EXPLICAÇÃO

Técnico do Santa Cruz se desculpa por jogar futebol com garotos na rua em meio à pandemia

Itamar Schulle confessa que não viu maldade e diz que não levou risco aos garotos, já que tinha testado negativo para a covid-19

JC
JC
Publicado em 28/06/2020 às 19:59
Notícia
reprodução da internet
Na semana passada, o vídeo de Itamar Schulle batendo pelada com garotos no meio da rua viralizou - FOTO: reprodução da internet
Leitura:

Uma cena inocente, mas que em meio à pandemia do novo coronavírus, acabou não repercutindo muito bem nas redes sociais. Após comandar um dos treinos do elenco do Santa Cruz no CT Ninho das Cobras, o técnico Itamar Schulle e membros da comissão técnica tricolor retornavam para o hotel onde parte do plantel fica hospedado lá mesmo em Aldeia, quando um grupo de garotos pararam o carro que o treinador estava e o chamou para 'bater uma pelada' no meio da rua. O comandante coral atendeu ao pedido da garotada e a partida de 'barrinha' acabou viralizando nas redes sociais. Mesmo descumprindo o protocolo do Governo do Estado, de estar jogando futebol na rua, Schulle garantiu que não causou nenhum risco aos garotos.

"Posso até ter errado, mas vê bem: eu fiz o teste e não tenho o vírus. Quando terminou o trabalho (no Centro de Treinamento), eu estava indo para o hotel e antes de sairmos passamos álcool nas mãos, tomamos todos os cuidados e, quando passei por uma rua, quatro crianças nos chamaram para jogar, no paralelepípedo, ao ar livre. Com tanta maldade no mundo, tanta coisa ruim acontecendo, não vi maldade parar. Eu sei que não transmiti o vírus pra ninguém porque não tenho. Eu queria dar alegria pra mim, em primeiro lugar, pois aquilo relembrava a minha infância, e também para aqueles meninos, que vi que ficaram felizes e contentes. Com o mundo cheio de tanta maldade, não vi isso naquele momento. Peço perdão a quem levou para o lado contrário, de irresponsabilidade", declarou o técnico Itamar Schulle.

Ainda de acordo com o comandante coral, a cena dos garotos pedindo para jogar com eles o emocionou e que em nenhum momento quis colocá-los em risco. "Eu me cuido e, naquele momento, vendo aquelas crianças descalças, pedindo para jogar futebol, eu fiquei emocionado. Desci do carro e, na sequência, vieram os membros da comissão. Brincamos por 20, 30 minutos e fomos embora. Posso ter errado e peço desculpas. Mas naquele momento eu queria me ver feliz um pouco e levar essa felicidade para os meninos, por isso tomei essa decisão. É a minha maneira de ser. Não foi minha intenção ofender ninguém. Peço desculpas", concluiu Itamar.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias