MOBILIDADE

Recife ostenta recorde nacional de espera por ônibus e metrô nos pontos e estações

Levando em conta o tempo médio de deslocamento, a capital pernambucana tem o segundo maior do Brasil e o sétimo do mundo

Amanda Azevedo
Amanda Azevedo
Publicado em 15/01/2020 às 22:56
Notícia
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
FOTO: Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Leitura:

No Brasil, os passageiros de metrô e ônibus do Recife são os que passam mais tempo esperando pelo transporte público. De acordo com uma pesquisa do aplicativo de mobilidade urbana Moovit, que analisou milhões de viagens realizadas em 2019 por seus usuários em 99 cidades de diversos países, o tempo médio de espera na capital pernambucana é de 24,88 minutos. No ranking mundial, o Recife fica em segundo lugar, atrás da cidade mexicana de Aguascalientes, que tem um tempo médio de espera de 25,62 minutos.

O Recife também aparece como a segunda cidade no País e a sétima no mundo com o maior tempo médio gasto em deslocamento, que inclui caminhadas, espera e tempo de deslocamento.

No País, o Moovit também analisou dados de usuários de realizado em Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Além do Brasil, participaram da pesquisa Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, França, Alemanha, Grécia, Indonésia, Israel, Itália, Malásia, México, Peru, Portugal, Cingapura, Espanha, Tailândia, Turquia, Estados Unidos, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Uruguai.

Tempo médio de espera em minutos no Brasil 

Se um deslocamento inclui baldeações, o tempo de espera em diferentes paradas/estações também é computado.

Recife - 24,88
Brasília - 23,48
Salvador - 22,93
Fortaleza - 19,91
Campinas - 19,8
Belo Horizonte - 18,81
Rio de Janeiro - 17
Porto Alegre - 16,84
São Paulo - 15,65
Curitiba - 13,19

Tempo médio de espera em minutos no mundo

Aguascalientes (México) - 25,62
Recife - 24,88
Palermo (Itália) - 24,19
Brasília - 23,48
Salvador - 22,93
Nápoles (Itália) - 22,53
Cali (Colômbia)- 22,46
Bogotá (Colômbia)- 21,04
Bangkok (Tailândia)- 20,31
Querétaro (México) - 20,03

Tempo médio de deslocamento em minutos no Brasil

Rio de Janeiro - 67
Recife - 62
São Paulo - 62
Brasília - 61
Belo Horizonte - 59
Salvador - 55
Curitiba - 54
Fortaleza - 53
Campinas - 51
Porto Alegre - 46

Tempo médio de deslocamento em minutos no mundo

Istambul (Turquia)- 72
Cidade do México - 69
Rio de Janeiro - 67
Bogotá (Colômbia) - 67
Jakarta (Indonésia) - 65
Bangkok (Tailândia) - 63
Recife - 62
São Paulo - 62
Lima (Peru) - 62
Santiago (Chile) - 62

Governo descarta percentual proposto pela Urbana-PE

Se depender dos empresários, a passagem de ônibus da Região Metropolitana do Recife aumentará 14,13%, com o Anel A – utilizado por mais de 80% dos passageiros – passando de R$ 3,45 para R$ 3,90. No entanto, o governo de Pernambuco – gestor do sistema de transporte da RMR – já puxou o freio nas intenções do setor. Em nota, o Estado afirma não aceitar a proposta apresentada pelos empresários, definindo-a como “inaceitável”.

Se a tarifa fosse reajustada para R$ 3,90 (Anel A), o Recife seria a 15ª capital brasileira com maior valor de passagem.  Atualmente, cobrando R$ 3,45 pelo Anel A, a cidade é a segunda com a tarifa mais barata no País, perdendo apenas para São Luiz (MA), onde o bilhete custa R$ 3,40. A primeira posição do ranking, levantado pela reportagem do JC, é ocupada por Porto Alegre (RS), onde o valor da passagem é R$ 4,70. Curitiba (PR) e Belo Horizonte (MG) vêm em seguida, com o bilhete custando R$ 4,50. Na quarta colocação está São Paulo, que já teve a passagem reajustada em 2020, para R$ 4,40. É importante lembrar que, na maioria das capitais comparadas, os reajustes ocorreram ainda no ano de 2019 ou anteriormente.

No Nordeste, quem ocupa o topo da lista com passagens mais caras são os municípios de Salvador (BA), Aracaju (SE) e Natal (RN), que atualmente têm bilhetes custando R$ 4,00. Logo em seguida vem a cidade de João Pessoa (PB), com R$ 3,95. Em Teresina (PI), a tarifa de ônibus custa R$ 3,85, seguida de Maceió (AL), com R$ 3,65, e de Fortaleza (CE), com R$ 3,60. Só então vem o Recife (PE), que ocupa a penúltima colocação na lista do Nordeste, sendo cobrado R$ 3,45 pelo Anel A. Por último, São Luiz (MA), com R$ 3,40.

Problemas no metrô e aumento da tarifa

O penúltimo aumento escalonado na passagem do metrô do Recife aconteceu no último domingo (5). Com a tarifa custando R$ 3,40 desde o dia 3 de novembro, os usuários têm que desembolsar R$ 3,70 para acessar as plataformas. O último reajuste ocorrerá no dia 7 de março deste ano, quando o bilhete terá o valor de R$ 4,00. Os sucessivos aumentos acontecem desde maio de 2019.

Enquanto a passagem aumenta, os usuários do metrô do Recife lidam diariamente com interrupções no sistema. A manhã desta quarta-feira (15) foi de transtorno para os cerca de 400 mil passageiros que utilizam os dois ramais do metrô do Recife. Isso porque um problema nos fios na altura da estação Joana Bezerra, no Centro do Recife, do sistema fez com que a circulação de trens parasse completamente nas linhas Centro e Sul. O sistema voltou totalmente ao normal no início da tarde.

Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
A estação Joana Bezerra operou parcialmente, já que a linha Centro estava sem funcionar - Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Os passageiros encontraram as estações fechadas na manhã desta quarta - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
No TI Jaboatão, os passageiros tiveram que recorrer aos ônibus e as filas ficaram longas - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Um problema na rede aérea afetou o funcionamento das linhas Centro e Sul - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Por volta das 6h, as estações da Linha Sul foram reabertas - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
O problema teve início na estação Joana Bezerra do metrô do Recife - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Os TIs ficaram lotados devido ao não funcionamento do metrô - Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
As estações do metrô do Recife amanheceram fechadas - Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Na estação Barro, muitos passageiros deram de cara com os portões - Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem

No dia 19 de dezembro, por exemplo, uma falha da rede área afetou o funcionamento do Ramal Jaboatão da linha Centro. O problema fez com que as estações Cavaleiro, Floriano, Engenho Velho e Jaboatão fossem fechadas por um tempo. No dia 16 de dezembro, um problema em um trem entre as estações Recife e Joana Bezerra atrasou as viagens da linha Sul, afetando, além das duas estações, a Largo da Paz e a Imbiribeira.

Também no mês passado, um vídeo mostrando quatro crianças do sexo masculino penduradas na dianteira de um metrô circulou nas redes sociais. Na gravação, feita no dia 17 de dezembro, o trem entra em movimento com os meninos ainda se segurando nas ferragens. À época, a CBTU informou que os meninos já haviam sido encaminhados para o Conselho Tutelar em outra situação. A Companhia ainda relatou que as crianças não possuem documentos e que não foi possível identificar os responsáveis.

Em dezembro, o metrô do Recife ainda registrou uma morte por atropelamento, na linha Diesel. Um adolescente foi atingido por um trem nas imediações da estação Ângelo de Souza, em Jardim Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. De acordo com a vizinhança, o menino morava na comunidade Coquinho, em Cajueiro Seco, e havia ido ao local com um amigo, sem avisar à mãe. Ele estaria tirando frutos de um cajueiro às margens da ferrovia quando foi atropelado. Moradores do local reclamam da falta de segurança para atravessar a linha férrea e ter acesso à rodovia BR-101. 

O governo autorizou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a contratar estudos para estruturação da concessão do serviço de transporte ferroviário de passageiros no Grande Recife e outras quatro cidades atendidas pela CBTU. A resolução, de dezembro de 2019, prevê a contratação dos estudos no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Esta foi mais uma etapa do caminho para a concessão do serviço à iniciativa privada. A CBTU, além do Recife, atua também em Belo Horizonte, João Pessoa, Natal e Maceió.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias