entrevista

Com interiorização dos casos e população descrente, pandemia do coronavírus pode ir até o fim do ano, diz cientista da UFPE

Especialista fala sobre previsões, interiorização da doença, pouco engajamento da população e necessidade de confiar nas autoridades sanitárias

JC
JC
Publicado em 22/05/2020 às 10:49
Notícia
JAILTON JR./JC IMAGEM
Movimentação no Grande Recife - FOTO: JAILTON JR./JC IMAGEM
Leitura:

atualizada às 14h02

Em meio a previsões e números voláteis, o cientista do Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami (LIKA) e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Jones Albuquerque trouxe algumas explicações sobre o tema. Durante entrevista concedida à Rádio Jornal, no programa Passando a Limpo, ele fez observações e sugestões sobre a pandemia do coronavírus e a situação que o País se encontra agora.

» Sobe para 4.371 número de profissionais de saúde infectados pelo coronavírus em Pernambuco

Para o professor, as previsões oscilam muito e isso não é uma incompetência brasileira, mas uma dificuldade de todos porque ainda não se sabe muito sobre a doença. “A previsão também depende da população e a população não está ficando em casa”, afirma. “A curva do vírus está sendo postergada. Se a gente não tomar providência, ela vai ser postergada até o fim do ano”, reforça Jones Albuquerque.

>> Das cinco cidades no topo de isolamento social em Pernambuco, apenas duas estão em lockdown; veja ranking

>> Em lockdown, centro de São Lourenço da Mata amanhece movimentado apesar de fiscalização e pontos de bloqueio

>> Lockdown: Salgueiro, no Sertão, proíbe a circulação de pessoas e veículos

>> Esforço em cidades com lockdown no Grande Recife aumentou de 49,7% para 52,8% o isolamento em dias úteis

>> 'Temos que comparar segunda com segunda', diz secretário de Defesa Social sobre redução no índice de isolamento social

>> Paulo Câmara avalia como positivos os primeiros dias de lockdown em Pernambuco

Sobre a interiorização dos casos, ele afirma que “as áreas mais críticas e mais afetadas serão todo o interior do Nordeste, Sul e Sudeste, além do Mato Grosso. Essa regiões vão sofrer com a onda que começou no litoral brasileiro”. Ele acredita também que há falhas na contagem do isolamento social. “Os índices de medição da mobilidade urbana não funcionam tão bem, podem conter erros e dependem do celular, por isso, prejudicam a medição real”. De acordo com os dados oficiais da empresa In Loco, na última quarta-feira (20), Pernambuco teve a segunda maior taxa de isolamento no Brasil, chegando a 48,90%. Nessa quinta-feira (21), o ranking mostrou que 47,6% da população pernambucana estava em casa. 

>> Veja imagens do primeiro dia útil do lockdown em Pernambuco

>> Primeiro dia útil de lockdown no Grande Recife tem engarrafamento em ponto de bloqueio

>> No primeiro dia de lockdown, Pernambuco atinge maior índice de isolamento social do País, diz governo

>> No primeiro dia de lockdown, periferias permanecem cheias e sem fiscalização

>> Pernambuco endurece isolamento contra coronavírus em cinco municípios; veja locais e novas regras

População descrente

Uma das maiores preocupações do cientista é com a assimilação da população da pandemia como um problema de saúde pública para todos. “Tudo indica que boa parte da população não está tomando nenhuma medida de isolamento, por isso, eu não estou animado com o futuro”, diz. Jonas Albuquerque também compara que as situações para esse distanciamento são diferentes de acordo com os bairros e classe social. “Se você tem uma casa maior, é muito mais confortável ficar trancado em casa de 100 a 150 metros quadrados. Agora você ficar confinado em uma casa de 20 ou 30 metros quadrados é muito mais difícil", analisa.

O cientista alia isso ao fato de haver pessoas que “simplesmente não estão acreditando nisso”. Ele relata situações em que viu pessoas devolvendo máscaras disponibilizadas por agente públicos e se recusando a usar. “É isso que está levando aos óbitos no País”, reforça. Ainda, exemplifica o problema: “Isso é igual a uma compra no cartão de crédito, ela acumula na fatura mas a gente só paga depois. O que a gente faz hoje na pandemia vai ser pago daqui a três semanas."

Medidas e confiança nas autoridades

Uma sugestão também oferecida pelo professor e cientista é de adotar métodos não convencionais, “já que os convencionais adotados pelos Estados e municípios não estão funcionando tão bem”. Desde o líder comunitário ou religioso, até o entregador de gás e gari, para ele, precisa ser um agente de distanciamento social e dar o exemplo. Na Índia, a população pintou com cal e giz o chão para reforçar o isolamento. Até usaram cabo de vassoura como métrica. Isso não foi o governo”, conta.

Questionado sobre ditaduras lidarem melhor com a pandemia do que a democracia, referente a uma pesquisa recente sobre o assunto, ele diz que a conclusão faz sentido. Segundo o cientista, nos regimes democráticos são os indivíduos que escolhem “pro bem ou pro mal” suas ações, mas na ditadura os cidadãos precisam seguir a ordem imposta de forma categórica.

“Seguramente, quando amigos e familiares nos orientam a não fazer algo que faz mal para nossa saúde, é mais fácil ouvir o médico quando ele afirma que se a pessoa não parar de fumar, ela vai morrer. A gente precisa nesse momento dessa autoridade", afirma. Entretanto, não defende ditaduras. O mais importante nessa discussão, para ele, é dar ouvido à autoridades de saúde. “Em uma cirurgia, você vai confiar em seu parente ou no médico? Ou a gente acredita nos nossos autores médicos ou as coisas pioram. Está faltando, no Brasil, acreditar nas autoridades médicas e sanitárias”, conclui.

Ranking:

As 10 cidades com maior índice de isolamento social*

  1. Alagoinha 56,5%
  2. Recife 52,4%
  3. Poção 51,9%
  4. Olinda 51,8%
  5. Salgadinho 51,4%
  6. Granito 51,4%
  7. Brejinho 51,3%
  8. Ilha de Itamaracá 51,2%
  9. Camaragibe 50,2%
  10. Casinhas 49,8%

As 10 locais com pior índice de isolamento social*

  1. Itacuruba 30%
  2. Tuparetama 31,3%
  3. Cachoeirinha 32,6%
  4. Solidão 33,3%
  5. Santa Cruz da Baixa Verde 34,7%
  6. Paranatama 35,2%
  7. Fernando de Noronha 35,4%
  8. Ingazeira 35,9%
  9. Lajedo 36,6%
  10. Machados 36,7%

*O Painel Índice de Isolamento Social é divulgado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e medido através da geolocalização de smartphones, tecnologia usada pela empresa In Loco. 

Assine a nova newsletter do JC e fique bem informado sobre o coronavírus

Todos os dias, de domingo a domingo, sempre às 20h, o Jornal do Commercio divulga uma nova newsletter diretamente para o seu email sobre os assuntos mais atualizados do coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo. E como faço para receber? É simples. Os interessados podem assinar esta e outras newsletters através do link jc.com.br/newsletter ou no box localizado no final das matérias.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias