Eleições 2022

Pregando a unidade na oposição, Miguel Coelho se filia ao DEM em evento que o oficializou pré-candidato a governador

A partir de agora, diz o prefeito de Petrolina, ele vai percorrer o Estado do Sertão ao Litoral para apresentar aos pernambucanos os seus planos para a campanha do ano que vem

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 25/09/2021 às 16:50
Notícia
DIVULGAÇÃO/DEMOCRATAS
Miguel Coelho se filia ao DEM - FOTO: DIVULGAÇÃO/DEMOCRATAS
Leitura:

Em evento com pompas de convenção partidária, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, ingressou oficialmente no Democratas na manhã deste sábado (25), no Recife. Ao lado dos irmãos deputados, do pai senador e de centenas de aliados, o gestor municipal foi oficializado como pré-candidato ao Governo de Pernambuco pelo partido e promete, a partir de agora, percorrer o Estado do Sertão ao Litoral para apresentar aos pernambucanos os seus planos para a campanha de 2022.

"Estamos fazendo o lançamento de uma pré-candidatura ao Governo de Pernambuco que não é uma imposição, mas uma construção que queremos fazer dentro do nosso bloco de oposição, mas também agregando novos partidos que compartilhem com a gente essa visão de que Pernambuco precisa mudar. Vamos, a partir deste ato, rodar as 12 mesorregiões do Estado, todos os municípios, conversando com a população e estou muito confiante. Sou uma pessoa esperançosa, que acredita nos nossos projetos", afirmou o prefeito.

No ato, o prefeito recebeu o apoio de lideranças de partidos como o PSL, Podemos, PSD e até do MDB, sigla a que estava vinculado até então. Foram notadas, porém, as ausências dos principais líderes do PSDB, PL, PSC e Cidadania, agremiações que nesta semana anunciaram uma aliança visando as eleições do ano que vem. Antes disso, o DEM também era parte do grupo.

>> Em vídeo disparado por WhatsApp, Miguel Coelho "se apresenta" a eleitores do Recife de olho em candidatura ao Governo de Pernambuco

>> Em ato de filiação de Miguel Coelho, Mendonça Filho descarta divisão de palanques ao citar Anderson e Raquel Lyra

>> Afastando rumores de divisão na oposição, Miguel Coelho diz que daria 'nota 11' à união de Raquel e Anderson

>> Após rumores de que Priscila Krause deixaria o DEM, Mendonça e Miguel Coelho afagam a correligionária

Na visão de Miguel, contudo, o fato de os aliados terem formado um bloco e não estarem presentes no evento não quer dizer que há uma cisão entre os partidos de oposição do Estado. “Todos os sete partidos de oposição estão propagando e falando reiteradamente que precisamos mudar Pernambuco. Esse é o propósito que nos une. E o que nós temos dito semanalmente é que iremos continuar conversando para compartilhar uma estratégia comum. A gente não tem como definir uma estratégia faltando 15 meses para a eleição, é muito precipitado, até porque temos muito dever de casa para fazer. A palavra de ordem deve ser humildade, serenidade, para que a gente foque na união, que já existe, e nos problemas que afligem os pernambucanos”, observou o prefeito.

A deputada estadual Priscila Krause, que estaria cogitando deixar o DEM, também participou do ato promovido por Miguel, mas não fez pronunciamentos públicos. A parlamentar, no entanto, foi lembrada e homenageada por praticamente todos os que discursaram na ocasião. Para o ex-governador e presidente do DEM-PE, Mendonça Filho, os gestos à deputada não foram feitos para arrefecer os ânimos na sigla, mas sim como um reconhecimento às “credenciais” da pernambucana.

“Para mim, Priscila é um dos maiores quadros da política brasileira. Ela é muito qualificada, é a voz da oposição em Pernambuco, corajosa, tem denunciado desvios de forma rotineira e combatido a corrupção em Pernambuco, além de atuar em outras frentes, principalmente na cidade do Recife. As credenciais de Priscila, os valores éticos, morais e políticos são muito bem reconhecidos. O que nós fizemos hoje não foi um gesto à toa para massagear o ego dela. Foi o coração falando mais alto, pois a minha relação com Priscila não é só política, eu a considero uma amiga-irmã. É uma pessoa por quem tenho um carinho especial”, explicou o democrata.

A iminente fusão do DEM com o PSL também foi um tema amplamente mencionado no evento. Vice-presidente nacional do PSL, Antônio Rueda participou do ato, mas o pernambucano Luciano Bivar, que assumirá a presidência da nova agremiação, levou falta. Apesar de não estar oficialmente na base do governo, nos últimos anos o PSL vinha se distanciando do campo oposicionista e se aproximando da Frente Popular.

Questionado se Bivar concordaria com a candidatura de Miguel Coelho a governador, o presidente do DEM, ACM Neto, declarou que confia no aliado e que é preciso dar “tempo ao tempo”. “Nós estamos no momento de apresentação de um nome e vamos, a partir daí, conversar com todo mundo, construir dentro do nosso campo político. Tempo ao tempo, as coisas estão se organizando, Bivar será o nosso presidente nacional, então ele terá o papel mais importante, destacado desse novo partido e conta com a nossa confiança. Eu não estaria fazendo um processo de fusão do partido se Bivar e Rueda não tivessem a minha confiança. Não só Pernambuco, mas diversas questões no Brasil serão resolvidas com conversa, entendimento e com a maturação do tempo”, declarou o ex-prefeito de Salvador.

Além dos Coelho e da cúpula do DEM, participaram do evento os deputados estaduais Alessandra Vieira (PSDB), Wanderson Florêncio (PSC) e Romero Sales Filho (PTB), o deputado federal Ricardo Teobaldo (Pode) e prefeitos como o de Paulista, Yves Ribeiro (MDB), o de Paudalho, Marcelo Gouveia (PSD), o de Salvador, Bruno Reis, o de Florianópolis, Gean Loureiro, e de Campina Grande, Bruno Cunha Lima.

Comentários

Últimas notícias