12
jun

Denúncia de Janot pode acentuar “Dilmização” de Temer, com redução da base parlamentar

12 / jun
Publicado por Giovanni Sandes às 10:22

Michel Temer PMDB). Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

 

Analistas políticos e economistas concordam que a vitória do presidente Michel Temer (PMDB), no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em nada encerra a incerteza com o governo peemedebista. Há variáveis demais. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é a principal. E dá sinais de que vai abrir uma nova frente contra Temer esta semana, com uma primeira denúncia-crime a ser entregue no Supremo Tribunal Federal (STF). Na bolsa de apostas de Brasília, outras virão.

 

 

O que põe medo no governo não é uma derrota no trâmite do processo-crime. Quem recebe é o STF, mas quem autoriza a abertura é o Congresso que dá apoio ao presidente. Hoje os votos para barrar o andamento da denúncia de Janot, 171, são tidos como assegurados por Temer. E aí?

 

PSB se junta a PT e pede Diretas Já

Eleições antecipadas? Em Olinda, presidente da Câmara já se reelege para 2019-2020

 

O problema é que Janot, e o sucessor dele, que assumirá a partir de setembro, mantém nas cordas o governo Temer. E a redução da base já teve início, apesar da hesitação do PSDB. O fenômeno ganhou nome: é a “Dilmização” de Temer, com ele repetindo em várias frentes o mesmo padrão errático de comportamento que antecedeu o esfacelamento da base da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). E a sua queda.


Veja também