14
fev

Recordes são batidos no Hang Loose Pro

14 / fev
Publicado por Alexandre Gondim às 17:47

Douglas Silva. Foto: Alexandre Gondim/Blog do Surfe

Os famosos tubos da praia da Cacimba do Padre em Fernando de Noronha apareceram. O mar amanheceu liso e as ondas perfeitas para as disputas da terceira e quarta fase do Oi Hang Loose Pro Contest 2020, etapa valendo 5000 pontos para o ranking da divisão de acesso do circuito mundial da Word Surf League.

o potiguar Jadson André campeão da etapa passada segue sua campanha em busca do inédito bicampeonato e esta classificado para o próximo round que seda com baterias homem x homem. “Eu assisti todas as baterias antes da minha para escolher a minha estratégia. Escolhi sair pegando todas as ondas que viessem para mim eu sabia que uma delas ia ser um tubo. Amanhã, 15/2, entrarei com mais cautela por ser baterias de dois competidores. Estou com uma prancha mágica que ta trincada ao meio mas voou usa-la ate quebrar”.Disse Jadson. Amanhã ele pega pela frente o jovem Leo Casal que andou bem dentro dos tubos que quebraram hoje.

Jadson André. Foto: Alexandre Gondim/Blog do Surfe

O paulista Wiggolly Dantas passou a ser o líder do ranking do Qualifying Series mesmo perdendo sua próxima bateria contra outro brasileiro, Renan Pulga. Guigui vem embalado por sua vitoria em Pipiline, Havaí, no Volcon Pro. “Eu estava treinando em Rock Point no Havaí a saída do tubo pelo “Dog Door” e deu certo aqui, estou muito feliz por surfar na Cacimba do Padre com poucas pessoas. Estou bem focado e confiante, mas não penso na liderança do ranking agora, vou fazer isso nos últimos seis meses” declarou Wiggolly.

Quem mostrou muita familiaridade com as condições do mar de Fernando de Noronha foi o havaiano Mason Ho que comparou as ondas da Ilha com as havaianas para orgulho dos surfistas locais “estava treinando em casa e as ondas daqui são iguais as de lá” explicou Ho.

Samuel Pupo. Foto: Alexandre Gondim/Blog do Surfe

Filipe Toledo também venceu sua bateira de hoje e surfará na primeira bateria da quinta fase amanhã, junto com o francês Joan Duru, duelo digno de CT. O surfista foi o primeiro a romper a barreira da nota nove, um 9,07, também com um tubo de esquerda ‘deep’ ,profundo, e segue com um recorde na competição, com a maior média, 16,57 pontos, nas duas melhores ondas, de 20 pontos possíveis.

“Foi irado! Deu para me divertir, foi maneiro para caramba, bem difícil, bem técnico, mas consegui ir até o finalzinho, onda muito longa, bem deep. Cacimba é isso. Mar perfeito, só tubos. Que continue assim até a final”, relatou o surfista, já adiantando animação para brigar pela vitória. “Com certeza, vim aqui para tentar o título, mas o importante é estar aqui me divertindo, fazer o que gosto”, disse.

 

Em Noronha, ele está acompanhado da esposa, Amanda, e nas horas de folga das disputas, aproveita para passear pelos muitos encantos da ilha, onde tem uma relação antiga como competidor. “Estou amarradão de voltar a competir aqui, onde tudo começou”, destacou Filipinho, lembrando que foi nesse mesmo evento, em 2009, então com apenas 13 anos a sua estreia como profissional.

Filipe Toledo. Foto: Alexandre Gondim/Blog do Surfe

O surfista de Santos, Edgard Groggia, foi o destaque desta sexta-feira,14/2, o quarto dia de competição. Em sua estréia no Circuito Mundial e no arquipélago, ele garantiu a maior nota do evento até agora, 9,57 pontos, com um tubo de direita, com um drop fantástico numa onda de 1,5 metro, na Praia da Cacimba do Padre.

Aos 23 anos, o atleta compete pela primeira vez uma etapa do QS e não esconde a satisfação de ver tudo começar a dar certo. Quando jovem, foi apontado como uma das grandes promessas, ainda quando morava em Guarujá, mas por algum tempo chegou a desanimar. Agora, murando em Santos, vem iniciando uma nova trajetória e planeja disputar o Circuito Mundial, para acumular pontos para poder competir as etapas do Challenger Series, que têm maior pontuação, no ranking em busca da classificação ao CT “Eu já estava feliz de ter passado a minha primeira bateria. Estou aprendendo ainda no QS”, falou.

“É minha primeira etapa, minha primeira vez em Noronha, estou feliz, muito feliz mesmo. Não só com a performance, mas por me fazer acreditar mais ainda no meu potencial. É uma felicidade que me consome. Esse ano tudo tem acontecido bem, Deus tem colocado pessoas maravilhosas no meu caminho e tudo tem cooperado para dar tudo certo”, comentou.

Alejo Muniz Foto: Alexandre Gondim/Blog do Surfe

Ele lembra o período que ficou sem patrocínio e até sem expectativas de competir. “Foi muito difícil, desanimei. Esse ano, tenho um empresário que acredita no meu futuro, que vai me levar para as etapas do QS, conseguiu patrocinador, que é da minha Cidade, tem acreditado em mim, no meu potencial. Sei que é difícil para um empresário, uma marca acreditar, porque estou tendo de recomeçar, o investimento é alto, e só tenho de agradecer por confiarem no meu potencial”, ressaltou. “Tenho muito a mostrar”, complementou o atleta que já está entre os 16 melhores da etapa e enfrentará Wesley Dantas irmão de Wiggolly, garantindo um nono lugar, no mínimo.

Acompanhe por aqui. Aloha !

Veja entrevista com Fabio Gouveia:


Veja também