MERCADO IMOBILIÁRIO

Compra da casa própria entra na lista de desejos dos brasileiros para a Black Friday; saiba onde tem ofertas

Segundo levantamento do Google, a categoria de imóveis subiu 15% em importância na intenção dos brasileiros para a data, em relação ao ano passado

JC
JC
Publicado em 20/11/2020 às 11:43
Notícia

Foto: Guga Matos/Acervo JC Imagem
Primeiro empreendimento administrado pela Housi no Recife será lançado em outubro - FOTO: Foto: Guga Matos/Acervo JC Imagem
Leitura:

A compra de um imóvel não é algo decidido da noite para o dia, tampouco um negócio baseado apenas numa data comemorativa. Porém, com todas as mudanças trazidas ao longo deste ano de 2020, a melhora das condições para o financiamento de imóveis e o olhar mais atento das pessoas ao lar, o brasileiro passou a levar em consideração as oportunidades de melhores condições na Black Friday 2020 até mesmo para a compra da casa própria. Segundo um estudo de intenção de compras encomendado pelo Google e realizado pela Provokers, a categoria de imóveis subiu 15% em importância na intenção dos brasileiros para a data promocional este ano frente o mesmo período do ano passado. 

O aumento é acompanhado de mudanças de prioridades dos consumidores durante a pandemia, impulsionado também pelas taxas bastante competitivas de financiamento imobiliário nos últimos meses. De acordo com as buscas do Google, após uma queda de 3% entre março e abril deste ano, o volume de pesquisas sobre imóveis foi 34% maior em outubro de 2020 se comparado ao mesmo mês de 2019. As buscas por aluguel (+70%) e compra/venda (+73%) também cresceram.

Esse índice é maior até mesmo que o volume registrado em janeiro, considerado o mês de maior sazonalidade para o segmento de imóveis e que, normalmente, registra 27% mais buscas que a média do ano, conforme aponta o Google. 

As buscas por imóveis com churrasqueira cresceram 110% (quando comparado agosto de 2020 com o mesmo período de 2019), piscina 93% e varanda 63%. “Com o distanciamento social, a relação com a casa trouxe muitos novos significados e necessidades funcionais: passou a ser o local de trabalho, estudo, exercícios e contínua atenção”, diz Gustavo Souza, diretor de negócios para Serviços do Google Brasil.

Condições mais favoráveis

Obviamente, o simples fato de se buscar mais por imóveis em plataformas com o Google não é certeza quanto ao fechamento de contratos. Entretanto, o mercado imobiliário tem vivido um bom momento em 2020, influenciado pela pandemia, mas também pela melhora nas condições de acesso ao crédito. 

De acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) atingiram R$ 12,91 bilhões em setembro de 2020, com crescimento de 10,2% em relação ao mês anterior e alta de 70,1% comparativamente ao mesmo mês do ano passado. O volume financiado em setembro é recorde, em termos nominais, na série histórica iniciada em julho de 1994.

Foram financiados, em setembro de 2020, nas modalidades de aquisição e construção, 42 mil imóveis, resultado 6,4% superior ao de agosto e 54,6% maior do que o apurado em setembro de 2019. Entre janeiro e setembro de 2020, foram financiadas aquisições e construções de 279,1 mil unidades, resultado 34,4% maior que o de igual período de 2019.

Com a Selic no piso histórico de 2% ao ano, as taxas de juros dos financiamentos imobiliários também acompanharam essa redução e impulsionaram a tomada de crédito imobiliário. De acordo com os dados do Banco Central, as taxas do crédito imobiliário saíram de um patamar que beirava os 15% em 2016 para uma variação de 6,5% a 8% + Taxa referencial (atualmente zerada).

Feirão

De olho nessas movimentações, a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) e a Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC) iniciaram nesta sexta-feira (20) a Feira de Imóveis Online. A expectativa é de que cerca de 10 milhões de brasileiros participem do evento totalmente online, com geração de mais de 1 milhão de interações entre consumidores e empresas. Haverá ofertas de imóveis entre R$ 100 mil e R$1,5 milhão. Ao todo, participam 130 construtoras, com mais de 16 mil ofertas em todos o País. 

"O mercado imobiliário já vinha mudando, mas a pandemia nos mostrou que digitalização é questão de sobrevivência para as empresas. Um evento tão tradicional quanto uma feira de imóveis, realizado de maneira online, é uma oportunidade única para alcançarmos o Brasil todo. Para os clientes, além da questão da segurança, haverá menos burocracia e mais diversidade de opções", diz o presidente da Cbic, José Carlos Martins. 

A feira segue até o próximo dia 28 de novembro, com promoções como isenção do ITBI (Imposto Sobre Transferência de Bens Imóveis e dos custos de registro do imóvel, além de descontos no valor da tabela e incrementos nos apartamentos e ajuda com o condomínio, a depender de cada construtora. 

Para conferir as ofertas disponibilizadas no Recife, basta acessar este link.  A Caixa Econômica Federal é o banco oficial da feira e promete acelerar o processo de análise de condições de financiamento imobiliários para os consumidores.

Comentários

Últimas notícias