ESCALONAMENTO

Pesquisa da Fecomércio desconstrói benefícios do escalonamento de horários para o transporte público

A análise aponta que já existe um escalonamento natural do deslocamento dos trabalhadores que usam o ônibus e o metrô no Grande Recife e que, mesmo assim, a grande mazela do sistema é a pouca oferta de serviço. Ou seja, faltam ônibus e trens para transportar a população

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 09/09/2020 às 19:11
Notícia
JAILTON JÚNIOR/JC IMAGEM
O PL é, atualmente, a principal esperança que os rodoviários têm para tentar reverter a retirada e demissão dos cobradores e a consequente dupla função dos motoristas - FOTO: JAILTON JÚNIOR/JC IMAGEM
Leitura:

Pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Pernambuco (Fecomércio-PE) colocou em dúvida os possíveis benefícios que o escalonamento de horários das atividades econômicas poderá trazer para melhorar o transporte público na Região Metropolitana do Recife. A análise aponta que já existe um escalonamento natural do deslocamento dos trabalhadores que usam o ônibus e o metrô no Grande Recife e que, mesmo assim, a grande mazela do sistema é a pouca oferta de serviço. Ou seja, faltam ônibus e trens para transportar a população.



E para evitar a superlotação e a longa espera pelos coletivos e metrôs, ela antecipa seus horários de entrada e saída do sistema. Com a divulgação da pesquisa, realizada em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (9/9), a Fecomércio indica que o problema é de política de Estado e que apenas o Estado - buscando parceiros, é claro - poderá resolvê-lo. Conclui que somente com a ampliação da oferta de ônibus e metrôs é que o transporte coletivo poderá evitar a superlotação na RMR e, assim, minimizar os riscos de propagação do coronavírus.

Verificamos que os problemas apontados pelo passageiro do transporte público são estruturais. As pessoas têm usado máscara e álcool em gel, sinal de que estão aderindo à precaução exigida em tempos de pandemia. Mas esperam demais pelo transporte e quando ele chega está superlotado. Ou seja, mesmo que o escalonamento das atividades econômicas seja ampliado, a deficiência do serviço continuará comprometendo qualquer eficiência da mudança. Os dados apontam a necessidade de um número maior de ônibus nos dois primeiros horários, visto que a falta dos veículos cria aglomeração devido à superlotação”,
Rafael Ramos, economista da Fecomércio-PE

 

Artes JC
Pesquisa transporte público Fecomércio PE - Artes JC

 

Artes JC
Pesquisa transporte público Fecomércio PE - Artes JC

“Verificamos que os problemas apontados pelo passageiro do transporte público são estruturais. As pessoas têm usado máscara e álcool em gel, sinal de que estão aderindo à precaução exigida em tempos de pandemia. Mas esperam demais pelo transporte e quando ele chega está superlotado. Ou seja, mesmo que o escalonamento das atividades econômicas seja ampliado, a deficiência do serviço continuará comprometendo qualquer eficiência da mudança. Os dados apontam a necessidade de um número maior de ônibus nos dois primeiros horários, visto que a falta dos veículos cria aglomeração devido à superlotação”, explica Rafael Ramos, economista da Fecomércio-PE e quem apresentou o estudo.

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Setor de transporte tem se articulado para desconstruir imagem de que o transporte público é um grande vetor de contaminação, como afirmam infectologistas - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM

Não será a ampliação do escalonamento de horário das atividades econômicas que irá resolver esse problema. Somente com uma política de Estado, na qual o governo amplie a oferta de transporte para a população, será possível dividir essa concentração e minimizar os problemas devido às exigências de distanciamento devido à pandemia”,
Bernardo Peixoto, presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac PE


Em relação ao escalonamento, a pesquisa aponta que já existe uma pulverização do deslocamento dos passageiros no caminho e na volta do trabalho: 53% dos trabalhadores do setor de serviço entram entre 6h e 7h, 50% entram entre 7h e 8h, 34% entre 8h e 9h e 41% entre 9h e 10. No caso do trabalhador do comércio de rua os números seguem a mesma proporção. E, mesmo assim, a principal reclamação dos passageiros ouvidos na pesquisa da Fecomércio é em relação à superlotação do transporte (46% entre 6h e 7h e 49% entre 7h e 8h). Já a reclamação sobre o longo tempo de espera pelo ônibus e metrô foi a reclamação nos mesmos horários de 39% e 34% dos entrevistados.

