COVID-19

Grupo do Salinas Maragogi Resort adia reabertura e demite 400 trabalhadores por causa do coronavírus

Prevista inicialmente para julho, retomada das atividades foi postergada para 1º de setembro. Prejuízo passa de R$ 125 milhões, mas empresa se comprometeu a arcar com custos dos planos de saúde dos colaboradores e dependentes

Mona Lisa Dourado
Mona Lisa Dourado
Publicado em 04/05/2020 às 16:00
Notícia
DIVULGAÇÃO
Diante da necessidade de ampliar a suspensão das atividades, o Grupo Amarante anunciou que desligará quase um terço dos 1.120 funcionários a partir desta semana - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

POR MONA LISA DOURADO, DA COLUNA TURISMO DE VALOR

O avanço dos casos de contaminação e mortes pelo novo coronavírus no Brasil levou o Grupo Amarante, holding controladora dos resorts Salinas Maragogi, Salinas Maceió e Japaratinga Lounge, a adiar a reabertura dos hotéis para 1º de setembro. Antes, a previsão era retomar o funcionamento a partir de julho. Diante da necessidade de ampliar a suspensão das atividades, a empresa anunciou que demitirá 400 dos 1.120 funcionários a partir desta semana. 

Boletim do Ministério da Saúde publicado na tarde desta segunda-feira (4) aponta 105.222 infectados por covid-19 no Brasil e 7.288 mortes, mais 263 somente nas últimas 24 horas. A taxa de letalidade do vírus no País é de 6,9%.

Em uma iniciativa digna de ser replicada, o Grupo Amarante comprometeu-se, no entanto, a pagar o seguro saúde com cobertura total dos trabalhadores desligados e dos seus dependentes até dezembro de 2020, quando pretende voltar a contratá-los, de acordo com a normalização das operações.

>> Cerca de 40% dos trabalhadores da hotelaria de Porto de Galinhas, no Litoral Sul, já foram demitidos por causa do coronavírus

>> Coronavírus deve acelerar mudanças na vida e no turismo de Fernando de Noronha

>> Hotéis de Pernambuco confirmam suspensão de atividades por causa do coronavírus. Prejuízo em todos os segmentos em Porto de Galinhas é de quase R$ 1 bilhão em três meses

Advogados trabalhistas consultados pela coluna lembram que, por lei, o funcionário pode manter o plano de saúde após a demissão, mas precisa arcar com o custo total dele. Desta forma, o benefício consiste em não perder as carências, o que ocorreria no caso de contratação de um novo seguro.

DIVULGAÇÃO
Resort Salinas Maceió, em Alagoas - DIVULGAÇÃO

"O turismo é o setor mais imediatamente e gravemente afetado pela pandemia em todo o mundo. Fizemos um grande esforço e mantivemos todos os empregos no mês de abril, mas a situação é muito grave,” justifica o CEO do Grupo Amarante, Mário Vasconcellos.

O executivo garante que os colaboradores dispensados passarão a compor um cadastro especial para receberem benefícios e terão prioridade no processo de contratação na retomada das atividades.

"Nos meses de julho e agosto, nossa equipe realizará treinamentos e implantará novos processos de higiene, limpeza e segurança alimentar, de forma a garantir que a experiência nos resorts seja a mais segura e confortável, tanto para quem se hospeda quanto para quem trabalha conosco", afirma o diretor administrativo e financeiro do grupo, Sérgio Lins.

Segundo o grupo, os prejuízos já ultrapassam R$ 125 milhões, mas a decisão de postergar a reabertura foi necessária para proteger funcionários e hóspedes da exposição e possível infecção pelo coronavírus.

Em todo o País, de acordo com a Associação Brasileira de Resorts, 100% dos estabelecimentos desse segmento estão de portas fechadas.

