COVID-19

Pernambuco tem primeiro caso de transmissão comunitária de coronavírus

A transmissão comunitária ocorre quando as equipes de vigilância não conseguem identificar a origem da contaminação

Amanda Azevedo Cinthya Leite
Amanda Azevedo
Cinthya Leite
Publicado em 17/03/2020 às 19:28
National Institutes of Health/AFP / Handout
Fora da RMR, seis cidades do interior também tiveram mortes pela covid-19 - FOTO: National Institutes of Health/AFP / Handout
Leitura:

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informou, nesta terça-feira (17), que Pernambuco registrou o primeiro caso de transmissão comunitária do novo coronavírus (covid-19). Com a notificação, aumentou para 19 o número de infectados no Estado. A transmissão comunitária ocorre quando as equipes de vigilância não conseguem identificar a origem da contaminação.

>> Saiba tudo sobre o novo coronavírus

>> Veja o que abre e o que fecha em Pernambuco por conta do coronavírus

Pernambuco é o quarto estado a registrar esse tipo de transmissão da doença. Os outros são Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

A paciente, uma mulher de 63 anos, mora em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, e viajou internamente pelo Brasil (Rio Grande do Sul), mas não para o exterior. Mesmo não apresentando critérios para testagem para o novo coronavírus, ela passou pelo exame por iniciativa do médico que a atendeu.

>> Veja novo horário de funcionamento dos shoppings de Pernambuco

>> Pernambuco é o 4º Estado do Brasil com mais casos confirmados

>> Para enfrentar o coronavírus, Pernambuco terá 100 leitos de UTI nas unidades públicas de saúde

Para áreas com transmissão comunitária é recomendada a redução de deslocamentos para o trabalho. O Ministério da Saúde incentiva que reuniões sejam realizadas virtualmente, que viagens não essenciais (avaliadas pela empresa) sejam adiadas/canceladas e que, quando possível, realizar o trabalho de casa (home office). Adotar horários alternativos para evitar períodos de pico também é uma das medidas recomendadas.

>> "Nunca vi algo igual a esta pandemia", diz infectologista do Huoc

 Cinemas, museus, academias e espaços culturais; veja o que será fechado em Pernambuco por causa do coronavírus

O governo de Pernambuco anunciou um novo pacote de medidas de enfrentamento ao novo coronavírus (covid-19). Decreto assinado nesta terça-feira (17) pelo governador Paulo Câmara (PSB) determinou a suspensão de eventos com público superior a 50 pessoas, além da interrupção de operações de pouso e decolagem de aeronaves no Aeroporto de Fernando de Noronha, após um novo caso suspeito ser identificado na ilha.

Deverão ser fechados teatros, museus, centros de artesanato, cinemas, academias de ginásticas e similares, evitando ao máximo as aglomerações. 

Leia o novo decreto do governo de Pernambuco:

Decreto do governo de Pernambuco 17.03.2020 de Jornal do Commercio
 
Uma outra determinação do governo estadual é a de que passageiros e tripulantes de voos vindos do exterior cumpram, obrigatoriamente, isolamento domiciliar ao desembarcarem no Aeroporto Internacional do Recife. Como anunciado posteriormente, a suspensão das aulas em toda a rede estadual de educação, pública e privada, inicia a partir desta quarta-feira (18), por tempo indeterminado.

Aeroporto de Fernando de Noronha fechado para turistas

 
O aeroporto do arquipélago de Fernando de Noronha será fechado aos turistas neste sábado (21). Atualmente, duas companhias aéreas funcionam no aeroporto de Noronha: Azul e Gol. Ambas empresas transportam cerca de 150 mil pessoas (turistas e moradores) ao ano, entre pousos de decolagens no arquipélago.
 
"O aeroporto será fechado a partir do próximo dia 21 para os turistas, de forma que todos eles tenham condições de voltar em voos que serão disponibilizados pelas companhias aéreas onde adquiriram suas passagens", explicou o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo.

>>Parque Marinho de Fernando de Noronha é fechado por causa do coronavírus

 
Mais cedo, o governo federal havia anunciado o fechamento de parques nacionais no Brasil, entre eles o Parque Marinho de Fernando de Noronha, que ocupa 70% da ilha principal e as demais ilhas secundárias, incluindo praias famosas como as do Sancho, Leão e Sueste.

Casos do coronavírus no Brasil

Após registrar a primeira morte pelo novo coronavírus nesta terça-feira(17), a atualização do Ministério da Saúde registrou 291 casos, contra 234 identificados nessa segunda-feira (16).

A maior diferença se deu nos casos suspeitos, que pularam de 2.064 para 8.819, quase quatro vezes. São Paulo segue liderando, com 164 casos.  "A diferença dos casos suspeitos é porque existia em vários estados e que não estavam sendo validados muito provavelmente a checagem manual. Afirmamos que era melhor utilizar o sistema automatizado. Mas é mais importante mostrar aumento de notificação do que ficar só nos 2 mil casos", afirmou Júlio Croda, da equipe do Ministério da Saúde, na entrevista coletiva concedida sobre o balanço do dia.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, confirmou a primeira morte por Covid-19 em São Paulo. "Em quase 300 casos tivemos primeiro óbito. Não podemos falar isso porque podemos ter seis óbitos amanhã. Não temos condição de falar a letalidade. Brasil é um país jovem, vamos ver como isso funciona", declarou.

Em relação aos casos suspeitos, São Paulo possui 5.047, seguido por Rio de Janeiro (859), Minas Gerais (563), Bahia (354), Rio Grande do Sul (300) e Distrito Federal (253). A região com menor número de suspeitas continua a sendo a Norte (96), enquanto a com mais pessoas em investigação é a Sudeste (6.538). Os casos descartados somam 1.899.

Do total, 57% são casos importados (aqueles contraídos fora do país), 32% são oriundos de transmissão local (adquiridos de pessoas que foram infectadas fora do país) e 12% são resultado de transmissão comunitária (quando as autoridades não conseguem identificar a cadeia de infecção e o primeiro paciente ou quando já ultrapassou a quinta geração da rede de contágio). Outros 2% ainda estão em investigação. As informações são da Agência Brasil.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Veja o mapa que mostra como o novo coronavírus tem se espalhado pelo mundo

OMS declara pandemia de novo coronavírus

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse na última quarta-feira (11) que a epidemia de Covid-19, que infectou mais de 110.000 pessoas em todo mundo desde o final de dezembro, pode ser considerada uma "pandemia", mas que pode ser "controlada".

"Estamos profundamente preocupados com os níveis alarmantes de propagação e de gravidade, bem como com os níveis alarmantes de inação" no mundo, declarou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em entrevista coletiva em Genebra.

"Consideramos, então, que a Covid-19 pode ser caracterizada como uma pandemia", afirmou.

 

Comentários

Últimas notícias