“O resultado de falta de confiança no serviço faz com que as pessoas saiam mais cedo de casa e entrem no sistema antes do que deveriam. Não será a ampliação do escalonamento de horário das atividades econômicas que irá resolver esse problema. Somente com uma política de Estado, na qual o governo amplie a oferta de transporte para a população, será possível dividir essa concentração e minimizar os problemas devido às exigências de distanciamento devido à pandemia”, reforça Bernardo Peixoto, presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac PE. A pesquisa sobre o perfil do passageiro do transporte público da RMR foi realizada com 1.405 pessoas, entre os dias 18 e 31 de agosto, em quatro Terminais Integrados da RMR: TI Recife, na área central da capital e recebe usuários das Linhas Centro e Sul do metrô, TI Pelópidas Silveira, em Paulista, TI Xambá, em Olinda, e TI Camaragibe, em Camaragibe, que também recebe passageiros de São Lourenço da Mata.

Segundo Bernardo Peixoto, a Fecomércio-PE pretende, com a pesquisa, contribuir com soluções para o combate à covid-19 em Pernambuco, especialmente em relação ao transporte coletivo - opção para chegar ao trabalho por mais de 70% dos entrevistados. “O levantamento irá subsidiar os elaboradores de políticas públicas com importantes dados e proporcionará a criação de protocolos de saúde e ações que visem à proteção dos trabalhadores e consumidores que utilizam o meio público de transporte”, diz.

FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Os dados apontam a necessidade de um número maior de ônibus nos dois primeiros horários, visto que a falta dos veículos cria aglomeração devido à superlotação - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM


REPERCUSSÃO

O governo de Pernambuco se posicionou sobre a pesquisa da Fecomércio-PE por meio de uma nota oficial enviada pelo Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano (CTM), gestor do sistema de transporte público por ônibus da RMR. Confira a nota:

Governo de Pernambuco

"O Grande Recife informa que, mesmo com a retomada de alguns setores da economia, tem registrado uma demanda de passageiros abaixo daquela vista antes da pandemia da Covid-19. Ainda assim, o Consórcio tem procurado manter uma oferta de ônibus superior à demanda de passageiros transportados. Atualmente, a procura pelos coletivos está na casa dos 60% enquanto a frota em operação está numa média de 70%, com algumas linhas com 100% da frota. É importante destacar que foram estabelecidos horários diferenciados para algumas atividades, como comércio, serviços e shoppings, o que contribuiu para um maior distensionamento do pico no horário da manhã. Fiscais e técnicos do Grande Recife continuam acompanhando, diariamente, a programação e fazendo os devidos ajustes. Inclusive, reativando linhas que haviam sido temporariamente desativadas devido à queda no número de usuários transportados".

Para o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE), entidade que está à frente da proposta de escalonamento dos horários das atividades econômicas para ajudar o transporte público, a pesquisa só evidencia a dificuldade operacional do sistema. Confira a repercussão:

URBANA-PE

“A pesquisa contratada pela Fecomércio evidencia aspectos conhecidos sobre o transporte público na Região Metropolitana do Recife: a concentração dos deslocamentos para o trabalho nos horários de pico e a necessidade de reduzir o tempo de espera e deslocamento nos ônibus. Os dados reforçam as propostas apresentadas pela Urbana-PE de revisão do modelo de custeio, escalonamento dos horários das atividades das cidades e de ampliação das faixas e corredores exclusivos, de forma a possibilitar uma melhor qualidade na oferta, reduzir a concentração dos deslocamentos nos horários de pico e diminuir os tempos totais de deslocamento”.

BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Em relação ao escalonamento, a pesquisa aponta que já existe uma pulverização do deslocamento dos passageiros no caminho e na volta do trabalho - BOBBY FABISAK/JC IMAGEM

Citação

Verificamos que os problemas apontados pelo passageiro do transporte público são estruturais. As pessoas têm usado máscara e álcool em gel, sinal de que estão aderindo à precaução exigida em te

Rafael Ramos, economista da Fecomércio-PE
Citação

Não será a ampliação do escalonamento de horário das atividades econômicas que irá resolver esse problema. Somente com uma política de Estado, na qual o governo amplie a oferta de transporte para a po

Bernardo Peixoto, presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac PE

Comentários

Últimas notícias