CRÍTICA

"João Campos quer disputar prefeitura defendendo respirador de porco", diz Kim Kataguiri

Questionado sobre a atuação de João Campos na Câmara, Kim voltou a classificá-la como "irrelevante"

JC
JC
Publicado em 08/06/2020 às 12:12
Notícia
Alexandre Gondim/JC Imagem
Kim disse ser difícil falar de João Campos visto que o pernambucano não teria "relevância" no debate nacional - FOTO: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

Durante uma live no último sábado (6), realizada pelo Movimento Brasil Livre de Pernambuco (MBL-PE), no YouTube, o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) disse que o também deputado João Campos (PSB-PE) não tem condições de disputar a Prefeitura do Recife nas próximas eleições e citou a compra de respiradores no Recife, que foram testados em porcos, para alfinetar o socialista.

"Agora, o João Campos quer disputar a prefeitura (do Recife) defendendo respirador de porco. Um cara desse não tem a menor condição de disputar a prefeitura e a própria esquerda não vê ele como um cara preparado o suficiente para isso", afirmou Kim.

>> Combate à pandemia em Pernambuco virou caso de polícia

>> Detalhes do inquérito dos respiradores do Recife mostram que investigação já ocorria há um mês

>> Ministério Público e PF pedem a colaboração da Anvisa na investigação dos respiradores do Recife

Durante a transmissão, os participantes comentaram sobre os respiradores pulmonares contratados pela Prefeitura do Recife – alvo de questionamentos do Ministério Público de Contas (MPCO) e do Ministério Público Federal (MPF) – e que foram testados em porcos. A compra, inclusive, foi alvo de operação da Polícia Federal, que chegou a fazer buscas na casa do secretário de saúde do Recife, Jailson Correia. 

Questionado sobre a atuação de João Campos na Câmara, Kim o classificou como "irrelevante"."O João Campos, coitado, não discursa tanto, depois que é um discurso batido, não irrita mais é a criança que está comendo areia no parquinho, você nem liga mais", afirmou Kim. A reportagem entrou em contato com a assessoria de João Campos após as críticas e aguarda um posicionamento. 

João Campos é o único deputado que entrou grande na Câmara, sendo chamado para várias entrevistas, e virou um nada, não tem relevância no debate nacional.
Kim Kataguiri, deputado federal pelo DEM

O partido de Kim, o Democratas, pode lançar o nome do ex-governador Mendonça Filho (DEM-PE) para disputar a cadeira de prefeito do Recife. Nas últimas semanas, João e Mendonça trocaram farpas por conta desses respiradores.

Segundo Mendonça Filho, que faz oposição ao PSB, "João Campos foi eleito para defender os interesses do povo e não do seu grupo político fingindo que não vê o descaso com a saúde e ignorando a ação dos órgãos de controle e da Polícia Federal".

O filho do ex-governador Eduardo Campos logo rebateu e disse que "Depois de ter sido ministro de Temer e defensor de Bolsonaro, vejo pouca propriedade em Mendonça Filho para atacar quem defende os que lutam de verdade para cuidar do povo do Recife".

Respiradores

A Bioex Equipamentos Médicos e Odontológicos, fabricante dos respiradores pulmonares vendidos à Prefeitura do Recife pela microempreendedora individual de São Paulo Juvanete Barreto Freire, não foi aprovada nas provas técnicas para conseguir o registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A empresa só deu entrada no pedido no último dia 22, mesma data em que foi pedida a rescisão do contrato, após denúncia do Ministério Público de Contas (MPCO) do Estado, que apontou supostas irregularidades no contrato com dispensa de licitação para a venda de 500 respiradores ao valor de R$ 11,5 milhões à PCR.

Tanto a Polícia Federal como o MPF-PE pediram para a Anvisa fornecer detalhes do andamento do procedimento de certificação ou autorização do ventilador pulmonar BR2000, além de dizer se ele poderia ser usado em seres humanos. Como mostrou o JC, os testes foram feitos em porcos e somente depois que parte dos aparelhos já haviam sido entregues à prefeitura.

>> Corrupção na pandemia não está na lei frouxa, está no gestor, diz especialista em direito público

>> Três são presos na Bahia em operação que investiga fraude na venda de respiradores para o Consórcio Nordeste

O contrato entre a PCR e a microempresa foi assinado no dia 01º de abril. O documento previa a venda de 500 ventiladores pelo preço de R$ 11,5 milhões. No entanto, o capital social da empresa era de R$ 50 mil, segundo informações do MPCO. Entre outros fatores, a discrepância dos valores do futuro contrato e o porte do negócio provocaram suspeitas no MPCO que fez uma denúncia sobre a compra no dia 21 de maio.

Um dia depois, a empresa cancelou o contrato com a PCR, que devolveu os 35 respiradores que estavam nos hospitais, mas não tinham sido utilizados, porque aguardavam a autorização da Anvisa. A empresa também devolveu o valor que tinha sido pago até então (R$ 1,075 milhão) à prefeitura pelos 35 ventiladores entregues. Após o rompimento do contrato foram divulgados nas redes sociais testes dos equipamentos em porcos realizados no Instituto de Pesquisa e Inovação Tecnológica e Educação da Santa Casa, de São Paulo, no dia 04 de maio.

A Prefeitura do Recife informou que o valor pago pelos respiradores já foi integralmente devolvido à gestão municipal, portanto, não há nenhum prejuízo aos cofres públicos. A Prefeitura estava aguardando a homologação dos equipamentos por parte da Anvisa, no entanto, a empresa cancelou o contrato.

"Despachante"

Esta não é a primeira vez que Kim Kataguiri critica a postura de João Campos. Em novembro passado, durante passagem pelo Recife, ele afirmou na TV JC que o pernambucano não tem "um debate aprofundado". "Eu não vejo nenhuma marca no mandato dele que justifique ele sendo um deputado federal”, disse Kim.

Segundo o líder do MBL, João faz a ‘velha política’, como negociação de emendas e reverter recurso na Lei Orçamentária junto às prefeituras. “Eu vejo muito mais essa questão do que o trabalho de um deputado federal, que é fazer leis debater leis, nem que seja para rejeitá-las. Manipulação de orçamento é uma coisa que qualquer deputado de baixo clero faz”, criticou.

Na época, Segundo João Campos rebateu e disse que o colega de Câmara "só sabe fazer a politica do ódio" e o movimento "ajudou a trazer ao Brasil uma das fases mais negativas da nossa história".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias