Eleições 2022

PSB e PT têm encontro prévio e escolha do candidato a governador caminha para Danilo Cabral

O PT de Pernambuco reafirma a apresentação da pré-candidatura de Humberto Costa para o Governo do Estado, enquanto o PSB deixa claro que a indicação caberá aos socialistas

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 26/01/2022 às 20:03
TWITTER HUMBERTO COSTA
ENCONTRO Conhecido aliado de Danilo, Nilton Mota participou da conversa de ontem pelo lado do PSB. Do lado petista, Humberto e Teresa Leitão - FOTO: TWITTER HUMBERTO COSTA
Leitura:

Em um encontro prévio à reunião das direções nacionais, que será realizada no formato online, nesta quinta-feira (27), o PT e o PSB de Pernambuco estiveram juntos no Palácio do Campo das Princesas para reforçarem seus posicionamentos à sucessão do governador Paulo Câmara. Os petistas reafirmaram que vão manter o nome do senador Humberto Costa como pré-candidato a governador, como uma alternativa em discussão na Frente Popular. Por outro lado, os socialistas repisam a decisão tomada no 15º Congresso Estadual do PSB, em que não abrem mão de indicar o nome que encabeçará a chapa majoritária.

Nos bastidores, aliados já falam que a escolha pelo deputado Danilo Cabral está cada vez mais clara e isso inclui a impressão de lideranças petistas também. O encontro desta quarta-feira (26), inclusive, tem uma simbologia importante e reforça a leitura sobre a intenção do PSB apresentar até o fim da próxima semana, a decisão pelo nome de Danilo - filiado há 32 anos no partido, é líder da bancada socialistas na Câmara dos Deputados e tem como principais frentes de defesa as pautas ligadas a Educação e Assistência Social.

A Comissão Executiva do PT formada pelo presidente estadual do partido, deputado estadual Doriel Barros, o senador Humberto Costa, a deputada estadual Teresa Leitão e o ex-secretário de Saneamento Básico do Recife, Oscar Barreto, foi recebida pelo governador Paulo Câmara, o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, o secretário da Casa Civil, José Neto - possui a preferência do governador para ser o candidato, mas enfrenta resistências por não se enquadrar no perfil orgânico do partido - e o presidente da Perpart Nilton Mota - notório aliado do deputado federal Danilo Cabral.

“Nós estamos dando seguimento às conversas com os partidos e já existe, a nível nacional, um diálogo estabelecido entre o PT e o PSB. Nosso partido tem uma decisão e há o reconhecimento de todos de que ele deverá indicar o candidato a governador, filiado ao PSB. O Partido dos Trabalhadores reconhece essa questão, mas possui legitimidade para sugerir seus nomes, sobretudo um quadro como o senador Humberto Costa. Nesse processo de sucessão, o que se tem ouvido dos partidos da Frente Popular e do próprio PSB é que nós temos disposição para termos uma candidatura de um filiado”, defendeu Sileno Guedes, em conversa com o JC.

No fim desta primeira rodada de reuniões, Paulo Câmara deverá se reunir amanhã com o presidente estadual do PDT, deputado federal Wolney Queiroz, e nos próximos dias marcará um encontro com o presidente estadual do Avante, Waldemar Oliveira, e o líder do partido na Câmara, o deputado federal Sebastião Oliveira.

Nem mesmo a pesquisa interna encomendada pelo PT, cujo o resultado sairá na próxima sexta-feira (28) - não sendo obrigatória a divulgação pelo partido - e que testa cenários com Humberto Costa como candidato ao governo e os deputados federais Marília Arraes e Carlos Veras como candidatos ao Senado, poderá vir a atrapalhar essas negociações.

“A pesquisa não retrata nenhuma realidade nesse momento. A população não está ligada no processo eleitoral, pois essa não é uma pauta das pessoas. O instrumento de decisão da Frente Popular não vai ser feito por causa de uma pesquisa realizada seja por quem for. Nós temos um entendimento que é derrotar o presidente Bolsonaro, através da construção de uma unidade em torno desse projeto maior”, explicou Guedes, acrescentando que existe a expectativa de que o PT irá retornar à Frente Popular para a defesa do projeto do ex-presidente Lula nestas eleições.

Leitura do PT

O senador Humberto Costa, que já esteve recentemente com o governador Paulo Câmara em outras duas ocasiões, afirmou que não teve nenhuma novidade na conversa desta manhã. “O governador disse que essa semana concluiria a conversa com os partidos e na semana que vem, possivelmente, voltaria para conversar com o PSB. Aí o partido, junto com ele, vai conversar novamente com os partidos para apresentar uma decisão. Nós estamos justificando as nossas razões e defendemos um caminho, e não estamos encontrando resistência sobre isso. Mas vários dos partidos já colocaram que vão seguir a orientação que o governador der”, afirmou Costa.

Segundo o presidente estadual do PT, Doriel Barros, a pesquisa encomendada pelo partido é uma das ferramentas para confirmar a leitura que tem sido feita pela legenda. “Nós temos uma leitura muito real da situação, por isso insistimos que Humberto Costa pode encabeçar o nome do Governo do Estado, e isso será alinhado com o PT nacional”, declarou o dirigente.

É justamente a narrativa dita pela própria nacional do PT, nas falas da presidente do partido, deputada federal Gleisi Hoffmann, e do ex-presidente Lula, de que o PSB tem prioridade na escolha do candidato e que é necessário respeitar esse tempo, que os socialistas avaliam internamente que a questão de Pernambuco já estava resolvida e a pré-candidatura de Humberto dialoga sozinha.

 

 

 

 

Comentários

Últimas notícias