TURISMO INTERNO

Interior deve puxar retomada do turismo pós-coronavírus em Pernambuco

Quando a abertura gradual for possível, tendência de valorização do turismo regional deve favorecer destinos que permitam maior contato com a natureza e menos aglomerações

Mona Lisa Dourado
Mona Lisa Dourado
Publicado em 01/05/2020 às 17:51
Notícia
DIVULGAÇÃO
Vinícola Rio Sol, em Lagoa Grande, no Sertão do São Francisco - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

Cachoeiras reconhecidas como uma das Sete Maravilhas do Estado, um teleférico novinho para ver a cidade do alto, passeios regulares de balão e equipamentos hoteleiros de qualidade. Com o desenvolvimento alcançado nos últimos anos, a partir de investimentos públicos e privados, Bonito, no Agreste de Pernambuco, vivia o seu melhor momento no turismo. Até a pandemia do novo coronavírus chegar, paralisar as atividades e estancar taxas de crescimento que atingiam 60% em alguns empreendimentos.

>> Atrativos turísticos do Recife recebem máscaras contra o coronavírus

>> Guias de turismo de Pernambuco terão linha de crédito especial durante crise do coronavírus

>> Cerca de 40% dos trabalhadores da hotelaria de Porto de Galinhas, no Litoral Sul, já foram demitidos por causa do coronavírus

 

XANDE PRODUÇÕES/CORTESIA
Bonito é considerado um dos cinco melhores lugares do Brasil para a prática de balonismo - XANDE PRODUÇÕES/CORTESIA

Caso do Bonito Plaza Hotel, um dos mais antigos e bem estruturados do destino. “O ano de 2020 seria espetacular como nunca antes. Toda a divulgação da cidade e melhorias que implementamos vinham surtindo efeito. Até visitantes estrangeiros passamos a receber”, conta a gerente, Ângela Monteiro, revelando que a ocupação estava entre 80% e 100% nos fins de semana até antes do derradeiro 22 de março, quando o hotel fechou as portas.

>> Promoções tentadoras para fazer turismo após o coronavírus. Vale a pena?

>> Recife terá voos essenciais para 11 destinos nacionais em maio

 

DIVULGAÇÃO
Bonito Plaza Hotel - DIVULGAÇÃO

Em destinos turísticos do Sertão do Estado, a situação era semelhante. Na Vinícola Rio Sol, em Lagoa Grande, os cinco roteiros de enoturismo registraram recorde em fevereiro, com alta de 20% na demanda. Em Triunfo, o Hotel do Sesc também apresentava crescimento de dois dígitos e ocupação superior a 80%.

>> Empetur e Setur lançam serviço de orientação via Whatsapp para empresários e profissionais de turismo afetados pelo coronavírus

Desde a adoção das medidas restritivas para tentar conter o avanço da covid-19 no Estado, o cenário se inverteu. “Perdemos a Semana Santa e também devemos perder o São João”, lamenta o diretor do Citi Hotéis de Caruaru, André Gomes, resumindo o sentimento de empreendedores que têm os eventos e negócios como principal fonte de receita. Das três unidades da empresa na capital do Agreste, apenas uma está aberta, com média de 40% de ocupação, em geral de trabalhadores das áreas essenciais, como saúde e alimentação. Já no Sesc, a perspectiva é de perdas de faturamento de até R$ 3 milhões, somando os equipamentos de Triunfo e Garanhuns.

>> Feira da Sulanca de Caruaru terá espaço drivethru para entregas de mercadorias

 

DIVULGAÇÃO
Teleférico e Hotel do Sesc em Triunfo, no Sertão de Pernambuco - DIVULGAÇÃO

O coronavírus deixa um rastro tanto de mortes e sofrimento, como de prejuízos, demissões e contratos suspensos no setor que foi mais duramente atingido pela crise.

Apesar das incertezas, o interior pode puxar a retomada assim que os números de óbitos e contaminação recuarem e a abertura gradual for possível. Isso porque um dos poucos consensos na área é o de que o turismo regional será mais valorizado. Por muitas razões, que giram em torno das preocupações com a saúde, da insegurança em viajar para longe e das condições financeiras afetadas pela pandemia. Sem falar na disparada do dólar, hoje em torno de R$ 5,43. Mesmo para quem conseguir manter o padrão de renda, haverá restrições de viagens nacionais de longa distância e internacionais, com menos voos, alta de preços de bilhetes e maior controle sanitário nos países.

DIVULGAÇÃO
Cachoeiras de Bonito, no Agreste de Pernambuco - DIVULGAÇÃO

Desta forma, muito provavelmente serão priorizadas as escapadas de fim de semana e feriadões, para lugares onde é possível chegar de carro em poucas horas de viagem. Além disso, as pessoas devem querer evitar as aglomerações comuns a destinos badalados e dar preferência a locais que permitam maior contato com a natureza. É aí que as cidades interioranas levam vantagem. “Já estamos articulando um roteiro do grupo da Região Turística Serras e Artes de Pernambuco, que inclui Gravatá, Bezerros, Caruaru, Brejo da Madre de Deus, Bonito, Barra de Guabiraba, Sairé e Moreno”, adianta o secretário de Turismo de Gravatá, Darlan Rosendo.

