proibição

Governo de Pernambuco proíbe funcionamento de bares, restaurantes e ambulantes no Bairro do Recife e Sítio Histórico de Olinda no fim de semana do Carnaval

A decisão é para evitar o aumento do contágio pelo novo coronavírus durante o período que seria de Carnaval

Bruna Oliveira
Bruna Oliveira
Publicado em 10/02/2021 às 16:47
Notícia

Reprodução/Instagram
Anúncio foi feito por Paulo Câmara na tarde desta quarta-feira (10) - FOTO: Reprodução/Instagram
Leitura:

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, anunciou, nesta quarta-feira (10), que o funcionamento de bares, restaurantes e comércio ambulante no Bairro do Recife, Centro da capital e no Sítio Histórico de Olinda, na Região Metropolitana, está proibido entre a noite da sexta-feira (12) e a manhã da segunda (15). Objetivo é impedir aglomerações nessas duas principais áreas de concentração de foliões.

>> Com covid-19 em alta em Pernambuco, secretário adverte para possibilidade de aceleração da pandemia nos próximos dias

>> Governo de Pernambuco cria auxílio emergencial para artistas do ciclo carnavalesco

>> Abrasel critica fechamento de bares e restaurantes do Bairro do Recife e do Sítio Histórico de Olinda no Carnaval

"Para evitar aglomerações em duas áreas onde tradicionalmente concentram os maiores focos de Carnaval da Região Metropolitana, estamos proibindo o funcionamento de bares, restaurantes e comércio ambulante das 20h desta sexta-feira até as 6h da segunda-feira no Bairro do Recife e Sítio Histórico de Olinda", declarou Paulo Câmara em um vídeo.

 

Segundo o governador, os órgãos de fiscalização do Estado, em conjunto com as prefeituras das duas cidades, "irão observar o cumprimento do decreto e prevenir a concentração de pessoas nos dois locais".

>> Sem feriado no Carnaval, lojistas do Recife prometem promoções

>> Sem Carnaval, saiba o que está sendo feito em Pernambuco para ajudar quem trabalharia na festa

De acordo com o governo de Pernambuco, a medida foi tomada porque os números da pandemia continuam preocupantes no Estado. Nesta quarta, foram confirmados mais 1.531 casos de covid-19 em Pernambuco e 31 óbitos pela doença. Agora, o Estado totaliza 274.809 casos, desde o início da pandemia, em que, desses, 10.577 pessoas tiveram suas vidas perdidas.

O secretário estadual de Saúde, André Longo, informou, durante coletiva online nesta quarta-feira (10), que o governo de Pernambuco vai prorrogar o decreto que proíbe, em todo o Estado, a utilização de som de qualquer natureza, que gere aglomerações em bares, restaurantes e estabelecimentos similares, incluindo barracas de praia. "A medida anunciada tem o objetivo de evitar o aumento nos níveis de transmissão da Covid-19. Nosso apelo é para que todos sigam as orientações e evitem as aglomerações", ressaltou.

O secretário estadual de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, enfatizou que as lives programadas para esse período só poderão acontecer com, no máximo, 10 pessoas. "Tinha live planejada para 50 pessoas. Pelo formato e localização, evidentemente não se teria controle sob a área externa desses espaços", afirmou.

>> João Campos anuncia auxílio emergencial de Carnaval no Recife; veja quem tem direito

>> Prefeitura de Olinda anuncia auxílio emergencial para artistas, concurso para professores e obras

Fiscalização

De acordo com o governo do Estado, os órgãos estaduais de fiscalização irão observar o cumprimento do decreto e as forças de segurança estarão com reforço nas delegacias e policiamento ostensivo em todo o Estado. Os bares e restaurantes que desobedecerem o decreto, que será publicado nesta quinta-feira (11), estarão sujeitos à notificação do Procon e pagamento de multa. "A população pode colaborar com denúncias pelo telefone 190, do Centro Integrado de Operações de Defesa Social, que funcionará 24 horas por dia", disse o secretário estadual de Defesa Social, Antonio de Pádua.

Abrasel critica fechamento de bares e restaurantes no Carnaval

Para a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Pernambuco (Abrasel-PE), o anúncio do decreto é uma preocupação e encarada como mais um baque para o setor, que foi um dos mais afetados pela pandemia.

"Entendemos que a intenção é evitar aglomerações em pontos turísticos, mas precisamos externar que o decreto causará prejuízos aos estabelecimentos e lembramos que a imensa maioria deles vêm colaborando com os protocolos de segurança. Diante disto, pedimos fiscalização rigorosa contra aglomerações, inclusive festas clandestinas, para que os empresários não sejam penalizados em vão", disse, por meio de nota encaminhada à imprensa. 

