DIA DO PERDÃO

Luisa Mell sobre violência médica: "O ano mais triste da minha vida"

A ativista foi vítima de uma cirurgia plástica não permitida

Ana Anjos
Ana Anjos
Publicado em 16/09/2021 às 15:42
Notícia
Luisa Mell (Imagem: Reprodução / Instagram)
Luisa Mell (Imagem: Reprodução / Instagram)
Leitura:

Até a tarde desta quinta-feira, 16, se comemora o Dia do Perdão, ou melhor, o Yom Kipur, sendo uma das datas mais importantes e sagradas do judaísmo. Para comentar sobre o perdão, Luisa Mell falou sobre a violência médica que sofreu, realizando uma cirurgia plástica não permitida por ela.

Em seu Instagram, onde costuma falar um pouco sobre a sua vida pessoal, Luisa Mell relatou: "Sempre tive facilidade em perdoar. Até esqueço o que me fizeram. Achava uma qualidade. Mas este ano não. Como perdoar se a dor ainda é viva? Tive o ano mais triste da minha vida. Ainda estou lutando para sobreviver ao horror que me fizeram. Como vou conseguir perdoar se ainda dói tanto? Se ainda choro quando me olho? Destruíram meu amor-próprio porque eles achavam que eu podia ficar melhor".

O acontecimento da violência foi há aproximadamente nove meses, por isso, ela comentou que sempre visita médicos para achar uma solução ao ponto de se perdoar para fazer essa ação com o outro. "Até que ontem, um anjo [seu cachorro que aparece na imagem] me ensinou. Mesmo vítima de uma das maiores atrocidades que eu já presenciei, ela estava ali cheia de amor para todos. Mesmo depois de tudo que passou, ela continuava amorosa. Mesmo toda maldade do mundo não foi capaz de tirar sua bondade e alegria de viver", escreveu.

"Também por isso amo tanto os cachorros. Certamente são anjos que estão aqui para nos ensinar e acompanhar. E foi no seu olhar que eu entendi: Perdoar, não é deixar de punir , nem cobrar alguém. Aliás, não é sobre o outro. É sobre nós mesmos. É sobre libertar seu coração.", continuou Luisa Mell. Por fim, ela relembra que neste Yom Kipur reza para que seu coração perdoe todos e assim se libertar de tanta mágoa.

Siga o Social1 no Instagram, Facebook, Twitter e TikTok.

Comentários

Últimas notícias