ESTUPRO FILMADO

"Quando acordei, tinham 33 caras em cima de mim", diz vítima de estupro

A polícia já identificou dois dos acusados e pedirá a prisão preventiva de ambos

JC Online
JC Online
Publicado em 26/05/2016 às 14:55
Foto: Reprodução de Internet
A polícia já identificou dois dos acusados e pedirá a prisão preventiva de ambos - FOTO: Foto: Reprodução de Internet
Leitura:

A adolescente de 16 anos que foi vítima de um estupro coletivo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, esteve no setor de ginecologia do Hospital Maternidade Maria Amélia para fazer exames nesta quinta-feira (26), segundo o jornal O Globo. A jovem foi estuprada por cerca de 30 homens e um vídeo do crime foi divulgado na conta do Twitter de um dos acusados nessa quarta-feira (25).

A vítima passou a madrugada no Instituto Médico Legal (IML) e foi ouvida na delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), que investiga o caso. De acordo com o Ministério Público, que também acompanha o caso, mais de 800 denúncias já foram encaminhadas ao órgão.

A polícia já identificou quatro dos acusados e pedirá a prisão preventiva deles. Ao sair do hospital, a adolescente afirmou, em entrevista ao jornal, que tinha ido dormir na casa do namorado, na sexta-feira (20), e só acordou no domingo (22).

"Quando acordei, tinham 33 caras em cima de mim", disse a menina. Segundo o pai da menina, ela teria ido a um baile e lá sido estuprada pelo grupo. "Bagunçaram minha filha. Quase mataram ela. Estava gemendo de dor", afirma.

O vídeo com as imagens do estupro coletivo foi divulgado na internet e logo depois apagado. O perfil Doctor Stranger (@michelbrasil7) foi suspenso do Twitter após a repercussão do caso, que figurou entre os Trending Topics Brasil.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias