REPÚDIO

''Ditadura nunca mais'', repudiam governadores do Nordeste sobre fala de Eduardo Bolsonaro

O filho do presidente Bolsonaro chegou a dizer que, caso a esquerda ''radicalizasse'' a resposta viria ''via AI-5''

JC Online
JC Online
Publicado em 31/10/2019 às 19:09
Foto: Reprodução/Reprodução YouTube
O filho do presidente Bolsonaro chegou a dizer que, caso a esquerda ''radicalizasse'' a resposta viria ''via AI-5'' - FOTO: Foto: Reprodução/Reprodução YouTube
Leitura:

Os governadores dos estados nordestinos se pronunciaram nesta quinta-feira (31) sobre a declaração polêmica feita pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em entrevista à jornalista Leda Nagle na última segunda-feira (28). O vídeo foi publicado no canal do YouTube de Leda. Nele, o filho do presidente da República disse que, se a esquerda ''radicalizar'' a resposta virá ''via AI-5''.

"Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada", disse o filho do presidente Jair Bolsonaro.

Confira a nota na íntegra:

"Os governadores do Nordeste repudiam ameaças autoritárias, a exemplo da absurda sugestão de edição de um novo AI-5. Defender a democracia é fundamental para que haja paz e prosperidade no brasil. Ditadura nunca mais."

Rui Costa - Bahia

Renan Filho - Alagoas

Camilo Santana - Ceará

Flávio Dino - Maranhão

João Azevedo - Paraíba

Wellington Dias - Piauí

Fátima Bezerra - Rio Grande do Norte

Belivaldo Chagas - Sergipe

Paulo Câmara - Pernambuco

Saiba o que foi o AI-5

O AI-5 autorizava o presidente da República a decretar o recesso do Congresso Nacional, das assembleias legislativas e das câmaras de vereadores, cassar mandatos de parlamentares e suspender direitos políticos dos cidadãos. Em 13 de dezembro de 1968, Costa e Silva fechou o Congresso Nacional por tempo indeterminado. Segundo registro da Câmara, o Congresso só voltou a funcionar dez meses depois.

Além do então presidente da República, assinaram o AI-5: Luís Antônio da Gama e Silva, Augusto Hamann Rademaker Grünewald, Aurélio de Lyra Tavares, José de Magalhães Pinto, Antônio Delfim Netto, Mário David Andreazza, Ivo Arzua Pereira, Tarso Dutra, Jarbas Passarinho, Márcio de Souza e Mello, Leonel Miranda, José Costa Cavalcanti, Edmundo de Macedo Soares, Hélio Beltrão, Afonso Lima e Carlos de Simas. A justificativa era assegurar a ordem e a tranquilidade no país.

No fim de dezembro de 1968, o governo cassou o mandato de Marcio Moreira Alves, por causa do discurso de setembro, feito em protesto contra a invasão da Universidade de Brasília (UnB) pelos militares. Ao defender a democracia, o então deputado do MDB disse que deveriam cessar, no país, as relações entre civis e militares. "Os militares vão pedir aos colégios que desfilem junto com os algozes dos estudantes. Que cada um boicote esse desfile. Esse boicote deve passar também às moças que dançam com cadetes e namoram jovens oficiais", afirmou Moreira Alves, morto em 2009.

Confira a entrevista

Últimas notícias