EMPREGOS E CARREIRAS

Em meio à onda de desemprego, falta de qualificação impede Porto Digital de preencher vagas em Pernambuco

Apesar de ser a cidade que mais forma mão de obra da região, o Recife tem um realidade que não se difere do resto do país quando o assunto é falta de qualificação profissional

JC
JC
Publicado em 23/10/2020 às 16:42
Notícia
BERNARDO SOARES / ACERVO JC IMAGEM
Os profissionais com curso superior na área de tecnologia que concorreram aos postos apresentaram carências de formação para desempenhar as funções oferecidas - FOTO: BERNARDO SOARES / ACERVO JC IMAGEM
Leitura:

O Porto Digital, o mais relevante parque tecnológico urbano do Brasil, com mais de 330 empresas e faturamento de R$ 2,3 bilhões por ano, tem mais de mil vagas de emprego abertas, mas não consegue preenchê-las por absoluta falta de qualificação dos candidatos. Os profissionais com curso superior na área de tecnologia que concorreram aos postos apresentaram carências de formação para desempenhar as funções oferecidas. A tentativa infrutífera de conseguir profissionais qualificados é considera um alerta diante do atual momento do país e do mundo, quando a chamada “revolução digital” foi acelerada por causa da pandemia do novo coronavírus.

Os perfis mais procurados são programadores em início de carreira e engenheiros de software. Dados do censo do ensino superior 2019, divulgado pelo Ministério da Educação (MEC) nesta sexta-feira (23), apontam que 2.600 alunos entram todos os anos nas universidades públicas e privadas de Pernambuco nos cursos de ciência da computação, engenharia da computação e sistemas de informação, os três principais da área de tecnologia. Deste total, apenas 23,85%, isto é, 620 alunos, se formam anualmente.

Divulgação
Pierre Lucena é Presidente do Porto Digital desde novembro de 2018 e Professor da UFPE há 24 anos - Divulgação

Segundo o presidente do Porto Digital, Pierre Lucena, a área enfrenta um aumento de demanda significativa em termos de trabalho na área porque muitas empresas estão sendo contratadas justamente para fazer transformação digital em outras que não necessariamente são da área de tecnologia. E, por isso, ele destaca que o nível de exigência das empresas de tecnologia é bastante elevado. "Ou a gente resolve o problema educacional no Brasil ou a gente não vai se colocar no século 21 de maneira definitiva", diz.

Esta carência fez com que o estudante de Sistemas da Informação Anderson Adolfo, 21 anos, conseguisse emprego mesmo estando apenas no segundo semestre do curso. Desde o começo do mês o jovem trabalha na Inhalt, uma fábrica de software que trabalha com soluções de negócios e serviços especializados em desenvolvimento, suporte e manutenção de sistemas, sites, outsourcing e testes. “Está faltando gente para o setor, e os que há, muitas vezes, não têm qualificação. Então, esse é o momento de se preparar para disputar uma vaga em tecnologia”, afirma o jovem.

ACERVO PESSOAL
A carência por profissionais qualificados fez com que o estudante de Sistemas da Informação Anderson Adolfo, 21 anos, conseguisse emprego mesmo estando apenas no segundo semestre do curso - ACERVO PESSOAL

Segundo Pierre Lucena, pelo que sente em contato com as empresas do Porto Digital, normalmente falta o programador qualificado de início de carreira por existir uma demanda crescente. "A maioria é de programadores em início de carreira que vamos precisar encontrar ou formar", atesta. Outro perfil em falta é o de engenheiro de software sênior. "O cara que faz produção em alto nível de gerenciamento de grandes equipes para projetos de inovação. Esse cara, na verdade, está faltando no mundo todo", diz.

Apesar de ser a cidade que mais forma mão de obra da região — a cada 346 habitantes, um é aluno de curso de tecnologia — o Recife tem um realidade que não se difere do resto do país quando o assunto é falta de qualificação profissional. Por isso, o problema já entrou no radar dos postulantes à prefeitura da capital pernambucana. No mês passado, eles visitaram o polo de inovação, no bairro do Recife, área central da cidade, para ouvir as demandas da instituição, que apresentou uma proposta para o próximo gestor recifense criar um programa de bolsas para cursos de tecnologia.

