MEDICINAL

Derivado medicinal da maconha, novo canabidiol chega às farmácias em julho

O produto pode ser usado em pacientes com dor crônica, epilepsia crônica, ansiedade crônica e depressão. No Brasil, vai ser a segunda empresa a oferecer essa substância nas prateleiras das drogarias

Angela Fernanda Belfort
Angela Fernanda Belfort
Publicado em 11/05/2021 às 17:14
Notícia
DIVULGAÇÃO/NUNATURE
NOS EUA.A empresa Nunature tem suas fazendas de maconha medicinal no estado americano do Colorado - FOTO: DIVULGAÇÃO/NUNATURE
Leitura:

Os brasileiros vão ter mais uma marca de canabidiol - o derivado medicinal da maconha - nas farmácias. Formada por sócios brasileiros e americanos, a companhia Nunature vai às prateleiras em dois formatos a partir de meados de julho. Atualmente, só uma empresa, a Prati-Donaduzzi tinha autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pra ofertar três produtos deste tipo de produto nas drogarias do País. Ele é indicado no tratamento de pacientes com dor crônica, epilepsia crônica, ansiedade crônica e depressão. Muitas pessoas já entraram até na Justiça para garantir este tipo de tratamento no Brasil.

>> Caminho mais fácil para conseguir maconha medicinal

"Vai facilitar o acesso ao produto. Às vezes, as pessoas esperam mais de 30 dias para o produto chegar ao Brasil. A nossa expectativa é de reverter o mercado de compras no mercado paralelo que não dá garantia que seja de fato canabidiol. No nosso caso, a empresa garante a qualidade desde a genética da semente", resume o vice-presidente de Logística e Distribuição do Brasil da Nunature, Bruno Sant Ana. A empresa investe neste projeto há dois anos.

A intenção da empresa é comercializar até um milhão de unidades por mês num prazo de até três semestres, de acordo com o vice-presidente de Vendas e Marketing da Nunature, Christopher Cowart. Há uma estimativa de que 60 milhões de brasileiros possam usar o canabidiol dentro das prescrições autorizadas pela Anvisa.

A empresa vai oferecer o produto em dois formatos: o Canabidiol Nunature 17,18mg/mL com 500 mg e o Canabidiol Nunature 34,36mg/mL com mil mg que devem custar, respectivamente, R$ 520 e R$ 840. "Nos associamos com pessoas que já tem experiência nesse mercado e foram os precursores desse movimento nos Estados Unidos", comenta o vice-presidente de Operações da Nunature no Brasil, Jorge Felipe Lara.

A empresa cultiva a planta no Estado do Colorado, nos Estados Unidos. "Ainda não é permitido o plantio no Brasil", afirma Jorge. A Nunature é formada pela Nunature Farms e Labs , ambas americanas, Nunature do Brasil e Nunature Distribuidora do Brasil Ltda. As duas últimas pertencem aos sócios brasileiros. Todos os entrevistados nesta matéria são sócios fundadores do empreendimento e parceiros.


A Nunature também pretende fazer investimentos junto às universidades e municípios para desenvolver estudos clínicos e gerar material científico que possa ser usado pela comunidade médica e cientistas. "Estamos apenas no começo", diz Christopher Cowart, que concedeu a entrevista, por uma chamada de zoom, dentro de um carro, enquanto se deslocava na cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos. A sede da parceira americana fica no Estado da Flórida. No Brasil, a sede administrativa da companhia fica em Brasília e a central de distribuição dos remédios fica na cidade de São João do Miriti, no Rio de Janeiro. Os diretores da Nunature não revelaram o valor do investimento realizado por ser "confidencial".

MERCADO

O primeiro canabidiol a ficar disponível nas farmácias foi o da Prati Donaduzzi que recebeu a autorização da Anvisa em 22 de abril do ano passado, com uma concentração de 200 mg/ml. Mais recentemente, outros dois produtos disponibilizados pela mesma companhia entraram no mercado, como as concentrações de 20 mg/ml e 50 mg/ml. Segundo informações da empresa, os valores dos produtos variam conforme a concentração com opções a partir de R$ 276,00 para o consumidor.

Os produtos citados nesta reportagem só podem ser usados se forem prescritos por um médico. Ainda de acordo com a empresa, os produtos oferecidos não são medicamentos e seguem uma norma da Anvisa chamada RDc 327/2019, que criou uma nova categoria de produtos no Brasil, os produtos de Cannabis".

A Prati Donaduzzi tem um medicamento que está em estudo clínico em uma parceria público-privada entre a indústria farmacêutica e a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo. Localizada na cidade de Toledo, no Paraná, a Prati Donaduzzi importa a matéria-prima da Europa.

Os produtos das duas empresas citadas nesta matéria são fabricados no exterior, distribuídos no Brasil e não podem ser chamados de medicamentos. São produtos a base de canabidiol derivados de Cannabis (maconha). E as pessoas físicas, que importam o produto do exterior, também  devem ter o cadastro aprovado na Anvisa para realizar essa importação.

 

Comentários

Últimas notícias