ANDERSON SOUZA/ASCOM/GRAVATÁ
Alto do Cruzeiro em Gravatá, no Agreste de Pernambuco - ANDERSON SOUZA/ASCOM/GRAVATÁ

Na cidade do Agreste, 17 dos 19 hotéis e pousadas estão fechados atualmente. Os únicos dois abertos são os que contam com flats de segunda residência. “Acreditamos no turismo doméstico para salvar pelo menos o segundo semestre”, diz Rosendo.

Na mesma linha, o presidente da Associação dos Secretários de Turismo do Estado (Astur) e titular da pasta em Afogados da Ingazeira, Edygar Santos, reforça que o trabalho para preparar a retomada começa agora com marketing e promoção das cidades nas redes sociais. "Haverá uma demanda reprimida. Precisamos mostrar que estamos prontos para receber esses visitantes", afirma. 

Na Vinícola Rio Sol, que costumava ter um público de regiões diversas, com destaque para o Sul e São Paulo, a expectativa agora é receber mais pernambucanos e turistas das cidades circunvizinhas. “É natural que as pessoas continuem querendo viajar, mas há uma tendência de valorizar o que é seu, da sua cidade e do seu Estado, até para ajudar na recuperação da economia local”, aposta o gestor de enoturismo, Tobias Mello, que prevê mudanças, como a redução do número máximo de pessoas por grupo, de 150 para 30, e adoção de protocolos de higienização mais rígidos.

DIVULGAÇÃO
Turistas visitam vinhedos em Lagoa Grande, no Sertão de Pernambuco - DIVULGAÇÃO

É o que deve ocorrer também nos hotéis do Sesc, que vão operar inicialmente com capacidade reduzida e rodízio na utilização dos quartos. “Tenho escutado dos gerentes que, mesmo com a crise, os clientes não tem deixado de buscar informações. Isso nos dá um certo ânimo, embora a gente saiba que a retomada vai depender do perfil do equipamento. O de Garanhuns, mais voltado aos negócios durante a semana, deve se recuperar primeiro”, prevê o diretor regional do Sesc-Pernambuco, Osvaldo Ramos.

DIVULGAÇÃO
Hotel do Sesc de Garanhuns, no Agreste de Pernambuco - DIVULGAÇÃO

Com unidades no Recife e em Petrolina, o Grupo Nobile é outro que acredita no turismo de negócios, neste caso, na força do setor agropecuário presente na região do Vale do São Francisco, como um fator adicional que irá contribuir para uma recuperação mais acelerada. “Acreditamos também que o turismo de lazer interno crescerá exponencialmente após o fim da pandemia, pois diversos programas de incentivos a viagens nacionais já estão sendo realizados e intensificados”, afirma o diretor nacional de Vendas, Diego Garcia.

DIVULGAÇÃO
Hotel Nobile de Petrolina é um dos mais bem avaliados empreendimentos do Sertão do São Francisco - DIVULGAÇÃO

O secretário estadual de Turismo, Rodrigo Novaes, é mais comedido nas previsões, ressaltando que o setor não deve ser o primeiro a ser retomado, “com mais força ou agilidade”. Novaes diz, entretanto, que já há uma estratégia montada para dar visibilidade às questões de segurança sanitária em hotéis, bares e restaurantes. “A ação prioritária será tentar fazer com que a população de Pernambuco e os Estados vizinhos visitem as sub-regiões”, conta, reforçando que esses caminhos passam necessariamente pelo interior.

Igo Bione
Pôr do sol no Agreste de Pernambuco - FOTO:Igo Bione
ANDERSON SOUZA/ASCOM/GRAVATÁ
Alto do Cruzeiro em Gravatá, no Agreste de Pernambuco - FOTO:ANDERSON SOUZA/ASCOM/GRAVATÁ
DIVULGAÇÃO
Teleférico e Hotel do Sesc em Triunfo, no Sertão de Pernambuco - FOTO:DIVULGAÇÃO
XANDE PRODUÇÕES/CORTESIA
Bonito é considerado um dos cinco melhores lugares do Brasil para a prática de balonismo - FOTO:XANDE PRODUÇÕES/CORTESIA
DIVULGAÇÃO
Hotel Nobile de Petrolina é um dos mais bem avaliados empreendimentos do Sertão do São Francisco - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Bonito Plaza Hotel - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Cachoeiras de Bonito, no Agreste de Pernambuco - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Hotel do Sesc de Garanhuns, no Agreste de Pernambuco - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Turistas visitam vinhedos em Lagoa Grande, no Sertão de Pernambuco - FOTO:DIVULGAÇÃO

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias