CRIME

Lázaro: o caso do serial killer do Distrito Federal que parou o Brasil

A caçada quase que cinematográfica contra o suspeito chamou a atenção da mídia e dos telespectadores de tal forma que, nessa terça-feira (15), o termo 'serial killer' apontou como o mais pesquisado no Google

REPRODUÇÃO/POLÍCIA CIVIL
SUSPEITO Fugitivo teria roubado casa semanas antes de assassinato - FOTO: REPRODUÇÃO/POLÍCIA CIVIL
Leitura:

Há sete dias, mais de 200 agentes de segurança procuram um homem acusado de matar quatro pessoas da mesma família em Ceilândia, na região administrativa de Brasília. Lázaro Barbosa, de 33 anos, está foragido desde então. No fim da tarde dessa terça-feira (16), a Polícia Militar usava helicópteros, cães farejadores e contava com auxílio da Polícia Federal e Civil. A caçada quase que cinematográfica chamou a atenção da mídia e dos telespectadores de tal forma que, nessa terça-feira (15), o termo 'serial killer' apontou como o mais pesquisado no Google, com mais de 500 mil cliques.

Já o gráfico de interesse ao longo do tempo do Google mostra que o mesmo termo foi de 3 pontos para 100 - ponto mais alto de 'popularidade' em pesquisas - entre o dia 13 e o dia 15 de junho. No Twitter, "Lázaro" apareceu como a palavra mais popular do Brasil por volta das 22h. Jornais online e televisivos de todo o país também cobrem o caso.

Nesta quarta-feira (16), o secretário de segurança de Goiás, Rodney Miranda, disse que o fugitivo não se deslocou durante a madrugada, e agora, as forças policiais procuram por ele em pelo menos dois pontos na região entre as cidades de Edilândia e Girassol, no Entorno. Ele ressaltou que o perímetro foi restringido, para apertar o cerco ao suspeito. Por ora, o secretário descartou apoio da Força Nacional. Policiais de equipes especializadas do Distrito Federal e de Goiás atuam nas buscas.

Miranda afirmou, ainda, que Lázaro está cansado e tem ainda mais dificuldade de conseguir comida. Ele ressalta que assim ele fica mais perigoso, mas também, mais vulnerável a ser capturado. "Estamos no encalço dele", afirmou. "Hoje vamos pegar".

Lázaro é acusado de matar, a tiros e facadas, três pessoas na zona rural de Ceilândia no último dia 9. Os mortos eram Cláudio Vidal de Oliveira, de 48 anos, e os filhos Gustavo Marques Vidas, de 21 anos, e Carlos Eduardo Marques Vidal, de 15 anos.

O mesmo foragido também é acusado de participar do sequestro da mulher de Cláudio, Cleonice Marques de Andrade. O corpo dela foi encontrado no dia 12 à beira de um córrego, próximo da casa onde a família morava. No mesmo dia, Lázaro fugiu de um cerco policial na cidade de Cocalzinho. Ao escapar, ele trocou tiros com agentes e ateou fogo em uma casa.

>> Saiba os crimes cometidos por Lázaro Barbosa, o serial killer do Distrito Federal

>> "É um monstro da pior espécie", diz pai de Lázaro Barbosa, o serial killer do DF

>> Lázaro Barbosa, serial killer do DF, pretendia fazer ritual macabro com família mantida refém, diz secretário

Na manhã do dia seguinte ao assassinato da família em Ceilândia, quinta-feira (10), o homem teria invadido uma casa que fica a 3 km do local onde o caso aconteceu. Lá, de acordo com o Correio Braziliense, ele teria colocado Sílvia Campos, 40, proprietária da chácara, e o caseiro, identificado como Anderson, 18, na mira de seu revólver por 3 horas. No local, ele ainda teria obrigado os dois a fumarem maconha. Antes de fugir, roubou R$ 200, uma jaqueta, celulares e carregador.

No terceiro dia de fuga, Lázaro fez mais um refém e roubou um Fiat Pálio em Ceilândia. Com o veículo, ele se dirigiu a Cocalzinho, desta vez em Goiás, onde abandonou e incendiou o carro. As investigações apontam que lá ele se encontrou com um comparsa, que o ofereceu suporte.

