Opinião

Governadores pedem que Bolsonaro não vete trecho presente no novo marco do saneamento básico

Governadores de 17 estados, entre eles Pernambuco, enviaram uma carta ao presidente

JC
JC
Publicado em 15/07/2020 às 9:33
MARCOS CORRÊA/PR
PRESIDENTE Bolsonaro larga na frente, mas com desafios na saúde e na economia que podem se impor - FOTO: MARCOS CORRÊA/PR
Leitura:

A maioria dos governadores (17 deles) fez chegar à mesa do presidente da República, uma carta em que eles pedem a Jair Bolsonaro para não vetar o trecho de uma lei aprovada pelo Congresso Nacional, chamada de Novo Marco do Saneamento Básico.

A parte que os governadores querem ver preservada é o artigo 16, que autoriza a renovação de contratos, que no passado foram fechados sem licitação.

Um dos argumentos de 17 governadores, entre eles Paulo Câmara (PSB-PE), é de que “os estados poderão ser submetidos a uma insegurança jurídica em razão de contratos celebrados” e que se houver o veto do presidente da República, algumas obras que estão em andamento “terão de ser imediatamente paralisadas”. A decisão de Jair Bolsonaro de vetar ou não o texto aprovado pelos congressistas, contra a vontade dos partidos de posição, será tomada nesta quarta-feira (15).

O texto do relator, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), levou em conta estudos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério do Desenvolvimento Regional que apontam um percentual de 16,4% dos lares brasileiros não serem abastecimento de água potável e pouco mais da metade (53,2%) da população tem acesso ao serviço de tratamento de esgoto.

Mas como é corriqueiro no Brasil, na ideologia dos grupos que querem a máquina pública inchada, loteada de cargos para serem distribuídos aos apaniguados políticos, quanto mais Estado melhor, mesmo que boa parte da população nunca tenha tido acesso a serviços tão importantes como é a água potável e esgoto. Esses 17 governadores são a essência do país atrasado.

Pense nisso!

Comentários

Últimas notícias