>> Cenário causado pelo coronavírus exige empatia e responsabilidade

Em janeiro e fevereiro deste ano, antes da expansão da pandemia no Brasil e da adoção de medidas restritivas para conter o avanço da doença, a receita do Grupo Amarante havia crescido 63% em comparação ao mesmo período de 2019, principalmente por causa da ampliação do Salinas Maragogi e da inauguração do Japaratinga Lounge Resort. O faturamento total em 2019 também apresentou crescimento ante 2018 - de R$ 134 milhões para R$ 180 milhões.  

SOLIDARIEDADE


Em paralelo, a empresa diz que está executando um plano de ação de solidariedade, que inclui o apoio a diversas comunidades de Alagoas afetadas pela covid-19, com a distribuição de mais de 10 toneladas de alimentos a famílias e instituições dos municípios de Maragogi, Ipioca e Japaratinga, onde os resorts estão localizados.

>> ONG de Porto de Galinhas distribui 10 toneladas de alimentos para trabalhadores sem renda por causa do coronavírus

DIVULGAÇÃO
Grupo Amarante está distribuindo cestas básicas nas comunidades de Alagoas onde estão instalados seus três resorts - DIVULGAÇÃO


As cestas básicas incluem queijos, iogurtes, leite, cereais, itens não perecíveis, sucos, refrigerantes e carnes. Outros 600 kits com materiais de higiene e mais 600 com roupas de cama, mesa e banho foram doados a famílias em situação de maior vulnerabilidade.

 

REMARCAÇÃO

 

As reservas que foram contratadas para o período em que os hotéis estarão fechados, poderão ser canceladas ou reagendadas sem nenhum tipo de custo através do website dos resorts ou canais de atendimento, até 24h antes da data original de check-in. Para as reservas confirmadas através de operadoras de turismo, a sugestão é que o contato seja feito diretamente com as agências. As diárias poderão ser utilizadas em qualquer período de 2020 ou 2021, exceto os que contemplem pacotes de Natal, réveillon, o mês de janeiro e a semana de Carnaval.

 

PROTOCOLO DE RETOMADA

 

Em relação à retomada em setembro, o Grupo Amarante adianta que planeja a reabertura "de forma parcial e lenta, seguindo uma série de rigorosas normas e protocolos internos de caráter preventivo e em conformidade com as orientações das secretarias de Saúde do Estado e dos Municípios, do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS)".

FELIPE OLIVEIRA/DIVULGAÇÃO
Japaratinga Lounge, na Praia de Japaratinga, no norte de Alagoas - FELIPE OLIVEIRA/DIVULGAÇÃO


Entre as medidas do protocolo adotado pela empresa, estão a redução em 50% da quantidade de hóspedes; padrões ainda mais rígidos de higiene e limpeza; isolamento dos apartamentos por, no mínimo, 24h entre as hospedagens; proteção e monitoramento dos colaboradores contra a contaminação; reforço na estruturas de atendimento médico nos hotéis; aumento da distância entre mesas, cadeiras e pessoas; suspensão de serviços e ambientes que tenham alta concentração de público; criação de nova programação de lazer ao ar livre e o treinamento intensivo de toda a equipe.

>> Interior deve puxar retomada do turismo pós-coronavírus em Pernambuco

 

APOSTA NO REGIONAL

Até a pandemia, cerca de 80% do público dos resorts era de fora do Nordeste, especialmente do Sul e Sudeste do País. O grupo acredita, entretanto, que a redução da malha aérea é um fator que pode dificultar a retomada no fim do ano. "Entendemos que vai existir um espaço entre o público regional, que também vai priorizar viagens mais próximas", pondera o gerente de marketing, Pedro Carvalho, projetando uma tendência que é praticamente consenso no setor. 

LEIA MAIS CONTEÚDO DA COLUNA TURISMO DE VALOR

FELIPE OLIVEIRA/DIVULGAÇÃO
Japaratinga Lounge, na Praia de Japaratinga, no norte de Alagoas - FOTO:FELIPE OLIVEIRA/DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Praias do Nordeste lideram preferência dos viajantes - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Grupo Amarante está distribuindo cestas básicas nas comunidades de Alagoas onde estão instalados seus três resorts - FOTO:DIVULGAÇÃO

Comentários

Últimas notícias