INSTRUMENTOS

Prefeitura do Recife divulga escolas que receberão os 7 mil instrumentos comprados por R$ 10,8 milhões

Simpere critica gasto milionário com instrumentos musicais, diante de um cenário de pandemia da covid-19

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 14/07/2021 às 20:22
Notícia
YACY RIBEIRO/ JC IMAGEM
Prefeitura do Recife ratificou "a lisura do processo de aquisição de sete mil instrumentos musicais para a Rede Municipal de Ensino do Recife" - FOTO: YACY RIBEIRO/ JC IMAGEM
Leitura:

 A Secretaria de Educação do Recife divulgou ao JC a lista das 36 escolas que receberão parte dos sete mil instrumentos musicais profissionais e as sete mil estantes de partituras, que custaram R$ 10,8 milhões aos cofres públicos. De acordo com a pasta, os instrumentos e equipamentos servirão para a ampliação das atuais 12 bandas marciais para 42 grupos. “Além de oficinas de musicalização nas 36 escolas de Anos Finais da rede, com benefício direto para 12.079 estudantes do 6º ao 9º anos, além de 6.558 alunos da EJA”.

Inicialmente, o projeto de musicalização terá como ponto de partida os Anos Finais mas, também será implementado gradativamente para os Anos Inicias da rede pública municipal, segundo explicação da Secretaria de Educação ao justificar o volume da compra.  

A equipe de reportagem da TV Jornal esteve no almoxarifado, localizado no bairro de Afogados, onde estariam guardados os instrumentos e equipamentos, mas não teve autorização para fazer imagens. Sobre o fato de o contrato, feito sem licitação, ter sido firmado com a empresa Brink Mobil Equipamentos Educacionais Ltda, investigada por vários órgãos federais, a pasta “ratifica a lisura do processo de aquisição”.

>>Empresa que vendeu instrumentos musicais para escolas do Recife é investigada pela PF por irregularidades

>> MPPE instaura inquérito civil para investigar a compra de luvas hospitalares pela Prefeitura do Recife na pandemia

“Inspirada por Paulo Freire, no ano de seu centenário, quando da retomada das aulas presenciais a rede visa ampliar a utilização da arte e cultura enquanto ferramentas de inclusão e desenvolvimento de habilidades, sobretudo para os alunos da modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA), sujeitos indissociáveis da obra freiriana”, frisou.

“Além de servirem de inspiração, a arte e a música como atividades complementares visam estimular o corpo estudantil, fazendo dos espaços pedagógicos lugares atrativos e afetivos, ajudando a evitar a evasão escolar, bem como auxiliam no desenvolvimento de habilidades sociais”, complementou a Secretaria de Educação do Recife.

CRÍTICA

A coordenadora geral do Sindicato Municipal dos Professores do Recife (Simpere), Claudia Ribeiro, fez duras críticas sobre a compra de R$ 10,8 milhões efetuada no período de transição entre os governos do ex-prefeito Geraldo Julio e do prefeito João Campos. Para a dirigente, a aquisição dos instrumentos, diante do cenário de pandemia, é “imoral e inaceitável”.

“A música como disciplina obrigatória nas escolas municipais do Recife, sempre foi uma pauta de reivindicação dos professores e professoras, assim como da comunidade escolar. Não só pela necessidade das artes, como currículo, mas também a música como disciplina obrigatória é uma lei que a prefeitura nunca cumpriu. Pelo contrário, há mais de 20 anos não há concurso para contratação de professores e professoras dessa modalidade”, declara Claudia.

“É um gasto com o dinheiro público, que neste momento não se faz necessário”, complementa. A coordenadora do Simpere também cita a Escola João Pernambucano, localizada no bairro da Várzea, que reúne as quatro linguagens das artes e, segundo professores e professoras da unidade, encontra-se sucateada - situação já denunciada por diversas vezes ao Executivo municipal.

Veja quais escolas vão receber parte dos instrumentos adquiridos pela Prefeitura do Recife:

1. Escola Municipal André de Melo

2. Escola Municipal Antônio Farias Filho

3. Escola Municipal Heráclito do Rego

4-. Escola Municipal Arquiteto Alexandre Muniz

5. Escola Municipal Arraial Novo do Bom Jesus

6. Escola Municipal da Iputinga

7. Escola Municipal de Tejipió

8. Escola Municipal Divino Espírito Santo

9. Escola Municipal Dom Bosco

10. Escola Municipal Doutor Rodolfo Aureliano

11. Escola Municipal Hugo Gerdau

12. Escola Municipal João XXIII

13. Escola Municipal Karla Patrícia

14. Escola Municipal Luiz Vaz de Camões

15. Escola Municipal Maria de Sampaio Lucena

16. Escola Municipal Mario Melo

17. Escola Municipal Nadir Colaço

18. Escola Municipal Octávio de Meira Lins

19. Escola Municipal Olindina Monteiro de Oliveira França

20. Escola Municipal Oswaldo Lima Filho

21. Escola Municipal Padre Antônio Henrique

22. Escola Municipal Paulo VI

23. Escola Municipal Pedro Augusto

24. Escola Municipal Poeta Joaquim Cardozo

25. Escola Municipal Poeta Jonatas Braga

26. Escola Municipal Professor Aderbal Galvão

27. Escola Municipal Professor Antônio Brito Alves

28. Escola Municipal Professor Florestan Fernandes

29. Escola Municipal Professor José da Costa Porto

30. Escola Municipal Professor Nilo Pereira

31. Escola Municipal Professora Almerinda Umbelino de Barros

32. Escola Municipal Reitor João Alfredo

33. Escola Municipal São Cristóvão

34. Escola Municipal Sociólogo Gilberto Freyre

35. Escola Municipal Vila Sésamo

36. Escola Municipal Cícero Franklin Cordeiro

 

Confira a nota na íntegra da Secretaria de Educação do Recife:

"A Secretaria de Educação do Recife ratifica a lisura do processo de aquisição de sete mil instrumentos musicais para a Rede Municipal de Ensino do Recife. Inspirada por Paulo Freire, no ano de seu centenário, quando da retomada das aulas presenciais a rede visa ampliar a utilização da arte e cultura enquanto ferramentas de inclusão e desenvolvimento de habilidades, sobretudo para os alunos da modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA), sujeitos indissociáveis da obra freiriana.

Além de servirem de inspiração, a arte e a música como atividades complementares visam estimular o corpo estudantil, fazendo dos espaços pedagógicos lugares atrativos e afetivos, ajudando a evitar a evasão escolar, bem como auxiliam no desenvolvimento de habilidades sociais. Os instrumentos servirão à ampliação das atuais 12 bandas para 42 grupos, além de oficinas de musicalização nas 36 escolas de Anos Finais da rede, com benefício direto para 12.079 estudantes do 6º ao 9º anos, além de 6.558 alunos da EJA."

 

 

 

Comentários

Últimas notícias