Eleições 2022

Às vésperas de reunião entre PT e PSB em Pernambuco, Humberto Costa mantém pré-candidatura a governador

Os diretórios nacionais do PT e PSB se reúnem, nesta quinta-feira (27), na expectativa alinharem o apoio entres os partidos no palanque majoritário de Pernambuco

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 24/01/2022 às 16:58
ROBERTO STUCKERT FILHO
CHAPA Um dos argumentos do PT é que Humberto esteve várias vezes com o PSB na corrida majoritária - FOTO: ROBERTO STUCKERT FILHO
Leitura:

O PT de Pernambuco manterá o indicativo da pré-candidatura do senador Humberto Costa ao Governo do Estado, que já havia sido aprovado pelo diretório estadual, em dezembro. Pelo menos este será o cenário que a legenda apresentará, durante a reunião entre as direções nacionais do PT e PSB, na próxima quinta-feira (27). O local e horário ainda estão sendo fechados, mas o encontro contará com a presença  da presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, e do vice-presidente nacional, deputado federal José Guimarães (PT-CE). O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, participará de forma virtual.

“Nós tivemos a aprovação de Humberto Costa como uma alternativa para ser apresentada à Frente Popular. Nesta reunião, nós vamos informar qual a intenção do PT de Pernambuco e quais sugestões nós temos defendido aqui, que seria uma aliança com a Frente Popular, em que o governador Paulo Câmara fosse candidato ao Senado e apresentasse o nome do senador Humberto Costa como candidato a governador. Vamos aguardar e ouvir o que o PSB vai dizer”, afirmou o presidente estadual do PT, Doriel Barros.

Em meio às especulações de que a direção nacional pretende indicar o nome da deputada federal Marília Arraes, como candidata para o Senado, conforme publicação da Folha de S. Paulo, Doriel explicou que a própria nacional disse que qualquer discussão sobre candidatura ou outro cargo, não seria feita neste momento. Há também quem ventile a deputada estadual Teresa Leitão como vice e o deputado federal André de Paula (PSD) como candidato a senador.

“O que o PT nacional colocou foi, que na indefinição do PSB em apresentar um candidato, nós apresentamos um nome, e vamos continuar fazendo essa defesa. Não estamos falando do PT, mas do projeto da Frente Popular, e Humberto tem capacidade de lealdade e compromisso. São estes elementos que estamos colocando na mesa”, apontou o dirigente, reforçando ainda que não se pode subestimar o bloco na oposição nestas eleições.

Para o deputado federal Carlos Veras, a candidatura de Humberto Costa seria uma questão de “justiça”. Ele relembrou o cenário eleitoral de 2006, onde Humberto, que era candidato a governador, apoiou no segundo turno, o então candidato pelo PSB, Eduardo Campos, que saiu vitorioso das urnas. Em 2010, Humberto Costa foi eleito senador na chapa liderada por Campos, que conseguiu conquistar a reeleição. Já em  2018, Costa esteve mais uma vez disputando a cadeira do Senado, agora sob a liderança de Paulo Câmara, que também foi reeleito para o segundo mandato. 

“Nós vamos com o nome de Humberto até as últimas, por entendermos que ele é o melhor caminho para ganhar as eleições. Não podemos, em nome de uma prerrogativa ou vaidade, colocar em risco um projeto popular e democrático, para abrir a possibilidade de um bolsonarista governar Pernambuco”, declarou. Veras também defende uma chapa em que o PSB pudesse ocupar o Senado.

Candidatos

Nas duas vezes em que esteve com o governador Paulo Câmara, o senador Humberto Costa teceu elogios ao chefe do Executivo e declarou ser “um grande desperdício" ele ir até o fim do mandato, sem disputar um cargo eletivo. Para o parlamentar, o líder socialista seria o “candidato ideal" para o Senado Federal.

Em entrevista exclusiva ao JC, no mês passado, Paulo Câmara afirmou que estaria animado para concluir seu mandato à frente do Palácio do Campo das Princesas, mas não descartou a possibilidade de ser designado pelo PSB para cumprir quaisquer que fosse a missão. “Então estou muito animado para finalizar meu mandato e confiante que vamos poder fazer muita coisa por Pernambuco. No entanto, se houver outras tarefas e missões, e eu sentir que posso contribuir em outras missões, eu não vou me omitir de discutir isso até o final de março”, afirmou o governador.

