01
jul

A beleza dos cenotes de Cuzáma, no México

01 / jul
Publicado por Leonardo Vasconcelos às 7:44

cenote

 

Entre os inúmeros encantos do México um dos mais surpreendentes e mágicos são os famosos cenotes. Eles são uma espécie de poços de águas cristalinas encravados em algumas cavernas localizadas em sítios arqueológicos. Em todo o país são aproximadamente 7 mil de todos os tipos, tamanhos e profundidades, formados há cerca de 14 mil anos.

 

Leia mais: 

El Chepe: A mágica viagem de trem que corta o México

Coco Bongo: uma das melhores baladas do mundo.

Porto de Galinhas no ar e no mar

O voo de flyboard na Praia de Carneiros

 

Além de deslumbrantes, os cenotes tem também um lado místico já que eram considerados sagrados pelos maias e alguns, inclusive, eram usados para sacrifícios humanos, segundo as lendas. Para aquele povo, eles serviam de comunicação com os deuses. Daí vem o tom mágico dados aos poços até hoje. Não à toa são muito procurados pelos turistas para a prática do snorkeling.

 

 

Uma boa parte dos cenotes mexicanos ficam na Península de Yucatán. O #blogmochileo visitou a cidade de Mérida, no sudeste do país, e de lá visitou a região de Cuzamá, onde existem alguns cenotes que chamam a atenção por serem não tão explorados e pela forma de se chegar até eles.

 

 

Saindo de Mérida se pega uma van para seguir 40 quilômetros até a cidade de Cuzamá. De lá é preciso pegar uma moto adaptada com um compartimento para levar pessoas na frente. Quinze minutos depois se chega até o começo de um caminho de trilhos. O curioso é o próximo transporte: pequenos carros puxados por burros. A estrutura é do início do século passado, resquício da produção de sisal na região. Depois do fim da exploração do material, os moradores tiveram a ideia de usar os trilhos para o turismo.

 

 

Por meio deles, os visitantes são conduzidos por sete quilômetros até os três principais cenotes: Chelentún, Chak-Zinik-Che e Bolom-Chojol. Cada um tem profundidade, tamanho e cores diferentes. Em comum, a sensação de se banhar em um íntimo contato com a natureza. Depois de um caminho tão longo de quase uma hora e meia, nada como boiar em águas tão cristalinas quanto relaxantes.

 

 

REDES SOCIAIS:

 

 

*Acompanhe o @blogmochileo também pelo Instagram, Twitter, Facebook e Youtube.


Veja também