LGBTQI+

"Traz nojo": vereador critica uso de banheiro por pessoas trans

O parlamentar evangélico disse ser contra o requerimento proposto pelos vereadores Dani Portela e Ivan Moraes, que concede voto de aplauso a OAB-PE, por autorizar o uso do banheiro conforme a identidade de gênero

JC
JC
Publicado em 26/10/2021 às 19:09
REPRODUÇÃO/CÂMARA MUNICIPAL DO RECIFE
O vereador Júnior Tércio votou contra requerimento que concedia voto de aplauso a OAB-PE - FOTO: REPRODUÇÃO/CÂMARA MUNICIPAL DO RECIFE
Leitura:

Durante a votação do requerimento nº 10384/2021, que concede voto de aplauso em favor da Ordem dos Advogados do Brasil - seccional de Pernambuco (OAB-PE), por disponibilizar placas que atendem o público transgênero nos banheiros da sede da instituição, o vereador Júnior Tércio (Podemos) declarou ter “nojo” da iniciativa. Ainda segundo o parlamentar, essa seria uma questão “antinatural”. A discussão ocorreu na sessão remota desta terça-feira (26), na Câmara Municipal do Recife

“Gostaria de externar o meu descontentamento e tratar essa situação como algo horrível, algo que traz nojo. A palavra é essa, nojo, porque isso é antinatural. Não estou falando aqui porque sou pastor, porque sou evangélico, estou falando aqui como pai”, declarou Tércio, explicando que não gostaria que suas filhas usassem o mesmo banheiro que uma mulher trans. “Onde isso cabe na cabeça de um homem normal, um homem são?”, questionou. Em seguida ele parabenizou o grupo de 29 advogados que contestaram a medida da OAB-PE e apresentaram um requerimento para a retirada das sinalizações nos 10 banheiros da sede.

"Isso é uma vergonha, um homem de bem não pode apoiar um negócio desse. Eu deixo aqui meu repúdio, e vocês aí que apoiam, as mulheres que ficam com essa fala histérica aí, vocês vão consultar as mulheres e pergunte o que elas acham disso, de dividir o banheiro com um ‘galalau’”, disparou.

As falas de Júnior Tércio causaram a reação de alguns vereadores, sendo classificadas como um discurso transfóbico e vergonhoso. Para a vereadora Liana Cirne (PT), a iniciativa da entidade jurídica, se trata de respeito “às pessoas tanto cis quanto trans”. “É uma vergonha que a gente precise ouvir tantas afirmações transfóbicas e que se refiram a mulheres trans como ‘galalau’. É uma vergonha que a gente, numa casa legislativa, que representa o povo do Recife, se refira a outras pessoas com tamanho desrespeito e desconsideração”, rebateu a parlamentar, acrescentando que discursos dessa natureza só estimulam o aumento de práticas LGBTfóbicas.

Liana também relembrou alguns crimes recentes ocorridos na capital pernambucana, mulheres trans. “Sabe por que esse adolescente ateou fogo? Porque ele foi ensinado que mulheres trans não devem ser respeitadas. E ele foi ensinado com discursos LGBTfóbicos, como este que acabei de ouvir agora”, declarou a vereadora, se referindo ao caso de Roberta da Silva, de 33 anos, que teve 40% do corpo queimado por um adolescente, no Centro do Recife.

Autora do requerimento, a vereadora Dani Portela, destacou que não está em discussão colocar ou não uma placa que respeite a identidade de gênero das pessoas que utilizam o banheiro da OAB-PE, porque essa medida já existe, mas que o voto de aplauso foi apresentado por entenderem que a instituição está dando um passo positivo para a questão da diversidade de gênero, como tema central para reduzir as desigualdades.

"O artigo 5º da Constituição preconiza que todos são iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza, garantindo aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do seu direito à vida, liberdade, igualdade, segurança e propriedade. Há vários tratados internacionais que preconizam esse direito. Tratados de direitos humanos que o nosso País é signatário”, afirmou. Também se manifestaram a favor do requerimento e rebateram as críticas feitas por Junior Tercio, os vereadores Ivan Moraes, Osmar Ricardo (PT), Rinaldo Junior (PSB) e Cida Pedrosa (PcdoB).

 

Comentários

Últimas notícias