A deputada estadual Teresa Leitão esclareceu que o partido não discutiu sobre a indicação da vice, mas que o partido tem como prioridade o Congresso Nacional - Câmara dos Deputados e Senado Federal, principalmente onde não for possível terem candidato ao governo estadual. “Já disse reiteradas vezes dentro do PT, que Pernambuco tem que dar a Lula um palanque que seja eleitoralmente forte e politicamente confortável, não podemos oferecer nada menos que isso”, afirmou;

Questionada sobre a viabilidade do nome de Marília Arraes para o Senado em uma chapa com o PSB, diante das rusgas deixadas pela dura disputa eleitoral pela Prefeitura do Recife, em 2020, onde o então candidato socialista, João Campos,  acabou sendo eleito no segundo turno, Teresa acredita que “tudo faz parte de um processo de diálogo”. “Da parte dela (Marília), acredito que ela já se colocou. Essa aliança não é só com o PSB, que é um partido hegemônico, do governador, mas existe uma frente ampla e que a gente precisa agregar e unificar”, ressaltou.

 

 

Em pesquisa para o governo do Estado, PT testa os nomes de Humberto Costa e de três socialistas; para o Senado, Marília Arraes é citada

Três nomes do PSB são citados na pesquisa sobre o candidato a governador: o ex-prefeito do Recife Geraldo Julio e os deputados federais Tadeu Alencar e Danilo Cabral

Em pesquisa para o governo do Estado, PT testa os nomes de Humberto Costa e de três socialistas; para o Senado, Marília Arraes é citada

O Partido dos Trabalhadores (PT) encomendou uma pesquisa de opinião para testar os possíveis cenários eleitorais em Pernambuco. O estudo surge no momento em que o partido tem buscado destravar, junto com o PSB, os palanques estaduais considerados estratégicos para as duas legendas. Na amostragem da Vox Populi, registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), existem três cenários apresentados nos questionamentos do voto estimulado para governador, que difere apenas sobre os nomes relacionados ao PSB.

No primeiro cenário, é indicado o nome do ex-prefeito do Recife, Geraldo Julio - que reiterou em diversos momentos que não seria candidato a governador do Estado. No anexo seguinte, consta o nome do deputado federal Tadeu Alencar; e por fim, o deputado federal Danilo Cabral. Os três socialistas são listados junto com a deputada estadual Clarissa Tércio (PSC), Humberto Costa (PT), Ivan Moraes (PSOL), Jones Manoel (PCB), Miguel Coelho (DEM) e Raquel Lyra (PSDB).

A pesquisa da Vox Populi foi iniciada no sábado (22) e finalizada nesta segunda-feira (24). Foram ouvidas 800 pessoas e o resultado será divulgado na próxima sexta-feira (28). Também foi questionada a eleição para o Senado Federal, com dois cenários diferentes. O primeiro mostra entre as opções o prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL); os deputados federais Carlos Veras (PT), Eduardo da Fonte (PP), Silvio Costa Filho (Republicanos); e o ministro do Turismo, Gilson Machado. Já em uma segunda composição, o nome de Veras é substituído pela deputada federal Marília Arraes (PT).

As direções nacionais do PSB e PT vão se reunir nesta quinta-feira (27), para tratar das federações partidárias e sobre o alinhamento político para as eleições majoritárias deste ano. Mesmo após a presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, reconhecer que o PSB “tem o seu tempo, está fazendo um processo de decisão” e que o partido deverá acompanhar essa movimentação, o PT de Pernambuco vai manter o indicativo da pré-candidatura do senador Humberto Costa, como uma alternativa para ser debatida com os integrantes da Frente Popular.

Já sobre a vaga para o Senado, existe uma divisão dentro do partido petista. Segundo publicação da Folha de São Paulo, a direção nacional estaria planejando indicar a deputada federal Marília Arraes. Existe uma definição muito clara de que onde o partido não puder fazer o seu candidato ao governo, que os esforços sejam centrados na ampliação da sua representação no Congresso Nacional. Em uma chapa cujo o candidato a governador seja do PSB, a parlamentar seria candidata a senadora. 

O problema é que uma outra ala do PT, ligados ao senador Humberto Costa, defende abertamente que o candidato ideal seria o governador Paulo Câmara. Neste caso, no desenho em que o PSB abra mão de indicar a o candidato a sucessão do líder socialista. 

“Nós tivemos a aprovação de Humberto Costa como uma alternativa para ser apresentada à Frente Popular. Nesta reunião, nós vamos informar qual a intenção do PT de Pernambuco e quais sugestões nós temos defendido aqui, que seria uma aliança com a Frente Popular, em que o governador Paulo Câmara fosse candidato ao Senado e apresentasse o nome do senador Humberto Costa como candidato a governador. Vamos aguardar e ouvir o que o PSB vai dizer”, afirmou o presidente estadual do PT, Doriel Barros.

 

 

Comentários

Últimas notícias