17
out

Óleo de coco condenado para uso terapêutico no emagrecimento

17 / out
Publicado por Luana Ponsoni às 16:12

Produto é rico em gordura saturada, contribuindo para a elevação dos níveis de colesterol. Foto: Divulgação
Produto é rico em gordura saturada, contribuindo para a elevação dos níveis de colesterol. Foto: Divulgação

A crescente prescrição do óleo de coco por médicos e nutricionistas para pacientes que almejam o emagrecimento fez a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) prestarem mais atenção no alimento. Depois de revisarem a literatura médica e científica sobre o assunto, as entidades resolveram publicar em seus sites um comunicado oficial que alerta as pessoas sobre a ineficácia do óleo de coco para a perda de peso e sobre outros males que o seu consumo pode gerar para a saúde.

“A SBEM e a ABESO posicionam-se frontalmente contra a utilização terapêutica do óleo de coco com a finalidade de emagrecimento, considerando tal conduta não ter evidências científicas de eficácia e apresentar potenciais riscos para a saúde”, diz parte do comunicado.

O texto alerta para o comprometimento que o alimento pode trazer para o organismo por ser rico em ácidos graxos saturados, apresentando o ácido mirístico, que influencia diretamente nos níveis de colesterol do corpo.

A rigor, a Organização Mundial de Saúde (OMS)  recomenda uma dieta com consumo restrito de alimentos ricos em gordura saturada. Essa sugestão é feita com base no alto valor calórico presente em alimentos com elevado teor de gordura. Um grama fornece nove calorias ao corpo, independentemente da origem ser vegetal ou animal. Isso significa que o excesso de consumo desses produtos afeta o equilíbrio entre energia ingerida e energia gasta, levando ao ganho de peso.

 


Veja também