Música

Os Barões da Pisadinha marcam o sucesso do piseiro Brasil afora

Dos interiores do Nordeste para as plataformas digitais, gênero é uma variação do forró com uso do teclado e levadas de vaneirão; E o JC conversou com os artistas do momento

Robson Gomes
Robson Gomes
Publicado em 24/02/2021 às 5:00
Notícia
SONY MUSIC/DIVULGAÇÃO
Os músicos baianos Rodrigo e Felipe Barão formam a dupla Os Barões da Pisadinha - FOTO: SONY MUSIC/DIVULGAÇÃO
Leitura:

Se o gênero piseiro tem uma origem humilde, os números não são nada modestos para Rodrigo e Felipe Barão, que formam Os Barões da Pisadinha, nas plataformas digitais.

>> Zé Vaqueiro, do hit 'Letícia', é a voz de Pernambuco no piseiro

>> Gravado no Recife, Wesley Safadão lança disco 'Safadão Amplificado'

>> Entrevista: Xand Avião lança o EP 'Na Pressão'


Somente no Spotify são mais de nove milhões de ouvintes mensais no perfil oficial da dupla. A canção mais executada dos artistas, a faixa Recairei, já acumula mais de 143 milhões de reproduções no serviço de streaming. E no Top 50 Brasil, de onde não saem há semanas, os Barões possuem seis faixas até o momento.

A plataforma Deezer também divulgou que os baianos foram os artistas mais tocados no Natal e no réveillon 2021, com três faixas entre as cinco mais tocadas no Brasil.

No canal oficial dos Barões da Pisadinha no YouTube, são quase quatro milhões de inscritos. E somente o vídeo ao vivo de Basta Você Me Ligar (com participação de Xand Avião) acumula mais de 289 milhões de visualizações.

Ao Jornal do Commercio, o vocalista Rodrigo Barão tenta justificar tamanho êxito: "Acho que o sucesso veio porque cantamos músicas com que o público se identifica. Gostamos de contar histórias, principalmente as que podem acontecer com qualquer um, sejam de amor ou que tenham alguma sofrência, mas o importante é que seja uma coisa com que a galera consiga se relacionar".

O céu parece ser o limite para estes artistas. Eles acabam de lançar a faixa Quero Ver é Me Esquecer, em parceria com Jorge, da dupla Jorge & Mateus. E a música — que já possui 4 milhões de views no YouTube — faz parte do novo projeto audiovisual dos Barões, Da Roça pra Cidade, lançado pela Sony Music.

"Já alcançamos muito mais do que a gente poderia pedir ou sonhar. Somos realmente muito gratos por tudo o que Deus tem dado. Então, agora é seguir trabalhando, entregando o que o povo quer e gosta", conclui o tecladista Felipe Barão.

MAS O QUE É PISADINHA?

Forró, paredão, piseiro e pisadinha. Se este conjunto de palavras não faz sentido para você, talvez seja necessário se atualizar sobre o movimento musical popular e nordestino que tem contagiado o público Brasil afora — principalmente, nas plataformas digitais.

Embora esse movimento pareça novo ou recente, suas raízes no forró revelam que se trata de uma variação contemporânea do gênero tradicional. "Eu diria que o piseiro (ou pisadinha) é uma vertente de um gênero musical, o forró, mas feito quase inteiramente no teclado, com uma caixinha eletrônica e levadas de vaneirão. Essa sonoridade surge nos interiores do Nordeste, a princípio por causa da praticidade e do baixo custo — um cantor solo com um teclado tem um cachê bem menor que o de uma banda, e assim consegue tocar mais", explica o jornalista e pesquisador GG Albuquerque.

A batida eletrônica e repetitiva dos teclados é a principal marca da sonoridade do piseiro. E o nome deste tipo de música remete, de imediato, ao seu maior representante: Os Barões da Pisadinha.

"Começamos a cantar juntos em 2014, mas só em 2015 formamos Os Barões do Forró, que depois transformamos em Barões da Pisadinha. Tudo deu muito certo, graças a Deus. Não foi um caminho fácil, chegamos a fazer shows sem cachê. Não tínhamos dinheiro para investir, lançar coisas novas, mas trabalhamos muito para conseguir viver da música", conta o cantor Rodrigo, em entrevista ao JC.

Dono de hits como Tá Rocheda, Já Que Me Ensinou a Beber e Basta Você Me Ligar — que é tema do quadro de Rafael Portugal no Big Brother Brasil 21, da TV Globo — Felipe Barão reforça o quanto esse estilo musical agradou o público: "É um gênero que aposta muito no teclado e na voz, então é o que a gente sempre buscou. Gostamos muito da batida e das notas marcadas para a dança, para dar aquela pisadinha, que o povo tá curtindo muito".

Além dos Barões da Pisadinha, não é difícil hoje encontrar artistas que investem no piseiro para tocar nos paredões de som pelo País. Desde o baiano Nelson Nascimento — considerado o precursor do gênero, por volta de 2004 — passando por nomes da nova geração, como Eric Land, Biu do Piseiro, Zé Vaqueiro, e até já consagrados do forró estilizado, a exemplo de Xand Avião, Wesley Safadão e a dupla Simone & Simaria.

A difusão da pisadinha nas plataformas digitais, que hoje alcançam um grande espaço liderando listas e playlists, começou a crescer em 2017, num site alternativo chamado Sua Música. E para GG Albuquerque — do Portal Embrazado, dedicado a música de periferia —, esse auge do gênero vem da luta desses artistas menores por espaço no mainstream.

"O boom do piseiro está acontecendo porque existe uma longa linhagem de músicos que há anos estão trabalhando duro e criando conexões com o público, principalmente as camadas mais pobres dos interiores do Nordeste. Foram anos fazendo esse som em piseiros de chão de terra para que Os Barões da Pisadinha chegassem ao nível que tem hoje", analisa o pesquisador.

Comentários

Últimas notícias