A diretoria da Abrasel-PE lembra que o fechamento vale para os bares e restaurantes no Recife Antigo e no Sítio Histórico de Olinda, mas que nas demais localidades o funcionamento dos estabelecimentos seguirá normalmente, inclusive com o Festival Gastronômico “Eu tenho mais que tá nessa”, criado para estimular os negócios do setor, que serão afetados pela baixa circulação de pessoas.

O decreto também prevê que seja evitada a utilização de som em bares, restaurantes e estabelecimento similares. "Se recolher nesse momento será importante para que vocês e as pessoas que vocês amam possam, num futuro próximo, viver a alegria de outros carnavais", defende André Longo.  

Auxílio emergencial

Durante seu pronunciamento, o governador Paulo Câmara afirmou que o Estado irá investir R$ 3 milhões em um auxílio emergencial, que deverá beneficiar cerca de 450 artistas e agremiações vinculadas ao Carnaval de Pernambuco.

"Foi feito um envio de caráter de urgência de um projeto de lei para a Assembleia Legislativa estabelecendo um auxílio emergencial. Os valores irão variar de R$ 3 mil a R$ 15 mil, de acordo com o edital que irá regulamentar critérios e prazos", afirmou.

Ainda segundo o Paulo Câmara, o detalhamento do edital com os valores e prazos será feito e divulgado nos próximos dias pela Secretaria de Cultura do Estado.

Ladeiras de Olinda vazias

No último domingo (7) antes do Carnaval, o Sítio Histórico de Olinda não teve movimentação nos principais pontos da folia. Em finais de semana anteriores, o local chegou a registrar aglomerações e até mesmo ensaios de blocos carnavalescos, mas, nesse dia, a reportagem do JC não encontrou desrespeito às regras sanitárias nesse sentido. 

Logo na entrada do Sítio Histórico, próximo à Praça do Carmo, uma viatura da Guarda Municipal fiscalizava a movimentação. Por lá, onde normalmente é montado um palco para apresentações de dezenas de atrações musicais, poucas pessoas circulavam no fim da tarde deste domingo. Mais adiante, na Praça João Alfredo, por onde costumavam passar vários blocos, a única movimentação era em um bar localizado nas imediações.

TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
TVJC
TRADIÇÃO Sem pandemia, domingo de prévia seria de agitação e frevo - TVJC
TVJC
Praça do Carmo, em Olinda, estava pouco movimentada - TVJC
TVJC
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - TVJC
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Movimentação em Olinda no domingo (7) Uma semana antes do carnaval - FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
TVJC
Movimentação foi pequena nos pontos da folia em Olinda - TVJC
TVJC
Alguns dos principais pontos da folia estavam com pouca movimentação neste domingo - TVJC
TVJC
Ladeiras que a esta altura estariam movimentadas, estavam vazias - TVJC

 

Perto dali, nos Quatro Cantos, um pouco mais de movimentação. Os bares localizados em um dos principais focos do Carnaval, por onde passam blocos tradicionais como a Pitombeira e diversas troças durante o período momesco, estavam funcionando, com mesas instaladas nas calçadas e pessoas sentadas comendo e bebendo. Muitas estavam sem máscara.

Na Praça Laura Nigro, próxima à sede do bloco Eu Acho é Pouco, que reúne uma multidão de apaixonados por Carnaval mesmo nas prévias, apenas algumas crianças brincavam, sob a supervisão de adultos. Todos usavam máscaras no momento em que a reportagem passou pelo local. O mercado da Ribeira, a sede da prefeitura e o Mosteiro de São Bento, que costumam ficar lotados nesta época do ano também estavam vazios. Nesse ponto da cidade, a reportagem encontrou policiamento fazendo ronda.

Na subida para o Alto da Sé, movimento tranquilo também no Largo do Amparo, outro ponto tradicional da festa, localizado próximo à sede do Homem da Meia Noite. É lá no Alto que estava a maior movimentação registrada pela reportagem neste domingo. Turistas e olindenses enchiam barracas e se aglomeravam para tirar fotos, a maioria sem máscaras. No local, um posto de polícia fiscalizava a população

Cancelamento do Carnaval 2021

Pernambuco teve o Carnaval 2021 oficialmente cancelado no dia 17 de dezembro de 2020 em decorrência da pandemia da covid-19. Na ocasião, André Longo ressaltou a importância do período festivo, mas afirmou não ter como ser realizada. "No atual contexto, não há condição de um evento desse porte, que mobiliza multidões, por vezes milhões de pessoas", afirmou na época.

No momento, ele também ressaltou que não só o carnaval de rua seria suspenso, mas também as prévias, públicas ou privadas, e as famosas festas pagas que ocorrem durante os dias de momo.


 

Comentários

Últimas notícias