Violência

Estupro coletivo de adolescente causa revolta e mobilização na web

Os internautas criaram uma mobilização nas redes contra a cultura de estupro no País

JC Online
JC Online
Publicado em 26/05/2016 às 19:25
Foto: Reprodução
Os internautas criaram uma mobilização nas redes contra a cultura de estupro no País - FOTO: Foto: Reprodução
Leitura:

Após a divulgação do estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro, os internautas criaram uma mobilização nas redes contra a cultura de estupro no País.

No Facebook, uma usuária criou uma campanha no Twibbon (ferramenta que permite colocar na foto o selo de uma campanha, seja ela social, política, ideológica ou de qualquer outra natureza) que teve mais de 83 mil adesões até a tarde desta quinta-feira (26).

Usuários também divulgam a imagem de uma mulher sangrando, crucificada no símbolo de Vênus. A imagem foi compartilhada por vários usuários e também por famosas.

Além disso, várias famosas também se manifestaram sobre o assunto. Como foi o caso da atriz Camila Pitanga, que também é diretora geral do Movimento Humanos Direitos e Embaixadora Nacional da ONU Mulheres no Brasil.


Os usuários das redes sociais produziram textos, cobrando medidas das autoridades e da sociedade contra a banalização dos casos de estupro e violência contra a mulher. No Twitter, as hashds_matia_palvr #umdiasemestupro, #estuprocoletivo #estupro ganharam destaque.

 

ENTENDA O CASO

Uma adolescente de 16 anos foi vítima de um estupro coletivo na Zona Oeste do Rio de Janeiro. A garota pode ter sido violentada por 33 homens. Um vídeo com imagens fortes da jovem depois do estupro foram divulgadas no Twitter logo após a ação.

De acordo com Ministério Público, mais de 800 denúncias foram encaminhadas ao órgão. Dois suspeitos já foram identificados. A vítima passou por exames e prestou depoimento na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI). O caso corre em sigilo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias