Eleições 2022

Aliados voltam a defender o nome de Geraldo Julio para Governo de Pernambuco

O ex-prefeito do Recife é defendido como o candidato natural do PSB para disputar o comando do Governo do Estado

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 07/01/2022 às 17:08
DAY SANTOS / JC IMAGEM
EM FOCO Manifestações seguem demonstração pública de João Campos - FOTO: DAY SANTOS / JC IMAGEM
Leitura:

O processo de escolha do candidato do PSB ao Governo do Estado tem sido enfatizado sob um discurso de que a decisão será feita com base em um partido unido. Mas, até esse anúncio ser feito pelo governador Paulo Câmara - que deu como prazo até o fim de janeiro - algumas movimentações não têm passado despercebidas, como a defesa ou “insistência” pelo nome do ex-prefeito do Recife e secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Geraldo Julio, como candidato à sucessão.

Nesta sexta-feira (7), o deputado estadual e presidente da Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa (Alepe), Aluísio Lessa, destacou o “papel político cumprido” pelo ex-gestor da capital pernambucana nos pleitos vitoriosos desde 2012 até aqui. "Seja disputando o voto. Seja coordenando as campanhas majoritárias. Jogar fora esse potencial, esse acúmulo de força junto à população junto às lideranças políticas e aos demais diversos setores organizados da sociedade é um equívoco que eu não creio que possamos sequer supor. Chega a ser surreal considerar uma hipótese sem Geraldo", afirmou o deputado.

O parlamentar socialista ainda cobrou uma justificativa por parte do ex-prefeito do Recife, para não querer ser candidato a governador nas eleições de outubro. “Nesse momento, onde o que está em jogo é a unidade nacional para derrotar o governo Bolsonaro, pra derrotar o fascismo e recuperar as condições de desenvolvimento econômico, geração de emprego e renda, de socorrer os que estão passando necessidades e fome, não é a hora de dar um tempo”, disparou Lessa.

No dia anterior, o prefeito de Sertânia Ângelo Ferreira (PSB) publicou em suas redes sociais uma foto de Geraldo Julio com o ex-governador Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo em 2014. Na legenda, o gestor também destacou o nome de Geraldo como o “mais qualificado e competitivo para concorrer ao cargo de governador”. “É um nome técnico e também da política, ele conhece os desafios que o nosso Estado enfrenta”, declarou Ferreira.

 

A deputada estadual e presidente da Comissão de Negócios Municipais da Alepe, Simone Santa, disse em entrevista ao Blog do Alberes Xavier, nessa terça-feira (4), que o nome de Geraldo Julio é “legítimo e natural”. Não por acaso, essas declarações públicas de apoio ao então candidato natural do PSB, ocorrem na semana seguinte à manifestação do prefeito do Recife, João Campos, durante a celebração da Missa de Ação de Graças, no dia 30 de dezembro, enaltecendo a gestão do seu antecessor e reforçando os laços de amizade que os dois mantêm.

“Sempre externei minha relação com o prefeito Geraldo Julio, uma relação muito fraterna, muito próxima do ponto de vista político e pessoal, e o que sempre disse é que respeitarei qualquer decisão que ele venha a tomar. Em qualquer decisão que ele tome, terá meu integral apoio. Digo isso e repito, ele foi um grande prefeito da Cidade do Recife, é uma grande figura pública, tem um legado importante, e a decisão que ele tomar junto com o partido, terá meu apoio integral”, declarou João Campos, na ocasião.

Por outro lado, dentro do partido há quem enxergue esse movimento como um fato isolado, já que o próprio secretário estadual de Desenvolvimento Econômico declarou que não é candidato a governador e que o assunto “estaria encerrado”. Além disso, a ausência de Geraldo nas agendas pelo interior do Estado e até das iniciativas com relação ao enfrentamento da covid-19, reforçam a tese de que ele não deve mesmo encabeçar a chapa majoritária. 

A motivação, segundo informações de bastidores, seria para atender o desejo da própria família do ex-prefeito que não quer que ele saia candidato nestas eleições. “Ele já disse que não quer e nunca vi na política, pedir votos para quem não deseja ser candidato. Agora, é mais fácil apontá-lo, por ele ser o candidato natural do PSB. Uma forma de não tomar partido dos outros nomes que estão sendo discutidos”, afirmou um socialista, em reserva.

Entre os outros nomes que estão sendo cotados como alternativa a Geraldo, estão: o secretário da Casa Civil, José Neto, e os deputados federais Tadeu Alencar e Danilo Cabral.

 

Comentários

Últimas notícias