Coluna Mobilidade

Pesquisa aponta que motoristas de ônibus brasileiros têm 71% de risco de contaminação pelo coronavírus

Mapeamento das profissões mais arriscadas de contágio foi feito pela UFRJ e colocou os motoristas num patamar semelhante aos profissionais da saúde

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 16/04/2020 às 9:06
Notícia
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Até então, o MPT vinha demonstrado cautela no processo, evitando desgastar ainda mais a já desgastada relação entre rodoviários e empresários de ônibus. Mas agora perdeu a paciência - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

POR ROBERTA SOARES, DA COLUNA MOBILIDADE

Eles não estão na linha de frente do combate à pandemia do coronavírus - como os mais diferentes profissionais da saúde -, mas têm enormes chances de serem contaminados. Correm um risco próximo ao enfrentado pelos trabalhadores da saúde. Estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) comprovou o perigo. Apontou que os motoristas de ônibus são uma das profissões mais vulneráveis, com risco de contágio de 71%. E são profissionais que correm risco todos os dias nas ruas, já que os serviços de transporte público não foram suspensos na grande maioria das cidades do Brasil e do mundo. Na saúde, aponta a pesquisa, a probabilidade de contaminação está entre 50% e 100%, conforme a área de atuação.

O medo é grande porque sabemos que o vírus fica impregnado durante quatro dias em superfícies e muitas pessoas se agarram nos balaustres dos coletivos sem ter proteção ou sem saber que é portador. Além disso, não respeitam a distância correta, tossem e espirram sem se proteger. A higienização também não é feita da forma correta porque são muitas viagens, com intervalos pequenos. Nunca sobra tempo para fazer como deveria
José Carlos da Silva, motorista há dez anos

O mapeamento foi realizado pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ), que analisou 2,6 mil ocupações no País, nas mais variadas áreas, para identificar o índice de risco das profissões. De forma geral - e como já esperado - os que atuam na saúde são os mais expostos. De acordo com o estudo, 2,6 milhões de profissionais da área apresentam risco de contágio acima de 50%. Do grupo, os mais vulneráveis são os técnicos em saúde bucal - um total de 12.461 profissionais, com 100% de risco de contágio devido ao ambiente de trabalho e a proximidade física com os pacientes.

O perigo para os motoristas de ônibus urbanos (que operam os sistemas municipais e metropolitanos) e rodoviários (veículos que fazem viagens intermunicipais e interestaduais) surpreende e, segundo o mapeamento, é resultado do contato próximo que os profissionais têm com a população. Os pesquisadores do Coppe mapearam 350 mil motoristas de ônibus para indicar o risco de infecção. O percentual de 71%, inclusive, é semelhante ao identificado para os professores, por exemplo, caso as aulas não tivessem sido suspensas como medida preventiva à propagação do coronavírus.

O alto índice de contágio se confirma na prática, no medo dos motoristas que operam o serviço de transporte na RMR. "O medo é grande porque sabemos que o vírus fica impregnado durante quatro dias em superfícies e muitas pessoas se agarram nos balaustres dos coletivos sem ter proteção ou sem saber que é portador. Além disso, não respeitam a distância correta, tossem e espirram sem se proteger. A higienização também não é feita da forma correta porque são muitas viagens, com intervalos pequenos. Nunca sobra tempo para fazer como deveria", relata José Carlos da Silva, motorista há dez anos.

Thiago Lucas
Artes JC - Thiago Lucas

Quando o recorte são os cobradores do transporte coletivo, maquinistas de metrôs e trens, e motoristas de táxis, por exemplo, o índice de perigo reduz, mas ainda se mantem acima dos 50%. Segundo o Coppe, os cobradores apresentam um percentual de 66,3% de risco de contaminação, o mesmo dos motoristas de táxi. Em relação aos maquinistas, esse percentual cai para 51%. Vendedores varejistas, operadores de caixas, entre outros profissionais do comércio que, juntos, somam cerca de 5 milhões de trabalhadores no Brasil, apresentam, em média, 53% de risco de serem infectados pelo coronavírus.

CONFIRA O MAPEAMENTO NA ÍNTEGRA:
https://impactocovid.com.br/

MENOS VULNERÁVEIS
Os trabalhadores menos vulneráveis são os solitários - que exercem suas atividades de forma isolada, quase solitária, com destaque para os 14.215 operadores de motosserra, cuja maioria trabalha nas áreas rurais e apresenta risco de 18%. Outros menos prováveis de serem infectados, com média de 19%, são roteiristas, escritores, poetas, e outros que fazem parte de um grupo que realiza trabalho voltado para o setor artístico e intelectual. O mapeamento abrangeu todo o País e foi dividido em 13 grupos ocupacionais, de profissionais da agropecuária e pesca aos do setor de transportes. O mapeamento foi liderado pelo pesquisador Yuri Lima, do Laboratório do Futuro da Coppe. "É um momento importante de reflexão sobre o trabalho por parte do governo, das empresas e de quem realiza estudos sobre a área.

LEIA MAIS CONTEÚDO NA COLUNA MOBILIDADE www.jc.com.br/mobilidade

Citação

O medo é grande porque sabemos que o vírus fica impregnado durante quatro dias em superfícies e muitas pessoas se agarram nos balaustres dos coletivos sem ter proteção ou sem saber que é portador. Além diss

José Carlos da Silva, motorista há dez anos
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Os pesquisadores do Coppe mapearam 350 mil motoristas de ônibus para indicar o risco de infecção - FOTO:BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
O percentual de 71%, inclusive, é semelhante ao identificado para os professores, por exemplo, caso as aulas não tivessem sido suspensas como medida preventiva à propagação do coronavírus - FOTO:LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
Motoristas de ônibus do Recife se arriscam trabalhando sem proteção, porém ainda é possível encontrar alguns com a máscara de proteção. O uso de itens de proteção diminui os riscos de contaminação do Coronavírus (Covid19). - FOTO:LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
Obrigação de uso das máscaras, entretanto, ainda não vale para os passageiros na RMR - FOTO:LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) recomenda o uso de máscaras por todos, mesmo as de tecido. Embora o equipamento não evite a contaminação de quem usa, protege o outro no casod e espirros e tosse. - FOTO:LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
Thiago Lucas
Artes JC - FOTO:Thiago Lucas

Comentários

Últimas notícias