INVESTIGAÇÕES

Policiais envolvidos em manifestação no Recife prestam depoimento; vereadora Liana Cirne também foi ouvida

A ação policial resultou, ainda, na perda de visão de dois homens

Rute Arruda
Rute Arruda
Publicado em 08/06/2021 às 21:01
Notícia
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
A manifestação ocorreu no último dia 29 de maio - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

Com informações da TV Jornal 

Os quatro policiais militares envolvidos na agressão à vereadora do Recife Liana Cirne (PT) na manifestação contra o governo Bolsonaro, na área central do Recife, em 29 de maio, prestaram depoimento na Delegacia da Rio Branco na tarde desta terça-feira (8). A parlamentar também foi ouvida pela manhã. O delegado Breno Maia, um dos responsáveis pelo inquérito, informou que o próximo passo será ouvir os dois trabalhadores que perderam a visão após serem atingidos nos olhos. 

Segundo a vereadora, na delegacia, foi reforçado o que foi dito na Central de Plantões da Capital (Ceplanc) no dia 29, quando foi aberto um boletim de ocorrência. "Eu estava em casa, prestando um plantão jurídico para o caso de algum manifestante precisar de socorro. E, por volta de 11h30, o telefone do meu gabinete e o meu celular começaram a tocar bastante, com muitos relatos de violência, que até então tudo transcorria bem, que eu estava indo para Brasília Teimosa fazer entrega de cestas básicas. Troquei de roupa, fui prestar assistência às pessoas que estavam detidas", relatou a parlamentar. 

A vereadora disse, ainda, que ao chegar na Ponte Princesa Isabel se deparou "com uma cena de guerra". Segundo Liana, no local, muitas pessoas pediam por socorro e, por isso, desceu do carro em que estava e se identificou como vereadora. No entanto, ao tentar dialogar com o policial que conduzia a viatura, não teria sido ouvida. 

"Eles voltaram para o carro e não me responderam, mas sinalizaram que continuariam a perseguição. Eu fui novamente tentar conversar com eles. Foi quando eles dispararam, covardemente, o jato de spray de pimenta a um palmo do meu rosto", relatou. 

A vereadora relatou que foi atacada às 11h57. Nesse mesmo horário, segundo o advogado dos policiais militares, Rafael Nunes, havia um manifestante detido dentro da viatura e a parlamentar estaria tentando impedir que o levassem. 

"Tinha um preso dentro da viatura. Esse preso foi autuado em flagrante. Ela queria que a polícia tivesse liberado o preso. Ela queria segurar a viatura ali", disse.

A Secretaria de Defesa Social (SDS) aponta que, às 11h57, duas equipes da Radiopatrulha detiveram um homem que teria atirado uma pedra em uma das viaturas.

No entanto, de acordo com a vereadora, os próprios policiais informaram, em declaração prestada no boletim de ocorrência, que o homem em questão foi detido apenas às 13h25, na Avenida Conde da Boa Vista. Ou seja, 1h28 minutos após as agressões à vereadora e em local distinto daquele em que a agressão ocorreu.

O advogado dos PMs discordou da atitude da vereadora. "Não teria outra alternativa de contê-la. O que se espera da Polícia Militar? Usar os meios necessários. Vinha uma multidão depredar a viatura. Tinha um infrator dentro da viatura", disse. "O que não havia necessidade era dar tiro de bala de borracha, bater com cassetete, dar empurrões. A única forma que se tinha de contê-la naquele momento era spray de pimenta", completou.

A vereadora disse que os manifestantes não apresentavam perigo aos policiais, mas, mesmo assim, os militares dispararam tiros de bala de borracha e bombas de gás lacrimogêneo às 12h53, 17 minutos após o então secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, ter entrado em contato com o comandante geral da PM para determinar que a operação fosse encerrada.

Linha do tempo da ação policial

ARTES JC
Linha do Tempo da ação policial VERSÃO web - ARTES JC

Feridos têm alta do hospital

O adesivador Daniel Campelo da Silva, 51 anos, e o arrumador de contêiner, Jonas Correia de França, receberam alta hospitalar após serem atingidos durante a manifestação. Daniel perdeu a visão do olho esquerdo, e Jonas, do direito.

Daniel Campelo se recupera em casa. Ele passou por uma avaliação na Fundação Altino Ventura (FAV). Segundo ele, uma nova consulta deve ser realizada na próxima semana para saber se será submetido a uma nova cirurgia. A vítima relatou que, além dos olhos, sente dores em todo o corpo.

Jonas Correia foi encaminhado a um hotel pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) na Região Metropolitana do Recife, onde ficará hospedado temporariamente até a realização de melhorias em sua residência. As duas vítimas receberão, durante três meses, um auxílio de R$ 2.200, pago pela Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude de Pernambuco. O benefício foi autorizado no último dia 4 de junho, enquanto o processo indenizatório está em andamento, após reunião na na sede da Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco (PGE-PE). 

ARTES JC
Linha do Tempo da ação policial VERSÃO web - FOTO:ARTES JC

Comentários

Últimas notícias