EDUCAÇÃO

Projeto que estabelece regras para o retorno às aulas presenciais é aprovado na Comissão de Educação da Câmara

O PL nº 2.949/2020, estabelece regras para que as escolas possam retomar as aulas presenciais. No entanto, o retorno das atividades deverá ser de responsabilidade das próprias escolas e seus gestores

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 12/05/2021 às 15:56
Notícia
Chico Ferreira / Divulgação
"Nosso projeto respeita a autonomia dos entes federativos e das escolas, criando protocolos para receber alunos e profissionais da educação", disse Danilo Cabral, um dos autores da Estratégia para o Retorno - FOTO: Chico Ferreira / Divulgação
Leitura:

O Projeto de Lei que estabelece uma Estratégia para o Retorno às Aulas, no âmbito do enfrentamento da pandemia da covid-19, foi aprovado, nesta quarta-feira (12), na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. O PL nº 2.949/2020, estabelece diretrizes para que as escolas possam retomar as aulas presenciais, no entanto, esse retorno das atividades deverá ser de responsabilidade das próprias escolas e seus gestores. 

Durante a reunião da comissão, houve tentativa de retirar a matéria de pauta, porque já foi aprovado na Câmara e está em análise no Senado, o Projeto de Lei nº 5595/2020, que possui um texto semelhante. A retirada foi recusada pela maioria dos parlamentares presentes.  

“Aquela proposta tornou educação como serviço essencial, visando obrigar estados e municípios reabrirem as escolas, sem considerar as realidades locais. Ora, a educação é um direito fundamental reconhecido pela Constituição Federal, assim como a saúde. O que precisa ser discutida é a segurança dos alunos e profissionais da educação. Nosso projeto respeita a autonomia dos entes federativos e das escolas, criando protocolos para receber alunos e profissionais da educação”, explicou Danilo Cabral (PSB), um dos autores da proposta de Estratégia para o Retorno às Aulas.

O parlamentar ressalta que, apesar de o PL 5595 ter absorvido trechos importantes do relatório da deputada Professora Dorinha Seabra (DEM-TO), ele deixou de contemplar áreas importantes. “É preciso ressaltar que o relatório foi construído com bastante diálogo, inclusive com o governo federal. Nós deixamos claro que esse era um texto prioritário para a Comissão de Educação para o ministro Milton Ribeiro”, acrescentou Danilo Cabral.

 A Professora Dorinha Seabra destacou que o Senado decidiu analisar mais cuidadosamente o PL 5595, inclusive realizando diversas audiências públicas, e que, por isso, faz-se necessário que essa proposta, a do Projeto de Lei 2.949, tramite de maneira mais célere na Câmara para chegar ao Senado e ser analisado também. “Nosso projeto trabalha com protocolos, detalha orientações que respeitam estados, municípios e escolas, respeitando as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras”, ressaltou.

 De acordo com o texto, as diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prevenção ao contágio de estudantes, profissionais e familiares; igualdade e equidade de condições de acesso ao aprendizado; e equidade para prioridades na alocação de recursos e ações voltadas ao retorno às aulas. O projeto também cria ainda uma comissão nacional de retorno às aulas a ser presidida pelo Ministério da Educação, com participação de representantes dos professores e estudantes.

DENÚNCIA 

O deputado federal Danilo Cabral protocolou um requerimento de convocação (REQ 92/2021) do ministro da Educação, Milton Ribeiro, para prestar esclarecimentos sobre possível fraude no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), em favor do Centro Universitário Filadélfia - UniFil.

De acordo com reportagem publicada pelo jornal Folha de São Paulo, em 9 de maio, o ministro teria interferido pessoalmente em favor do UniFil, na investigação conduzida no âmbito do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

 A apuração apontou indícios de irregularidades e possível vazamento das provas do Enade para a coordenação da Instituição de Ensino Superior (IES). A denúncia anônima de um estudante, em 17 de novembro de 2019, uma semana antes das provas do Enade, acusou Karina Gualtieri, coordenadora de biomedicina na Unifil, de vazamento das questões e do gabarito das provas aos estudantes da instituição, fato que motivou a ação INEP. Chamou a atenção do INEP a obtenção da nota máxima pela instituição que Gualtieri coordena, considerando, ainda, o acesso privilegiado que ela teve ao material de prova antes de sua distribuição, já que fez parte da comissão que elaborou a avaliação para o governo.

 Após o levantamento de fortes indícios, apontando a fraude na avaliação, a área técnica e a Procuradoria do Inep concluíram pela necessidade da investigação criminal nas avaliações de 2020. Segundo fontes do jornal, o Ministro interferiu diretamente em favor da IES, atrasando o envio para a Polícia Federal das informações obtidas e ameaçando dirigentes de demissão.

Comentários

Últimas notícias