Dicas e informações de viagens, férias e turismo
Turismo de Valor

Descubra dicas de viagem e roteiros para as férias, além dos destinos e atrações que estão em alta no turismo.

PANDEMIA

Voos na Europa são afetados pela variante ômicron da covid-19; saiba mais

A disseminação da variante ômicron da covid-19 tem afetado o tráfego aéreo europeu

AFP Flávio Oliveira
AFP
Flávio Oliveira
Publicado em 13/01/2022 às 15:47
Roslan RAHMAN / AFP
A tendência de recuperação da aviação europeia foi afetada - FOTO: Roslan RAHMAN / AFP
Leitura:

De acordo com dados divulgados nesta quinta-feira (13), o crescimento na disseminação da variante ômicron da covid-19 afetou a tendência de recuperação gradual do transporte aéreo europeu. As informações são da Eurocontrol, organização que supervisiona os movimentos das aeronaves.

Em 2021, a área coberta pelo órgão de controle de tráfego aéreo da Europa chegou a operar 56% dos voos de 2019. Esse número foi maior no segundo semestre do ano, quando subiu para 71% em agosto devido a viagens turísticas de verão, 77% em novembro e 78% em dezembro.

Mas "durante os primeiros 12 dias de 2022, o tráfego situou-se a 75% do nível de 2019", destacou a Eurocontrol no seu site, mencionando "grandes reduções de voos devido à ômicron, o que prejudica a recuperação esperada". Na quarta-feira a operação foi de 65%, segundo a Eurocontrol.

Voos na pandemia

Cerca de 514 milhões de pessoas viajaram de avião na Europa em 2021, pouco menos de um quarto do tráfego global, segundo dados preliminares divulgados na quarta-feira pela Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO), um órgão da ONU.

Isso representa uma queda de 55,7% em relação aos 1,16 bilhão de 2019. A média mundial foi de -49% em dois anos.

Para 2022, a ICAO estima o tráfego na Europa na faixa de 822 a 946 milhões de passageiros, ou seja, entre 68% e 73% do nível de 2019.

Na quarta-feira, o diretor-geral da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), Willie Walsh, disse que as vendas de passagens "despencaram" no final de 2021 e início de 2022, após restrições de movimento impostas para tentar impedir a propagação da ômicron, e lamentou que os governos tenham "exagerado".

Últimas notícias