Já no sábado (12), ele teria passado a tarde bebendo e se divertindo em uma chácara próxima à Lagoa Samuel. Lá o suspeito fez o caseiro refém. O serial killer também o obrigou a fumar maconha. Antes de fugir novamente, Lázaro destruiu o carro da vítima. Após deixar essa casa, ele foi para outra chácara, onde baleou três homens e roubou duas armas de fogo.

Na tarde do domingo (13), o foragido furtou um outro carro, também em Cocalzinho (GO), e abandonou o veículo, um Corsa vermelho, após avistar um ponto de bloqueio montado pela polícia.

Na segunda-feira (14), Lázaro foi visto no curral de uma fazenda entre os distritos de Edelândia e Girassol. A polícia acredita que ele passou a noite no local. Segundo o caseiro da fazenda, o homem pediu comida e em seguida fugiu para a mata.

Na terça-feira (15), após ser cercado por policiais, ele atirou contra um deles e o deixou ferido no rosto. No momento do tiroteio, ele fazia três pessoas reféns. Apesar da presença da polícia, Lázaro conseguiu fugir. As investigações policiais continuam e podem apontar para outros delitos.

Bahia

Lázaro é natural de Barra do Mendes, cidade na região noroeste da Bahia. Foi lá que ele começou sua jornada de crimes, quando tinha 19 anos, ainda em 2007. Seus primeiros assassinatos foram dois homens que tentavam proteger uma garota que ele perseguia por estar supostamente "apaixonado".

Após o duplo homicídio, a história foi parecida com a que vemos hoje. Durante 15 dias, ele fugiu se escondendo pelas matas e grutas da região. A caçada só terminou quando ele resolveu se entregar para a polícia.

A capacidade de ele se esconder, aliada à violência dos crimes, criou um boato na cidade de que Lázaro havia feito um "pacto com o diabo", mesma história que se fala atualmente.

“A polícia de todo o canto veio atrás dele, mas não o encontrou. O povo dizia que ele tinha feito um pacto com o diabo e virava toco e por isso não era visto. Isso quem contava era o povo da roça, mas a gente sabe que isso tudo é medo. A região é cheia de gruta e ele aproveitava para se esconder. Ele só se entregou à polícia porque estava com fome e uma hora poderia ser morto”, explica uma moradora de Barra do Mendes.

Quando ainda estava escondido na serra, Lázaro usava uma tática para despistar a polícia. Ele usava os chinelos ao contrário, produzindo pegadas para o sentido contrário ao que estava indo. “Ele amarrava os pés no lado contrário que as pessoas usam como sandálias, para assim fazer uma falsa trilha que levava os policiais para mais distante dele”, relatou.

Linha do tempo dos crimes

  • 2007

Preso em Barra Mendes, na Bahia, pelo crime de duplo homicídio, mas fugiu da prisão depois de 10 dias.

  • 2009

Preso no DF pelos crimes de roubo, estupro e porte de arma.

  • 2013

Laudo aponta características de personalidade como "agressividade, ausência de mecanismos de controle, dependência emocional, impulsividade".

  • 2014

Passa para o semiaberto e é beneficiado com trabalho externo.

  • 2016

Foge da unidade prisional do regime semiaberto.

  • Março de 2018

Lázaro é recapturado.

  • Julho de 2018

Foge do Presídio de Águas Lindas de Goiás (GO).

  • 2019

Justiça expediu novo mandado de prisão.

  • 2021

26 de abril: Lázaro teria invadido uma casa no Sol Nascente.

17 de maio: fez uma família refém na mesma região.

9 de junho: teria cometido um triplo homicídio em uma chácara, no Incra 9, em Ceilândia (DF).

10 de junho: rendeu o proprietário de uma fazenda, a filha dele e o caseiro.

12 de junho: Polícia encontra corpo de vítima no Córrego da Cascalheira, localizado no meio da mata entre a BR-070 e a DF-180.

13 de junho: furtou um carro e o abandonou na BR-070, depois, ele continuou a fuga, pela mata.

14 de junho: Polícias do DF e de Goiás fizeram um cerco em 34 propriedades rurais da região e continuaram as buscas

15 de junho: fez três pessoas de reféns e atingiu policial no rosto com disparo de arma de fogo

Comentários

Últimas notícias