GESTÃO

Prefeitura do Recife lança pacote com promessa de dinamizar turismo, mas se abstém de investimento

Principal atrativo do Recife Virado no Turismo é incorporação da já anunciada redução do ISS para empreendimentos no Centro da capital

Lucas Moraes
Lucas Moraes
Publicado em 10/12/2021 às 11:40
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
A área do Cais de Santa Rita, assim como a do Cais José Estelita, merece atenção especial porque, vale destacar, representa a principal ligação da Zona Sul do Recife e também da Região Metropolitana com o Centro da capital - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

Com a presença do prefeito do Recife, João Campos (PSB), a secretaria de Turismo da cidade anunciou nesta sexta-feira (10) um pacote de medidas para estimular a atividade turística na capital. A iniciativa, no entanto, não conta com investimentos diretos que melhorem, por exemplo, a infraestrutura da cidade, e tem como um dos principais atrativos a redução da alíquota do ISS para bairros do Centro - medida já anunciada dentro do Recentro (que prevê a revitalização da área). 

Embora a gestão aponte que o programa Recife Virado surgiu com o foco em "ações socioeconômicas e ampliação de investimentos públicos para a retomada econômica", o programa, conforme a presentação conta com a criação do primeiro Observatório de Turismo do Recife, que funcionará como uma rede de pesquisa para monitorar o desenvolvimento do turismo no destino, a partir de pesquisas, dados, números e elaboração de indicadores e ações junto a operadoras de turismo para roteiros mais duradouros na capital pernambucana. 

Numa primeira parceria, a prefeitura conta com crescimento do número de turistas na cidade a partir da retomada do fretamento da CVC em parceria com a Itapemirim, promovendo pacotes de pelo menos sete dias na cidade. Outra iniciativa diz respeito à companhia área Azul, que já passou a vender passagens para Fernando de Noronha com a possibilidade de stopover no Recife (o que permite ao passageiro desfrutar da cidade durante escalas e conexões). 

"A gente está entrando numa alta temporada, onde iremos vivenciar a maior malha aérea que o Nordeste já teve. Recife estará conectado a 26 das 27 capitais do País, com 41 destinos ao todo, sendo um internacional. A gente tem tudo para bater recorde no turismo nacional", justifica a secretária de Turismo Cacau de Paula. 

O aumento da malha aérea deve-se ao hub operado pela Azul no Aeroporto Internacional do Recife, e os turistas que aqui chegarem não encontrarão grandes novidades em relação à infraestrutura turística. Já que os dois principais investimentos nesse sentido na cidade, com a reforma do aeroporto e dos quiosques da praia de Boa Viagem seguem, um ainda por iniciar a fase mais vultosa de aportes, e outro ainda em espera para fevereiro de 2022, respectivamente. 

Sem entrar com uma injeção financeira para tentar alavancar o turismo, a prefeitura está contando com a redução de 5% para 2% no ISS para serviços de hospedagem, atividades de lazer e eventos por 10 anos para negócios situados no sítio histórico dos Bairros do Recife, Santo Antônio e São José. Essa ação foi desenvolvida em parceria com o Recentro e anunciada quando lançado o escritório de revitalização da área. 

Em outra ponta está a reabertura do Centro de Atendimento ao Turista (CAT) Ambiental, fechado desde o início de 2020, que será reaberto à população totalmente repaginado, na altura do segunda quinzena de dezembro, no segundo jardim de Boa Viagem. E no bairro do Recife, o espaço RUA, que transformará a avenida Barbosa Lima numa galeria de arte a céu aberto, com novo mobiliário urbano, e também a atualização da legislação de parkletes na cidade.

"Não temos de financeiro investimento direto, não. Tudo está dentro do orçamento da secretaria e das demais secretarias que fazem parte do projeto também", reforça a secretaria. 

Vale lembrar, que o Recife deu início a uma política de austeridade visando a mudança da nota da Capacidade de Pagamento (Capag) avaliada pelo Tesouro Nacional. A intenção é sair da nota C para B, conseguindo a liberação para avançar com o acesso a empréstimos junto a bancos para investimentos na cidade. O Recife espera em potencial uma liberação total de até R$ 2,5 bilhões. 

"Os investimentos desenhados para nova infraestrutura tanto para renúncia fiscal é tudo dentro de uma estratégia que a gente tem desde o começo do ano de uma gestão muito austera. Que a gente tenha a coragem de tomar medidas que representam melhor saúde fiscal para o município e poder do outro lado induzir o desenvolvimento de área estratégicas como o turismo. O setor sofreu muito, fizemos uma série de isenções, sobretudo do Recentro, porque a gente conseguiu fazer um esforço de gestão ao longo do ano garantindo essa capacidade de abrir mão de arrecadação para desenvolver o turismo", pondera o prefeito do Recife, João Campos. 

De acordo com a secretaria de Finanças do Recife, Maíra Fischer, tocar projetos na cidade sem investimentos diretos e com a política de incentivos fiscais torna ainda mais difícil o desafio de alcançar o objetivo de mudança na avaliação da Capag. 

"A gente tem que se esforçar para comprovar que está buscando alternativa. Não é simplesmente dar a isenção. A gente faz, mas precisa comprovar a reposição da receita. Não é simplesmente abrir mão", defende. 

Nos últimos meses, esse é o terceiro anúncio da prefeitura envolvendo política de incentivo fiscal sob a promessa de atração da iniciativa privada para investir em áreas estratégicas da cidade. De acordo com Maíra, à medida que a legislação vai sendo atualizada com essas políticas de isenções, a iniciativa privada tem aparecido demonstrando seu interesse. A PCR espera ter uma nova avaliação do Tesouro no início de 2022. 

"O Recife Virado no Turismo faz parte de um conjunto de ações para o momento de virada na cidade. Tendo em vista que já conseguimos enxergar o caminho em direção ao fim da pandemia. Tem ações em diversas frentes, desde incentivos fiscais para o setor de hotelaria no Centro da cidade, recuperação de espaços importantes históricos. A gente faz uma atualização normativa da legislação tributária do municípios, dando uma série de incentivos para que fique mais atrativo fazer investimento na área de turismo", justifica Campos.

 

Comentários

Últimas notícias