CONSELHO DELIBERATIVO

Conselheiro do Sport não pediu expulsão de deputado que denunciou áudios homofóbicos contra Gil do Vigor

Em contato com a reportagem do JC, o presidente do Conselho Deliberativo do Sport, Pedro Leonardo Lacerda, disse que recebeu apenas um pedido de expulsão, que foi assinado por Romero Albuquerque e direcionado para Flávio Koury

JC
JC
Publicado em 17/05/2021 às 12:12
Notícia
ALEPE
Romero Albuquerque é deputado estadual. - FOTO: ALEPE
Leitura:

ATUALIZADO EM 18/05/2021

Após o deputado estadual e conselheiro do Sport, Romero Albuquerque, denunciar os áudios homofóbicos de Flávio Koury contra o ex-BBB Gilberto Nogueira, ou o famoso Gil do Vigor, havia a informação, através de outro áudio vazado para a imprensa, que o também conselheiro e primo de Koury, Jayme Koury, enviaria um requerimento ao presidente do Conselho Deliberativo do Rubro-Negro, Pedro Leonardo Lacerda, pedindo a expulsão de Romero Albuquerque, como já havia informado o Blog de Jamildo na última sexta-feira e confirmado pela assessoria do deputado nessa segunda-feira (17).

Isso, no entanto, não se confirmou. Em contato com a reportagem do Jornal do Commercio, o presidente do Conselho Deliberativo do Sport, Pedro Leonardo Lacerda, disse que recebeu apenas um pedido de expulsão, que foi assinado por Romero Albuquerque e direcionado para Flávio Koury. Sobre algum protocolo para uma possível expulsão de Romero, Pedro não recebeu nada de nenhum outro conselheiro.

Na última sexta-feira, o deputado Romero Albuquerque divulgou áudios em que o advogado e conselheiro Flávio Koury. Entre os comentários, Koury disse que, ao observarem Gil do Vigor dançando o "tchaki tchaki" na Ilha do Retiro, o público acreditaria que o "time só tem bicha", e que esse tipo de dança não deveria ser feita num estádio, mas sim em bordéis. "1,2 milhão de visualizações. Arretado! 1,2 milhão de pessoas achando que o Sport só tem viado, só tem bicha. Vai vender é camisa. A viadagem todinha vai comprar... Vai ser lindo!", disse Koury em um dos áudios.

"Se ele tivesse feito essa dancinha na casa dele ou no bordel, eu não estava nem aí. Foi dentro da Ilha do Retiro, né, rapaz? Isso é uma desmoralização! Isso é ausência de vergonha na cara. É isso que estamos vivendo. Não tem mais respeito por pai e filho. É a depravação. Isso é o retrato do que o PT deixou pra gente. É exatamente isso", disparou Koury em outro áudio.

No mesmo dia em que divulgou esses áudios, Romero Albuquerque encaminhou um requerimento pedindo a expulsão de Flávio Koury do Conselho Deliberativo. A justificativa é que os comentários de Flávio quebraram normas de regimento interno do órgão e, além disso, destacou que “muitos usam o ônus da liberdade de expressão para dar voz a pensamentos ultrapassados”.

Esses comentários homofóbicos, aliás, revoltaram a torcida do Sport, que pediu e ainda segue pedidndo a exclusão de Flávio Koury do quadro de conselheiros do Rubro-Negro. Por meio de redes sociais, os leoninos levantaram a hashtag #ForaKoury. Quem também atacou Gil do Vigor foi o conselheiro Renan Valeriano, que disse que o torcedor empobrecia e envergonhava a marca do Sport, o que gerou revolta na torcida, assim como foi com Koury.

Além da torcida, o Sport e os jogadores saíram em defesa de Gil do Vigor. No mesmo dia em que os áudios foram divulgados, o Rubro-Negro publicou uma nota repudiando os comentários homofóbicos e afirmando que o clube e Conselho Deliberativo iriam investigar o ocorrido e tomar providências. Sobre os atletas, o capitão Patric gravou um vídeo em apoio ao ex-BBB, além do atacante Everaldo ter comemorado o gol contra o Náutico dançando o "tchaki tchaki".

Além disso, o Leão promoveu outras ações contra a homofobia e em apoio a Gil do Vigor. Entre elas, acrescentou “do Vigor” após os nomes dos jogadores nas camisas e entrou em campo com uma faixa.

FLÁVIO KOURY SE PRONUNCIA

Advogado e conselheiro do Sport, Flávio Koury pediu desculpas, nesse domingo, ao pernambucano e economista, Gil do Vigor. Na sexta-feira, o Blog de Jamildo divulgou áudios com comentários homófobicos dele direcionados ao ex-participante do Big Brother Brasil 2021. Nos ataques, Koury falou sobre a dança de Gil, que ficou famosa em todo o Brasil como “tchaki, tchaki”, após o reality show, e o ex-BBB reproduziu dentro da Ilha do Retiro.

Quero pedir desculpas a todos que se sentiram atingidos por minhas palavras, utilizadas num ambiente privado e que, retiradas de um contexto onde se discutia futebol, foram indevidamente remetidas à imprensa e às redes sociais por um dos debatedores.

Especialmente, peço desculpas a Gil do Vigor, que, involuntariamente, viu-se envolvido no episódio, o que jamais foi minha intenção ou intuito, estendendo as escusas também aos seus familiares e fãs.

Recife, 16 de maio de 2021.

O QUE DIZ A LEI

O Superior Tribunal Federal enquadrou, em junho de 2019, a homofobia e a transfobia no artigo 20 da Lei 7.716/1989, que fala sobre racismo e discriminação. Ou seja, de acordo com a decisão da corte:

* Praticar, incitar ou induzir a discriminação ou preconceito por conta da orientação sexual do individuo poderá ser considerado crime;

* Além da multa, a pena será de um a três anos;

* Se ocorrer grande divulgação da homofobia em veículos de comunicação, vide publicações em redes sociais, a punição será de dois a cinco anos, além do pagamento da multa;

* A aplicação da pena de racismo valerá até o Congresso Nacional aprovar uma lei sobre o assunto.

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM @gilnogueiraofc
Gil do Vigor revelou ser torcedor do Sport quando ainda estava no confinamento no BBB 21. - FOTO:REPRODUÇÃO/INSTAGRAM @gilnogueiraofc

Comentários

Últimas notícias