivamente. 

Leia também: 

>> ''As Upas devem ficar para os casos de maior gravidade, que serão priorizados'', diz secretário de Saúde de Pernambuco

Grande Recife terá restrições mais rígidas nos fins de semana para conter aceleração da covid-19; veja o que muda

"Quando cheguei, o segurança me disse que não tinha como eu ser atendida porque só havia vaga agora para as pessoas com covid-19 grave. Desde sábado (22), estou com dor no corpo, garganta doendo, dor de cabeça e coriza. Também fui a um posto perto da minha casa, mas a médica não estava hoje, e pediram para eu voltar lá amanhã (25)", relatou a profissional autônoma Eliedja Gouveia de Lima, 31 anos, que foi à UPA da Imbiribeira no início da tarde desta segunda-feira (24). Ela acrescenta que, quando teve negado o atendimento na UPA, ficou muito angustiada. "Entrei em desespero e comecei a chorar. Fiquei pensando também em outras pessoas que podem ter sido ignoradas do mesmo jeito que eu." As UPAs são serviços considerados portas abertas, que não exigem necessidade de agendamento e que são a entrada para o atendimento de urgência. Por isso, essas unidades têm sido um termômetro importante para avaliar a intensidade da pandemia de covid-19 no Estado.

Também nesta segunda-feira (24), a dona de casa Alexandra Miranda, 40 anos, não conseguiu ser atendida na UPA da Caxangá. "Consegui nem entrar. Logo na porta, falaram que era para eu retornar à noite porque estavam limitando o atendimento. Estou com uma dor de ouvido muito forte e que já dura três dias. Estou tomando remédio, e nada de passar. É um absurdo a falta de atendimento", lamentou Alexandra. 

 

 

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) reconhece a grande demanda nas UPAs, mas ressalta que os 15 serviços estaduais estão funcionando normalmente, não recusam atendimento e prestam a assistência de acordo com a situação de cada paciente. "Todas as unidades continuam a atender pacientes que apresentem, ou não, sintomas respiratórios. Importante lembrar, no entanto, que as UPAs priorizam os casos graves, utilizando o sistema de classificação de risco, ou seja, os pacientes passam por uma avaliação de sua gravidade e recebem uma pulseira que indica o grau de prioridade no atendimento como forma de avaliar e identificar as pessoas que necessitam de atendimento prioritário, de acordo com a gravidade clínica", destaca.

A SES ainda acrescenta que, "em alguns casos, quando os pacientes são considerados não graves, situação que não envolve risco imediato (classificação verde), o paciente é orientado a procurar um serviço de saúde de baixa complexidade, na rede de atenção básica, caso não queira aguardar o tempo necessário para o atendimento". Nesse sentido, a secretaria explica que "a classificação de risco é realizada por uma equipe de enfermeiros e, em hipótese alguma, os seguranças são autorizados a negar ou impedir a entrada de pacientes nas dependências das UPAs. A orientação é que sempre procurem a recepção da unidade para informações", finaliza a nota. 

Comentários

Últimas notícias