LOCKDOWN

Rodízio de veículos não pressiona o transporte público na Região Metropolitana do Recife

Ao contrário. Lockdown provocou redução de 25% na demanda dos ônibus

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 18/05/2020 às 16:53
Notícia
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Restrição não transfere passageiro para o transporte público como aconteceu em São Paulo, por exemplo, que gerou desgaste político e fez a prefeitura desistir do rodízio ampliado - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

Diferentemente do que aconteceu em São Paulo, o rodízio de veículos criado como uma da medidas do lockdown no Recife e em quatro cidades da Região Metropolitana não jogou as pessoas para o transporte público. Ao contrário. Os dados oficiais do governo de Pernambuco mostram que a perda de passageiros aumentou depois do início do isolamento social mais rígido. Teria havido uma queda de 25% na demanda, que já vinha sofrendo uma redução de 69%.

De fato, os ônibus estão circulando sem lotação. Em geral, todo mundo sentado. E isso é desde a semana passada. O que passamos a ver com mais frequência é o uso das máscaras. Agora, por outro lado, o intervalo está maior
Eliane Barbosa, passageira de ônibus

 

LEO MOTTA/JC IMAGEM
Passageira Eliane Barbosa - LEO MOTTA/JC IMAGEM

CONFIRA COMO FORAM OS PRIMEIROS DIAS DO LOCKDOWN

Lockdown é respeitado nas ruas do Grande Recife, mas periferia segue sendo o contraste

No primeiro dia de lockdown, periferias permanecem cheias e sem fiscalização

A informação é oficial e relacionada ao sábado (16/5), primeiro dia de adoção do lockdown na capital pernambucana e nas cidades de Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata. Segundo o Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano (CTM), a comparação foi entre o dia 16/5 e o dia 9/5, quando havia a quarentena apenas recomendada. De fato, com exceção de algumas denúncias pontuais de ônibus cheios nas linhas operadas pela Empresa Vera Cruz, no subúrbio da Zona Sul da Região Metropolitana, o movimento de passageiros nos coletivos era visivelmente menor.

Quinze terminais integrados receberam frota reserva para ser utilizada se a demanda exigisse, mas o que se via eram ônibus saindo com a maior parte dos passageiros sentados. “De fato, os ônibus estão circulando sem lotação. Em geral, todo mundo sentado. E isso é desde a semana passada. O que passamos a ver com mais frequência é o uso das máscaras. Agora, por outro lado, o intervalo está maior”, afirmou Eliane Barbosa, passageira do Terminal Integrado de Joana Bezerra, unidade que conecta a Zona Oeste com as Zonas Sul e Norte do Recife.

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM DATA:18.05.2020 ASSUNTO: Fiscalização nos ônibus. Primeiro dia útil de lockdown no Grande Recife. - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM

Embora quase a totalidade de usuários estivesse utilizando máscaras, muitas das regras anunciadas pelo governo do Estado não estavam sendo exigidas. Foi o caso da verificação de necessidade de deslocamento. O CTM chegou a anunciar que os passageiros do transporte público teriam que apresentar declarações de empregadores ou autônomos que justificassem a circulação, mas a reportagem não presenciou cobranças do tipo em nenhum dos terminais que visitou.

Está bem mais tranquilo. As pessoas, de fato, ficaram em casa. Geralmente pego o metrô lotado, por volta das 8h, e dessa vez estava bem tranquilo. Pouquíssimas pessoas em pé. Quase todos os passageiros sentados
Wellington Belarmino da Silva, passageiro do metrô

LEO MOTTA/JC IMAGEM
Passageiro Wellington Belarmino da Silva - LEO MOTTA/JC IMAGEM

No Metrô do Recife, que seguiu com a mesma operação reduzida adotada desde o início da pandemia (das 6h às 9h e das 16h30 às 20h), a redução de passageiros também foi confirmada. “Está bem mais tranquilo. As pessoas, de fato, ficaram em casa. Geralmente pego o metrô lotado, por volta das 8h, e dessa vez estava bem tranquilo. Pouquíssimas pessoas em pé. Quase todos os passageiros sentados”, afirmou o vigilante Wellington Belarmino da Silva.

FENÔMENO OPOSTO EM SÃO PAULO

Em São Paulo, o fenômeno no transporte público foi ao contrário. Com a ampliação do rodízio veicular para 24h e em toda a capital paulistana, o metrô, os trens e os ônibus pagaram a conta. Na primeira semana do rodízio mais rígido, a CPTM (trens metropolitanos) teve um aumento de 12% no número de passageiros. Já no metrô, somando as três linhas administradas pelo Estado (Linha 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha), e as linhas concedidas à iniciativa privada (Linha 4-Amarela – ViaQuatro e Linha 5-Lilás – ViaMobilidade), o crescimento da demanda foi em média 8%. Os ônibus da EMTU, por sua vez, tiveram na segunda-feira (11), 16% mais pessoas transportadas, saltando de 490 mil para 570 mil passageiros. No restante da semana a média de crescimento foi de 11,3%.

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
CTM disse que a demanda de passageiros reduziu ainda mais: está em 44% - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM

A sobrecarga que o rodízio mais rígido provocou no transporte público, inclusive, chegou a gerar desgaste político entre a prefeitura paulistana - que coordena o restrição veicular na capital - e a Secretaria Metropolitana de Transportes - que gerencia o metrô, os trens e os ônibus metropolitanos. O desgaste foi tanto que o prefeito Bruno Covas suspendeu o rodízio ampliado.

LEIA MAIS CONTEÚDO NA COLUNA MOBILIDADE www.jc.com.br/mobilidade

LEO MOTTA/JC IMAGEM
Motoristas e cobradores têm orientação para impedir oa cessod e passageiros sem máscaras - FOTO:LEO MOTTA/JC IMAGEM
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Passageiro Wellington Belarmino da Silva - FOTO:LEO MOTTA/JC IMAGEM
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Municípios de Pernambuco no primeiro dia da semana em lockdown devido a pandemia do Coronavírus. Terminal Integrado Joana Bezerra. - FOTO:LEO MOTTA/JC IMAGEM
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Passageira Eliane Barbosa - FOTO:LEO MOTTA/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Determinação é para que passageiros sem máscara sejam barrados nos ônibus e metrô - FOTO:BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Grande maioria dos passageiros está utilizando máscaras - FOTO:BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
CTM disse que a demanda de passageiros reduziu ainda mais: está em 44% - FOTO:BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
O CTM chegou a anunciar que os passageiros do transporte público teriam que apresentar declarações para comprovar o deslocamento, mas a cobrança não foi feita - FOTO:BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Quinze terminais integrados receberam frota reserva para ser utilizada se a demanda exigisse, mas o que se via eram ônibus saindo com a maior parte dos passageiros sentados - FOTO:BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias