Bom pra cuca

Caminhada leve de dez minutos pode fortalecer o cérebro e melhorar a memória

Dez minutos de exercícios leves podem facilmente alterar a forma como certas partes do cérebro se comunicam

Marília Banholzer
Cadastrado por
Marília Banholzer
Publicado em 23/08/2021 às 18:08 | Atualizado em 23/08/2021 às 18:08
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Estudo sugere que exercício não precisa ser prolongado ou intenso para beneficiar o cérebro - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

Praticar caminhas estimula não só os músculos e queima calorias, mas também estimula o cérebro. Um novo estudo neurológico, publicado em setembro na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, pelos cientistas da Universidade da Califórnia, em Irvine, e da Universidade de Tsukuba, no Japão, revela que caminhar por cerca de dez minutos, sem muito esforço, já é suficiente para fazer com que certas partes do cérebro se comuniquem melhor a ponto de beneficiar até nossa memória.

A relação do exercício físico com o fortalecimento do cérebro é altamente confirmada por estudos científicos. Várias análises com ratos descobriram que, quando os animais correm em rodas ou esteiras, produzem mais células cerebrais do que se permanecerem sedentários. A maioria dessas novas células ficam agrupadas no hipocampo, a parte do cérebro essencial para criação e armazenamento da memória. O mesmo acontece com os humanos. Sabe-se que as pessoas que se exercitam regularmente tendem a ter um hipocampo maior do que aquelas que não se exercitam.

No entanto, o novo estudo mostra que não é necessário um longo período, ou mesmo alta intensidade, no exercício para ativar e fortalecer o cérebro. Basta uma caminhada de 10 minutos para ativar o cérebro de forma que ele produza novas células. A descoberta foi feita após o estudo reunir 36 estudantes que ficaram pedalando numa bicicleta estacionária ou sentados, sem fazer exercícios. O ritmo da pedalada era tão lento que mal aumentava o ritmo cardíaco, e tão leve que, cientificamente, seria comparado a uma caminhada.

Após cada sessão de pedal (ou caminhada), os alunos completaram um teste de memória computadorizado. Segundo os estudiosos, os efeitos do exercício físico, apesar de pouco exigente, foram claros. Os jovens se saíram melhor em lembrar imagens depois de andar de bicicleta. "Foi impressionante ver esses efeitos ocorrendo tão rapidamente mesmo depois de um exercício tão leve", diz Michael Yassa, diretor do Centro Irvine para a Neurobiologia da Aprendizagem e da Memória e coautor sênior do novo estudo com Hideaki Soya, da Universidade de Tsukuba.

As descobertas mostram que o exercício pode mudar o cérebro e a mente das pessoas imediatamente, afirma ele, sem exigir semanas de trabalho. Melhor ainda, o esforço exigido pode ser tão pequeno que permite que quase todos, mesmo aqueles que estão fora de forma ou possivelmente incapacitados, aproveitem os benefícios. "Não estamos falando de maratonas", diz ele. "Parece que as pessoas podem melhorar a memória com uma curta caminhada ou com uma aula mais tranquila de algo como ioga ou tai chi chuan."

>> Saudades de uma corrida de rua? Veja o que se sabe sobre o retorno das competições

Outros benefícios da caminhada:

Tonifica e fortalece os músculos;

Combate diabetes e colesterol;

Ajuda a dormir melhor;

Ajuda a emagrecer;

Melhora a capacidade respiratória;

Melhora a circulação sanguínea;

Previne doenças cardíacas;

Combate a osteoporose;

Melhora a ansiedade, o estresse e combate a depressão.

Comentários

Últimas notícias