Meu querido pé

Veja os mitos e verdades sobre como escolher os tênis para corridas e caminhadas

Pisada, formato do pé, amortecimento, preço... o que levar em consideração na hora da escolha?

Marília Banholzer
Marília Banholzer
Publicado em 16/10/2021 às 8:20
PIXABAY
Tênis precisam ser confortáveis e algumas questões precisam ser observadas na escola do calçado - FOTO: PIXABAY
Leitura:

Vai comprar um tênis para correr ou caminhar? Opções não faltam. Os valores também variam de acordo com a tecnologia de cada calçado. No entanto, entre tantas opções, como escolher o ideal? Pelo preço, pisada, amortecimento? De acordo com a ortopedista Marília Gomes, especialista em pé e tornozelo e biomecânica da corrida, há diversos mitos e verdades sobre a forma correta de escolher os tênis.

A verdade absoluta, no entanto, é de que o calçado deve oferecer conforto. Segundo a especialista, de nada adianta investir em tênis que custam mais caro e prometem tecnologia e amortecimento se os tênis não ficam confortáveis no pé de quem vai usar. Para não errar na escolha, é preciso ficar atento ao formato do pé, ao peso da pessoa que irá calçar, se o modelo é leve e respirável.

"Tive um paciente que usava um tênis mais simples, mas que era confortável para pé dele. Acabou comprando um bem mais caro, com a promessa de muita tecnologia e amortecimento, mas no fim não era confortável. O que causou dor e desconforto durante o uso. Então preço não é um bom parâmetro", conta Marília Gomes.

Segundo a especialista, é essencial que a pessoa experimente, ande, ou até dê um pique dentro da loja com o tênis. Se comprar pela internet, usar o direito de troca caso o calçado não fique confortável logo de início. Outra dica de Marília Gomes é escolher um tênis com um 'dedinho de folga'. "À medida que vai praticando o exercício físico, o pé vai inchando. Para os dedos não baterem na aparte da frente, evitando lesão, é bom comprar um número um pouco maior. Por exemplo, eu calço 37  e meu tênis de corrida e caminhada é 38", explica a ortopedista.

Outra coisa importante para observar na compra é se o tênis é leve e se é respirável. Tênis pesados causam lesões no pé com o decorrer do uso na prática esportiva. Marília Gomes ainda orienta que se escolha um calçado que tenha o cabedal (parte de cima) de tecido. "É melhor porque permite a troca de calor, tem ventilação maior, o que evita dores na pisada e fungos", comenta.

Sendo assim, veja as dicas da especialista de como escolher o melhor tênis para corridas e caminhadas:

Vida Fit (VF) - A pisada faz diferença nessa escolha?

Marília Gomes (MG) - Não. Há alum tempo a indústria dos tênis implementou essa questão do tênis voltada para cada tipo de pisada (pronada, supinada e neutra. Mas com o tempo foi revista essa questão e entendido que isso não faz diferença para o conforto e prevenção de lesões de quem vai usar os tênis.

VF - O peso da pessoa interfere na escola do tênis?

MG - Sim. Mas isso depende de cada pessoa. No geral, para pessoas que estão muito acima do peso o ideal é, se puder, escolher um tênis com uma entressola mais robusta para trazer mais estabilidade na pisada. Isso ajuda na desenvoltura da atividade e previne uma futura facite plantar ou até mesmo uma entorse. Para pessoa com sobrepeso, o aconselhável seria um tênis mais estruturado.

VF - Tênis de corrida e caminhada realmente precisam ser diferentes?

MG - Não existem tantas diferenças. Para ambos os tênis precisam ser leves, ter melhor aeração (troca de calor) e ter algum amortecimento, mas o ideal é de que sejam para atividade física, e não um sapatênis, por exemplo. Neste quesito vamos ter tênis mais simples e outros com mais tecnologia. O que vai determinar é a demanda do atleta, se treinar muito ou pouco, e o conforto ao calçar. Aí, no caso, isso muda de pessoa pra pessoa.

VF - O formato do pé (fino, largo) faz diferença na hora de escolher um tênis?

MG - Sim. Se uma pessoa tem um pé fino e vai colocar um tênis mais largo vai ficar com folga, e mesmo que aperte com cadarço não vai ser a mesma coisa. É importante escolher o mais adequado para a anatomia de cada e, mais uma vez, é o conforto que dita qual será a escolha.

VF - Tênis a gente usa até ele rasgar, ou ele tem vida útil?

MG - Não. Antigamente se falava em vida útil. Dava-se seis meses ou 400 km de rodagem, mas isso hoje em dia já caiu por terra. O que vai definir a troca é a própria pessoa. Se deixar de ser confortável, se ficou muito gasto ou folgado, aí a pessoa deve trocar.

VF - Ao comprar um tênis novo, preciso ter algum período ou estratégia de adaptação?

MG - De certa forma, sim. A adaptação deve ser feita com uso mesmo, mas nunca escolha trocar de tênis próximo a uma prova alvo. Por exemplo, uma semana antes de uma maratona. É preciso fazer adaptação nos treinos para o tênis pegar a conformação do deu pé. A dica é nunca comprar para estrear numa prova.

VF - Palmilhas ortopédicas são indicadas para tênis comuns?

MG - As palmilhas especiais são indicadas para quem teve uma lesão ou já tem uma patologia. Existem palmilhas feitas sob medida, e essa forma personalizada é feita sob orientação médica, mas também há palmilhas voltadas para práticas de exercícios. e que podem ser adaptada para qualquer tênis de corrida ou caminhada.

Comentários

Últimas notícias