21
jul

Carlos Burle sofre acidente surfando no Rio de Janeiro

21 / jul
Publicado por Alexandre Gondim às 21:45

Fotos: Reprodução video de Carlos Burle

“Visitei a morte” disse Carlos Burle recuperando-se do susto depois de levar uma “Vaca” (queda) na Ilha Mãe próximo a Baía da Guanabara
O Pernambucano, que mora no Rio de Janeiro, precisou ser levado ao hospital para receber pontos na cabeça após queda logo na primeira onda que surfou neste domingo pela manhã, 21/7. na super ressaca no Rio

Assim como no Nordeste o Rio de Janeiro enfrenta uma super ressaca do mar.
Mesmo usando colete salva-vidas e roupa de neoprene, por causa da agua fria, Burle teve arranhões nas costas e confessou que talvez tenha sido o maior susto que levou em toda de sua carreira de surfista de ondas gigantes.

” Foi logo na primeira onda. Fui de cabeça na pedra. Apaguei. Perdi os sentidos. E voltei. Coloquei a mão na cabeça e senti um buraco. Vi que era sério. Tinha um time, pessoal acostumado com isso. Tinha um carro na praia também, perto da Ilha Mãe. Fomos para o carro e para o hospital. Tomei os pontos, saiu um pouco da escalpa. Mas graças a Deus foi só essa parte do couro cabeludo. E arranhões nas costas. Mesmo com a roupa de borracha e o colete por cima. Foi um trauma físico e emocional muito grande. Quando você visita a morte você tem outros pensamentos. Fica emocional” – desabafou Carlinhos

Carlos sendo atendido no hospital

E continuou: “É muito raso, muito perto da bancada. Como o mar estava grande, com volume, correnteza, as ondas não estavam encaixadas, estavam mais perigosas. E tinha um pessoal remando. Estava difícil para quem estava fazendo town-in como eu. Entrei nessa onda oca e não consegui me posicionar como eu queria. Secou totalmente, onda de pedra seca assim. E a minha prancha parou. Eu já bati com a cabeça na água. Dei as costas. Caí de lado. Bateu as costas e o lado da cabeça. Provavelmente não era para fazer town-in numa situação daquela, no mar crítico, pouco espaço para pilotar. Isso é o que mais me chama atenção. Para mim, com a experiência que quero, não vou voltar lá para me expor preocupado com quem estiver remando. Por mais que todos estivessem em harmonia, não é a melhor situação.

Veja a imagem feita pela câmera onboard presa na prancha de Carlos:

Em sua rede social Burle escreveu:

“Hoje foi mais um dia de trabalho e muito aprendizado! Na nossa profissão precisamos gerenciar riscos constantemente. Mesmo com muita experiência e preparação, sempre temos que lidar com imprevistos. Bati muito forte com a cabeça e costas na Lage da ilha Mãe. Perdi a consciência por alguns segundos e graças a Deus consegui voltar e ser resgatado! Gratidão enorme ao time pela atenção e preparo em situações difíceis.


Veja também