Para Rodrigo Vasconcelos, presidente da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação em Pernambuco e na Paraíba (Assepro PE-PB), avalia que existe um problema complexo de formação dos profissionais. Segundo ele, a deficiência na formação acadêmica tem prejudicado bastante todo o setor e defende que o governo federal inclua na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) uma disciplina de tecnologia no ensino fundamental. “Esse assunto deveria ser ensinado desde o quarto ou quinto ano. Deveria estar presentes em todas as escolas e não apenas naquelas que têm programas de robótica, porque isso não é suficiente”, argumenta. “Não dá para focar nisso apenas quando chegar na faculdade. Precisamos preparar nossas crianças e adolescentes para uma demanda crescente desde agora”, completa.

CORTESIA
ASSESPRO Para Rodrigo Vasconcelos, faltam profissionais para área - CORTESIA

Vasconcelos, porém, ressalta que, enquanto a educação básica não incorpora essa pauta, as universidades precisam estar atentas e dispostas a investir nestes cursos. O presidente da Assepro cita o Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) como exemplo bem sucedido dessa prática. “A UFPE é uma das instituições que entrega os melhores profissionais. Isso, no entanto, é muito pouco, porque estamos brigando com empresas daqui, do Brasil todo e de fora também. Ou seja, é preciso expandir a qualificação para mais faculdades", alerta.

Para tentar suprir parte dessa necessidade o Porto Digital criou um programa de conversão para transformar profissionais da área de exatas que estão desempregados, como engenheiros, matemáticos e físicos, em programadores. Há também articulação com três universidades privadas para oferecer cursos de graduação de dois anos com uma grade pensada pelo conjunto das empresas de tecnologia. Apesar dos esforços, tanto Pierre quanto Rodrigo cobram uma ação mais enérgica do poder público para atender a demanda.

"Ou a gente faz um grande mutirão pela educação e pelo emprego ou a gente não vai apontar para o século 21. Não vai se colocar lá. O jogo da transformação digital está começando agora e ainda temos tempo para entrar nesse trem", declara Pierre. “O que não dá é para a gente deixar vagas ociosas em tempos de crescente desemprego”, completou.

GOVERNO

Procurada pelo JC, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI) disse que reconhece a necessidade de sua atuação e que já vem desenvolvendo programas para minimizar o problema, que, segundo o diretor de Ambientes de Inovação e Formação Superior da SECTI, Carmelo Filho, atinge não só o Recife, mas todo o mundo. “Estamos atentos a essa demanda e atuando para atender pelo menos grande parte dela. Mas vale ressaltar que esse não é uma problema apenas da cidade, mas de todos os lugares, sobretudo neste momento de pandemia”, afirma o diretor.

ACERVO PESSOAL
GOVERNO DE PERNAMBUCO Diretor de Formação Superior da SECTI, Carmelo Filho, diz que governo tem investido em soluções educacionais para a tecnologia - ACERVO PESSOAL

Carmelo disse ainda que a secretaria conseguiu destinar 60% das vagas do Programa Universidade Para Todos em Pernambuco (Proupe), que oferece bolsas a alunos das 13 regiões autarquias de Ensino Superior do Estado, a estudantes que queiram se dedicar a cursos da área de tecnologia. “É algo bem semelhante ao que o Porto Digital tem proposto aos candidatos à Prefeitura do Recife: nós pagamos para o aluno se qualificar e poder ajudar no desenvolvimento do nosso Estado”, pontua, ressaltando que a iniciativa acaba levando mais profissionalização para o interior de Pernambuco.

O diretor lembrou ainda que, em 2019, foram inaugurados no campus Garanhuns da Universidade de Pernambuco (UPE) os laboratórios de Práticas em Engenharia de Software e de Pesquisa de Software e Computação Aplicada. Os equipamentos, que receberam investimento de cerca de R$ 96 mil, são para atividades de alunos e professores do curso de Engenharia de Software e cruciais para a expansão do ambiente de inovação e a geração de tecnologia no Agreste Meridional. “Além disso, temos a residência tecnológica no Parqtel e na Sudene, em parceria com a UPE”, afirma Carmelo Filho, frisando que, diante do problema, as ações ainda são mínimas, porque enfrentam dificuldades de ordem financeira.

ACERVO PESSOAL
A carência por profissionais qualificados fez com que o estudante de Sistemas da Informação Anderson Adolfo, 21 anos, conseguisse emprego mesmo estando apenas no segundo semestre do curso - FOTO:ACERVO PESSOAL
CORTESIA
ASSESPRO Rodrigo Vasconcelos: TI desde o ensino fundamental - FOTO:CORTESIA
ACERVO PESSOAL
GOVERNO DE PERNAMBUCO Diretor de Formação Superior da SECTI, Carmelo Filho, diz que governo tem investido em soluções educacionais para a tecnologia - FOTO:ACERVO PESSOAL

Comentários

Últimas notícias