INVESTIGAÇÃO

Em carta aberta, família de dentista morta pede a ex-companheiro dela que ajude a polícia

Emelly Nayane da Silva Ribeiro, 24 anos, morreu na última segunda-feira (22), em Paulista, no Grande Recife

JC
JC
Publicado em 26/02/2021 às 23:38
Notícia

DAY SANTOS/JC IMAGEM
Pais da dentista falaram com a imprensa nesta sexta-feira (26) - FOTO: DAY SANTOS/JC IMAGEM
Leitura:

Com informações de Mônica Ermírio, da TV Jornal

A família da dentista Emelly Nayane da Silva Ribeiro, que morreu na última segunda-feira (22), aos 24 anos, em Paulista, no Grande Recife, reuniu a imprensa para divulgar uma carta aberta ao ex-companheiro dela. Emocionado, o pai da jovem, Ely dos Santos Ribeiro, leu o texto, nesta sexta-feira (26), pedindo ao homem que ajude a polícia a entender o que aconteceu.

"Você e Emelly sozinhos no apartamento. Seu celular e o dela não recebiam chamadas a tarde toda e, no final, só a minha filha aparece sem vida no hospital. O que aconteceu? Por que você não ligou? Por que você não ficou no hospital para esclarecer?", indagou o pai da dentista.

>> 'Ele queria recomeçar e, como ela não aceitou, ele matou minha filha', diz mãe de dentista morta; família suspeita de ex-marido. Polícia não confirma homicídio

A família acredita que o ex-companheiro matou Emelly. A Polícia Civil, até o momento, classifica o caso como "morte a esclarecer".  A mãe da dentista, Josymeri Bento, contou à imprensa que o ex-marido de Emelly, um comerciante de 24 anos, não aceitava o fim do relacionamento. "Ele queria recomeçar e, como ela não aceitou, ele matou minha filha", declarou. "Minha filha era linda, ele interrompeu [a vida dela]. Ela queria estudar, trabalhar e criar o filho dela. Eu quero que o juiz tome providência, porque eu moro no Brasil e quero Justiça", desabafou. O casal tinha um filho de 2 anos.

O último contato entre mãe e filha foi no último domingo (21), quando a dentista saiu para a casa do ex-marido, em Maria Farinha, porque ele estaria doente. Josymeri contou que recebeu a informação de que a filha e o suspeito teriam se desentendido. Ela, então, ficou preocupada, mas só conseguiu descobrir notícias sobre Emelly às 18h do dia seguinte. Logo depois, soube do falecimento.

Segundo familiares, Emelly foi levada pelo ex-sogro na segunda-feira (22) até um hospital de Paulista, na Região Metropolitana do Recife (RMR), mas já chegou sem vida à unidade de saúde. Os médicos desconfiaram do estado da vítima, que estava com marcas no pescoço. Por isso, acionaram a Polícia Militar, e o corpo foi levado para o Instituto de Medicina Legal (IML).

O laudo do IML apontou que a causa da morte da dentista teria sido asfixia por esganadura, Com isso, a Polícia Civil solicitou exames complementares para que, assim a causa real da morte de Emelly fosse esclarecida.

"A nossa expectativa é de que saia o resultado desses exames. O delegado pediu celeridade, tendo em vista que foi um caso muito complexo, e a gente acredita que saia antes do prazo legal, que seria um prazo de dez dias", falou o advogado da família, Ewerton Tauan.

Investigação

O caso está sendo investigado pelo delegado Augusto Cunha. Em nota divulgada nessa quarta-feira (24), a Polícia Civil informou que "após os resultados das perícias, que já estão sendo feitas e concluídas, e ao término das ouvidas de testemunhas relacionadas, será definida a causa jurídica da morte". 

A polícia também pediu que quem tiver qualquer informação sobre o caso, que possa ajudar nas investigações, procure a delegacia.

Leia a nota da Polícia Civil

A Polícia Civil está investigando uma morte a esclarecer ocorrida na noite da segunda-feira (22), num hospital de Paulista. A vítima era uma mulher de 24 anos de idade. Após os resultados das perícias, que já estão sendo feitas e concluídas, e ao término das ouvidas de testemunhas relacionadas, será definida a causa jurídica da morte. As investigações seguirão até a completa elucidação do ocorrido e solicitamos a ajuda da sociedade a fim de chegarmos a uma conclusão. Quem tiver qualquer informação relevante sobre o caso, que possa ajudar nas investigações, deve procurar a 7ª DPHMN.

 

Comentários

Últimas notícias