03
set

Licitação das linhas de ônibus da Região Metropolitana do Recife será retomada

03 / set
Publicado por Roberta Soares às 9:07

Governo do Estado garante que vai destravar o restante da licitação, que desde 2014 foi concluída. Fotos: Diego Nigro/JC Imagem

Bem mais perto do que longe. Depois de quatro anos sendo colocada de lado, a segunda e maior etapa da licitação das linhas de ônibus da Região Metropolitana do Recife (RMR) vai ser retomada. Pelo menos essa é a promessa do governo de Pernambuco, que depois de um silêncio quase mortal sobre o tema, resolveu abordá-lo e garantir que o processo será viabilizado a partir do ano que vem. Mas já avisa: em busca do equilíbrio econômico-financeiro dos futuros contratos – que envolvem praticamente 70% da rede de transporte –, haverá uma ampliação dos prazos e das exigências previstas inicialmente. Foi a forma encontrada para que poder público e setor empresarial chegassem a um acordo em relação à operação de contratos estimados em R$ 10,5 bilhões.

Na prática, significa dizer que a qualificação do serviço tão desejada pela população será mais lenta. Menos ônibus novos e uma espera mais longa para usufruir de uma frota parcial ou totalmente refrigerada. É fato. E não será a primeira vez. Em 2012/2013, o governo do Estado já teve que abrandar as exigências para viabilizar a licitação dos ônibus, que deu ‘deserta’ (sem interessados) na primeira tentativa. Na época, reduziu a exigência de refrigeração de 32% para 12% da frota de ônibus no primeiro ano após a entrada em vigor da licitação. Agora, irá ceder novamente como forma de viabilizar o processo.

 

 

Mas, segundo Ruy Rocha, presidente do Grande Recife Consórcio de Transportes (GRCT), gestor do sistema de transporte da RMR e responsável pela reestruturação dos contratos da licitação pelo governo, a refrigeração dos ônibus acontecerá e será o principal foco mesmo após as mudanças. “Não temos outra forma de fazer e o governador Paulo Câmara decidiu que quer efetivar a licitação. Apesar da maior elasticidade que será dada ao cumprimento das exigências, o que importa é a população saber que passará a contar com um transporte com mais qualidade e maior conforto. Suspendemos o processo porque a crise atingiu o País e, há um 1,5 ano, retomamos os estudos, que também passaram pela análise da PGE (Procuradoria Geral do Estado). Foi a PGE, inclusive, quem nos deu segurança para promover as mudanças que irão viabilizar a retomada do processo. Nossa preocupação é garantir o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos e não projetar um sistema muito caro, que exija um subsídio impagável”, pontua Ruy Rocha.

O GRCT não deu muitos detalhes de como ficará a licitação após os ajustes que foram sugeridos pelos técnicos da casa e serão validados pelas consultorias contratadas pelo órgão (Empresa Almeida & Fleury Consultoria de Economia) e pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE) (Oficina Consultores). Além de confirmar que será dado um prazo maior para a refrigeração e renovação da frota de ônibus – as exigências que mais serão sentidas pela população –, explicou que a expectativa é reduzir a previsão de subsídios dos contratos. Em 2013, os cinco lotes que ainda não viraram concessões públicas tinham custo estimado de R$ 860 milhões e arrecadação de R$ 764 milhões. Consequentemente, o subsídio seria de R$ 96 milhões. Atualmente, após os estudos para reformulação dos contratos, estima-se um custo de R$ 719 milhões e uma arrecadação de R$ 645 milhões. Por isso, um subsídio menor, de R$ 74 milhões.

LEIA MAIS
E a licitação das linhas de ônibus?
Licitação das linhas de ônibus da RMR sob risco de ser anulada
Nova licitação das linhas de ônibus do Grande Recife amplia prazos para tentar atrair interessados
Prepare o bolso: passagens de ônibus da RMR sobem 14,26%. Anel A passa de R$ 2,80 para R$ 3,20

“Ainda não temos a ampliação dos prazos definida, mas podemos dar um exemplo para que as pessoas entendam: no lugar de 600 novos ônibus com ar-condicionado no primeiro ano após a licitação passar a valer, iremos exigir 300. O mais importante é dizer à população que ela terá um transporte com mais qualidade. Talvez as mudanças não aconteçam com a mesma agilidade que prevíamos quando a licitação foi projetada, mas pelo menos elas acontecerão. Se tivéssemos retomado o processo antes, mesmo que lentamente, já estaríamos usufruindo dessas melhorias. E é importante deixar claro aos passageiros que a instalação de ar-condicionado nos ônibus será nosso foco principal”, garantiu Ruy Rocha.

Assinatura dos contratos é fundamental para tentar trazer qualidade ao sistema de transporte

DESCONFIANÇA
A retomada da licitação das linhas de ônibus da RMR, entretanto, ainda é vista com muita desconfiança por todos os agentes envolvidos direta ou indiretamente no processo. Embora o GRCT tenha garantido que houve um entendimento com o setor empresarial para validar as mudanças e assinar os cinco contratos, a Urbana-PE não quis se pronunciar oficialmente sobre o tema. Nem ao menos para confirmar os estudos. Silenciou completamente. O Estado, entretanto, garante o entendimento. “No começo, os empresários queriam a licitação e o Estado não queria por temer contratos que exigissem um alto volume de subsídios. Depois, nenhuma das partes queria. Em seguida, o Estado passou a querer e o setor empresarial desistiu. Agora, chegamos a um entendimento. Cada lote está sendo analisado individualmente, considerando as mudanças promovidas na rede de transporte, e cada um terá um plano de negócios próprio, que fundamentará os ajustes e garantirá o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos”, reforçou Ruy Rocha.

A desconfiança em relação à retomada do processo não vem apenas do setor empresarial, mas também da academia e da sociedade civil organizada. Oswaldo Lima Neto, professor da UFPE e um dos técnicos que elaborou o edital de licitação das linhas, destaca a importância da fiscalização das regras. “Sou a favor da retomada, sem dúvida. Mas o GRCT precisa garantir o cumprimento dos contratos, o que não tem acontecido com os lotes já licitados, por exemplo. É possível ampliar prazos e até reduzir exigências, mas temos que garantir o ar-condicionado e o tipo de frota de acordo com a demanda de passageiros. São questões essenciais. O órgão, na verdade, precisa melhorar seu quadro técnico para conseguir isso”, critica. “Para nós, essa retomada é uma completa novidade. Só esperamos que o processo aconteça para beneficiar a população. Que o Estado não continue socorrendo o setor empresarial como faz até hoje”, alerta Pedro Joseph, da Frente de Luta Pelo Transporte Público.

Abaixo, detalhes da licitação apresentada pelo governo de Pernambuco ainda em 2013:


Veja também