COLUNA MOBILIDADE

Por vacinas, metroviários param nesta quinta (20) no Grande Recife. Rodoviários podem aderir

Sem perspectiva de vacinação, profissionais do transporte público decidiram que só a interrupção do serviço garantirá a imunização. Quem sofre é o passageiro

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 18/05/2021 às 17:23
Notícia
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Os números da entidade apontam que 14 metroviários do sistema metropolitano morreram desde o início da pandemia e quase 500 profissionais já testaram positivo. - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

Os metroviários da Região Metropolitana do Recife vão cruzar os braços por vacinas contra a covid-19 nesta quinta-feira (20/5). Sem qualquer perspectiva de imunização, a categoria fará o movimento de 24 horas nacionalmente e poderá contar com a participação dos motoristas e cobradores de ônibus do Grande Recife. Os rodoviários tiveram uma sinalização do governo do Estado na semana retrasada, mas voltaram à estaca zero depois que o Ministério Público de Contas (MPCO) exigiu explicações sobre a possível antecipação da imunização entre os grupos prioritários.

São 1.800 metroviários atuando no Metrô do Recife que, ao pararem, afetarão o ir e vir de mais de 200 mil trabalhadores - o Metrô do Recife transportava, antes da pandemia, 400 mil pessoas/dia. A paralisação envolverá todos os sistemas públicos geridos pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) no País, à exceção de João Pessoa, que recentemente teve uma garantia da imunização. Além do Recife, farão o movimento o metrô de Belo Horizonte (MG). Os outros três sistemas da CBTU de Maceió (AL), Natal (RN) e João Pessoa (PB). Os cinco sistemas da CBTU envolvem quase 4.200 profissionais. No caso do Grande Recife, o movimento foi aprovado em assembleia nesta segunda-feira (17).

FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Caso não haja tempo hábil para organizar a categoria, um outro movimento conjunto com os rodoviários deverá ser feito na próxima semana - FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM

“Não temos escolha já que o País não se importa com a categoria do transporte público. Como você pode ir para a guerra com os soldados doentes? Nós que fazemos o transporte coletivo todos os dias somos esses soldados. O jeito é fazer essa paralisação para chamar a atenção para a nossa situação”, alega o presidente do Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (SindMetro), Adalberto Ferreira. Os números da entidade apontam que 14 metroviários do sistema metropolitano morreram desde o início da pandemia e quase 500 profissionais já testaram positivo desde o início da pandemia.

No País, São Paulo é a única cidade que está imunizando metroviários e rodoviários. Salvador (BA) iniciou a vacinação dos motoristas e cobradores de ônibus. Cuiabá também. Já o Rio de Janeiro ia iniciar, mas recuou devido à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que proibiu estados e municípios de alterarem, sem uma razão muito bem explicada, a hierarquia dos grupos prioritários.

Confira a reportagem especial ELES NÃO PDOEM PARAR E ESTÃO MORRENDO

PARTICIPAÇÃO DOS RODOVIÁRIOS

Os motoristas e cobradores de ônibus do Grande Recife poderão aderir à paralisação desta quinta-feira, ao lado dos metroviários. A organização do movimento nacional contou com a participação da diretoria do Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco. E, segundo Adalberto Ferreira, caso não haja tempo hábil para organizar a categoria, um outro movimento conjunto deverá ser feito na próxima semana.

A categoria critica o fato de os profissionais da educação básica, por exemplo, terem a imunização antecipada, enquanto os motoristas, cobradores e metroviários seguem expostos em ônibus e trens lotados, diariamente, em alguns horários do dia sem qualquer previsão de vacina. Em Pernambuco, somando as duas categorias seriam menos de 20 mil profissionais: 15 mil rodoviários e 2 mil metroviários.

Comentários

Últimas notícias